Salammbô

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Salammbô
Salammbô (BR)
Frontispício da edição de 1883.
Autor (es) Gustave Flaubert
Idioma francês
País  França
Género Romance
Espaço onde decorre a história Cartago
Editora G. Charpentier
Lançamento 1862

Salammbô é o título de um romance histórico de Gustave Flaubert, publicado pela primeira vez em 1862, cujo enredo reconstitui a vida na antiga Cartago.

História[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Salammbô é o nome fictício da filha de Amílcar Barca, célebre conquistador cartaginês. Durante as primeiras Guerras Púnicas, teve este de proceder à contratação de enormes contingentes de soldados mercenários que, findas as batalhas contra os romanos, acabaram rebelando-se e atacando a principal cidade da colônia africana dos fenícios.

Mâtho cai aos pés de Salammbô, não acreditando na visita inesperada de sua amada.
Ilustração de V. A. Poirson, 1890.

Após um festim comemorativo feito pelos comerciantes em homenagem às vitórias, um dos mercenários, chamado Mâtho, apaixona-se pela bela princesa Salammbô, a filha do general. Consagrada para o culto à deusa Tanit, esta se conserva pura e virginal, desconhecendo a realidade mundana.

Tem início a revolta dos mercenários, por não terem recebido as prometidas recompensas, sendo Mâtho um dos seus principais chefes. Amilcar encontra-se fora da cidade, que é cercada pelos milicianos. Tomado por sua paixão desenfreada, Mâtho ocultamente penetra em Cartago, o que resulta no roubo do Zaïmph - o manto sagrado da deusa - e no qual nenhum mortal poderia tocar.

O retorno de Amilcar, marcado pela oposição dos seus conterrâneos, dá início a uma longa série de batalhas, vitórias e reveses para ambos os contendores. Corajosamente, Salammbô segue ao acampamento rebelde, a fim de recuperar o objeto divino, indo diretamente à tenda do chefe revoltoso que, ante a inusitada realização de seu maior desejo - estar ao lado da amada - desfalece. A moça, assim, retorna com o manto - para isto tendo que tocá-lo.

Após intensas lutas, quando tudo parecia perdido para Amilcar, este sai vitorioso, e Mâtho é capturado. A jovem princesa dele se apaixonara, e sua morte por lapidação, durante os festejos de suas núpcias com Narr' Havas (outro mercenário, que desertara para o lado dos cartagineses) leva a moça a também morrer… fora-lhe fatal tocar no Zaïmph…

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Polêmica[editar | editar código-fonte]

Salammbô, por Gaston Bussiere.

Charles-Augustin Sainte-Beuve, crítico francês, lançou diversas censuras ao livro de Flaubert, acusando-o de cometer infindáveis imprecisões históricas no seu romance, dentre as quais: a crucifixão de leões, a descrição do templo de Tanit, o uso de perfumes por Salammbô - dentre outras - às quais o autor rebateu. Em carta, Saint-Beuve lhe responde que "Eu disse tudo, V. respondeu, os leitores atentos que julguem. O que eu aprecio sobretudo, e que todos hão de apreciar, é essa elevação de espírito e de caráter que fez a V. suportar com toda a naturalidade as minhas contradições, o que nos obriga a maior estima para consigo".

Já em relação às acerbas críticas feitas pelo Sr. Frœhner, diretor da Revue Contemporaine, Flaubert foi mais enfático, chegando a acusá-lo de leviano.

Diversos outros autores e críticos comentaram largamente esta obra-prima que, entretanto, não foi tão grandiosa quanto o seu Madame Bovary.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Salammbô - trad. de João Barreira, Livraria Chardon, Porto, 2ª ed., 1905.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Salammbô, por Alfons Mucha

Salammbô foi adaptado para diversos outros meios de comunicação, até tornar-se um jogo de videogame, feito na Alemanha, na década de 1990.

Ópera[editar | editar código-fonte]

Salammbô transformou-se numa ópera pelas mãos do francês Ernest Reyer e em outra do compositor russo Modest Mussorgsky. Esta última, de 1863, nunca foi apresentada, ao passo que a versão de Reyer estreou em 1890.

O autor contemporâneo Philippe Fénelon compôs uma versão em 3 atos (libreto de Jean-Yves Masson), que estreou na Ópera da Bastilha, em 1998.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Duas adaptações cinematográficas foram produzidas:

  • Salammbô (1925), filme francês, de Pierre Marodon com Jeanne de Balzac , Rolla Norman , Victor Vina.
  • Salammbô (1960), colorido, co-produção ítalo-francesa, dirigida por Sergio Grieco, cenário de John Blamy, e no elenco Jeanne Valérie (Salammbô), Jacques Sernas (Mâtho), Edmund Purdom (Narr-Havas), Riccardo Garrone (Amílcar), Arnoldo Foà (Spendius).

Banda Desenhada[editar | editar código-fonte]

Philippe Druillet fez uma adaptação livre do romance para os quadrinhos, levando a antiga história à ficção científica. Publicada a partir de 1980, era composta por 3 álbuns[1]:

  • Salammbô
  • Carthage
  • Mâtho

Escultura[editar | editar código-fonte]

O escultor francês Maurice Ferrary (1852-1904), produziu uma bela peça, retratando Salammbô nos braços de Mâtho, atualmente no Museu de Liverpool, na Inglaterra [2].

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Salammbô