Saadianos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bandeira

No início do século XVI, os Saadianos[1] Saaditas ou Sa`didas[2] dirigem tribos originárias do vale do Drá, exasperadas com as ofensivas cristãs, que se revoltam contra os berberes Wattássidas e afastam-os do poder em 1554.

Origens[editar | editar código-fonte]

Os Saadianos são de origem árabe. Pretendem ao título de Xerifes por serem descendentes de Hassan ben `Alî, filho mais velho de Ali e de Fátima Zahra. Este parentesco prestigioso, que na época era aceito por todos, foi questionado no século XVII; pode ser que sua ascendência não venha de Maomé, mas de sua ama Halima, da tribo dos Banî Sa `d. Daí o nome da dinastia saadiana[3] .

O fundador da dinastia, Muhammad al-Qâ'im, chamado tambél al-Mahdî, ou Abu Abdallah, começa por iniciativa da irmandade Xadhiliyya uma guerra santa contra os Portugueses desde o mês de Agosto de 1511, com uma tentativa falhada contra a Fortaleza de Santa Cruz do Cabo de Gué (Agadir)[4] , que será tomada em 1541[4] . Ao mesmo tempo, os Saadianos aliam-se aos espanhois para enfrentar a ameaça turca.

Em 4 de Agosto de 1578, perto de Alcácer-Quibir, ao norte do país, D. Sebastião, de 24 anos, rei de Portugal, com 16 000 homens, enfrenta o sultão saadiano Mulei Moluco à frente de 50 000 homens. Sebastião tem um aliado na pessoa de um ex-governante de Marrocos, Mulei Mohammed. A batalha acaba com um desastre para os Portugueses e seu aliado, mas Mulei Moluco não tem a oportunidade de saborear a sua vitória, porque morre de doença durante a batalha.

Ahmed al-Mansur, sucessor de Abd el-Malik (Mulei Moluco), leva a dinastia Saadiana ao seu auge. Uma expedição victoriosa contra o Império Africano de Songhai, em 1591, permite-lhe enriquecer a sua capital com o ouro do Sudão (Sudão é diferente do país africano da actualidade: é a antiga denominação árabe dos países logo abaixo do Sahara. Sudão em árabe significa "terra dos negros").

A dinastia[editar | editar código-fonte]

Os sultãos Saadianos[editar | editar código-fonte]

1603-1659 Os líderes Saadianos baseados em Marraquexe

1603-1627 Os líderes Saadianos baseados em Fez

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Marrocos no século XVI  : Decadência dos Wattássidas et emergência dos Saadianos
  • 1524 : A família saadiana apodera-se de Marraquexe. Trata-se de uma linhagem pretendidamente Xerifiana, originária de Tamegroute, uma aldeia no vale do Drá, cujo um dos chefes, Abu Abdallah, tinha reunido as tribos do Suz para lutar contra os Portugueses. O crescente papel dos Saadianos reflete a ascensão das zaouias ou irmandades muçulmanas, e a crescente autoridade espiritual dos Marabutos, um fenómeno frequente em tempos de crise, enquanto o Islão aparece ameaçado. É assim que, desde 1511, Mohammed al-Jazuli, líder de uma poderosa Zaouïa do Suz, apoia a designação como chefe de guerra de Abu Abdallah, chamado o "que está de pé pela vontade de Deus" (al-Qâ'im bi-'Amr Allah).
  • 1524 - 1550: Reino de Abu al-Abbas Ahmad ben Muhammad (Ahmed el Wattasi). Ele deve reconhecer a independência de facto dos Saadianos, nas regiões do sul. Quando tenta de tomar Marraquexe, em 1528, é vencido e forçado a retirar-se. Dois filhos de Abu Abdallah compartilham o poder no sul do país: Ahmed al-'A`raj, o mais velho, que reina em Marraquexe, e Mohammed ech-Cheikh, governador do Suz.
  • 1537: Victoriosos dos Wattássidas no Oued-el-Abid, os Saadianos obtêm a partilha de Marrocos em dois reinos cuja fronteira é na altura da região de Tadla.
  • 1541: Os Saadianos tomam Santa Cruz do cabo de Guer (Agadir) aos Portugueses e aparecem como os defensores do Islão, enquanto os Wattássidas tentam negociar com os cristãos. A queda de Santa Cruz marca o princípio do declínio português. Azamor e Safim são rapidamente evacuados e, depois da tomada de Fez pelos Saadianos, Alcácer-Ceguer e Arzila são abandonados, em 1550. Os portugueses apenas conservam Tânger, Ceuta e Mazagão.
  • 1544 (Junho): Batalha do passo de Bibaoun[5] , ou de El-Kahira [6]  : Os dois irmãos Ahmed al-'A`raj e Mohammed ech-Cheikh combatem um contra o outro. Mohammed ech-Cheikh vence e Ahmed al-'A`raj refugia-se com seus dois filhos, na Zaouïa Ben Sasi (perto de Marraquexe). É depois levado a Tafilalt.
  • 1548: Os Saadianos fazem prisioneiro o Sultão Wattássida Ahmed el Outassi, que é libertado contra o abandono de Meknès.
  • 1550: Os Saadianos tomam Fez.
  • 1552: Falham em suas tentativas de expandir-se para Argélia.
  • 1554: O Wattássida Abû Hasûn `Alî, apoiado pelos Otomanos instalados em Argel, volta a tomar Fez, mas é finalmente derrotado e morto no Tadla pelo Saadiano Muhammad al-Shaykh, que recupera Fez. Os últimas Wattássidas são massacrados por piratas quando fogem de Marrocos.
  • 1554-1557: Reinado de Mohammed ech-Cheikh (ou Muhammad al-Shaykh) sobre Marrocos reunificado, cuja capital é transferida de Fez a Marraquexe. O Sultão saadiano, inquieto das ambições turcas, vira-se para Espanha e negocia secretamente com o conde de Alcaudete, governador espanhol de Orão, para agir contra Argel, mas os turcos anticipam e cercam sem sucesso Orão, enquanto os Saadianos não conseguem apoderar-se de Tlemcen.
  • 1557: Mohammed ech-Cheikh é assassinado por um desertor turco que se tinha posto a seu serviço: a sua cabeça é enviada a Argel, e depois a Constantinopla. O seu irmão também é assassinado em Tafilalt, por ordem de Abdallah el-Ghalib, para este poder reinar.As tropas de Argel ameaçam Fez depois de uma batalha indecisa travada perto do rio Sebu, mas uma surtida das forças espanholas de Orão obriga-as a retirarem-se.
  • 1557-1574: Reinado de Abdallah el-Ghalib. Falha em sua tentativa de apoderar-se de Mazagão, e a revolta dos mouriscos de Granada interfere com seu projeto de aliança com a Espanha contra a ameaça otomana. Mas esta ameaça aparece menos perigosa depois que em Lepanto a frota cristã vence o sultão, em outubro de 1571.
  • 1574-1576: Reinado de Mulei Mohammed, o filho mais velho de Muhammad al-Ghalib. Segundo a tradição, era o irmão mais velho do defunto, Abu Marwan Abd al-Malik I Saadi (Mulei Moluco), que devia suceder-lhe. Abd al-Malik, que tinha combatido nas armadas otomanas, é apoiado pelo sultão turco, que procura instalar, finalmente, o poder do Império Otomano em Marrocos. Abd al-Malik dessa maneira pode invadir o país com um poderoso Exército turco, e toma Fez, e em seguida Marraquexe, depois de vencer seu sobrinho perto de Rabat. Este procura então o apoio do Rei Dom Sebastião de Portugal.
  • 1576-1578: Reinado de Mulei Moluco. Este procura afastar o aliado turco, que o ajudou a tomar o poder, porque compreende que o sultão de Constantinopla é a principal ameaça para a independência de Marrocos, muito mais perigosa que a espanhola de Filipe II, forçado a dispersar os seus esforços da Itália aos Países Baixos.
  • 1578-1603: Reinado de Ahmed al-Mansur, irmão de Abd al-Malik. Seu reinado é um período de paz, que vê o Império Otomano abandonar suas ambições para o oeste, o que contribui para reforçar a independência Saadiana.
  • 1578 (4 de Agosto): Batalha de Alcácer Quibir
Conquistas dos saadianos
  • 1581: tomada da oásis de Tuat, (província de Adrar, que era uma etapa necessária no caminho que vinha do sul de Argélia para Tombuctu e Gao, um caminho que tinha gradualmente suplantado o que passava por Tafilalet, a suleste de Marrocos. O declínio do Comércio transaariano - cujas caravanas estão agora em competição com as caravelas Portuguesas que vão directamente às costas da Guiné -, o desejo de controlar as salinas de Teghaza, de que se apoderou o Império Songhai deGao, o desejo de apoderar-se das minas de ouro do Sudão, levam Marrocos a virar-se para essas áreas para restabelecer o comércio, que durante pelo menos sete séculos tinha-se revelado muito proveitosos para ele.
  • 1603: Com a morte, da peste, do sultão, começa a guerra entre seus filhos, que são proclamados sultãos, um em Fez, o outro em Marraquexe. Mulei Zaidan el-Nasir finalmente sai vitorioso da luta que o opõe a seus irmãos Abou Faris e Mohamed ech Cheikh II el Mamoun. Durante os quarenta anos que seguem, vários sultões Saadianos sucedem-se em Fez, e Marraquexe. É preciso esperar a chegada e victória dos Alaouitas para assistir ao restabelecimento da ordem e da unidade.
  • 1609-1614 Expulsão dos Mouriscos de Espanha. Muitos deles vêm instalar-se em Marrocos. Treze mil estabelecem-se na foz do rio Bu Regreg e criam os fundamentos de uma República corsária (1627-1668), que se tornará famosa e multiplicará expedições por todo o Atlântico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. em árabe: السعديون; transl.: as-saʿadiūn, "os saadianos".
  2. Janine et Dominique Sourdel, Dictionnaire historique de l'islam, Ed. P.U.F., ISBN 978-2130-545361, p. 715, artigo Saadiens e Dynastie des Hasanides Les Sa`dides
  3. Charles-André Julien, Histoire de l'Afrique du Nord, des origines à 1830, éd. Payot, Paris, 1994, ISBN 978-2228-887892, p. 573
  4. a b "".
  5. Chronique de Santa-Cruz du Cap de Gué (Agadir). Texte portugais du XVIeme siècle, traduit et annoté par Pierre de Cenival. Paris, Paul Geuthner. 13, rue Jacob, 13. 1934
  6. Luís del Marmol Carvajal, in Primera parte de la Descripcion general de Affrica, con todos los sucessos de guerras que a avido entre los infieles, y el pueblo christiano, y entre ellos mesmos desde que mahoma inve[n]to su secta, hasta el año del señor mil y quinientos y setenta y uno / por el veedor Luys del marmol Caravaial Granada : en casa de Rene Rabut, : vendense en casa de Iuan Diaz, 1573

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]