Salmo trutta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTruta-comum
Salmo trutta.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Actinopterygii
Ordem: Salmoniformes
Família: Salmonidae
Género: Salmo
Espécie: S. trutta
Nome binomial
Salmo trutta
Linnaeus, 1758
Morfos
Salmo trutta morpha trutta

Salmo trutta morpha fario

Salmo trutta morpha lacustris

Salmo trutta é um peixe da família Salmonidae. Ocorre nos rios da Europa e Ásia. É a espécie de truta mais comum e é vulgarmente chamada truta marisca[1] (nome científico: Salmo trutta, morfo trutta) ou truta-marrom[2] (Salmo trutta, morfos fario e lacustris) são peixes da família dos salmonídeos.

As duas variações distinguem-se principalmente pelo fato de que a truta-marrom é um peixe de água doce, enquanto a truta marisca, que apresenta uma reprodução anádroma, migra para os oceanos por boa parte de sua vida, retornando à água doce apenas para a desova.[3]

O morfo lacustre da truta-marrom costuma ser potamódromo, migrando de lagos para rios e riachos para desovar, embora existam evidências de desovas realizadas em litorais de lagos onde exista abundância de ventos. O morfo fario da S. trutta forma populações que habitam riachos, especialmente alpinos, porém também são encontrados em rios maiores. Existem evidências de que morfos anádromos e não-anádromos que coexistem nos mesmos rios são idênticos geneticamente.[4] O nome "truta-marrom" costuma ser utilizado indiscriminadamente a todos os morfos.

Pode ultrapassar um metro de comprimento, embora isto seja raro de ocorrer.[1] Alimenta-se de pequenos crustáceos, cujos pigmentos dão à sua carne uma tonalidade rosada característica.[1]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Está classificada como espécie Criticamente em Perigo pelo Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal.

Apenas as populações dos rios Minho e Lima apresentam a forma migradora (e não a forma sedentária), ou seja, aquelas cujos peixes eclodem em água doce e, passados um a dois anos, migram para o mar onde crescem até à maturação sexual.

Só depois regressam aos locais de nascimento para se reproduzirem, normalmente zonas de baixa profundidade, com velocidades de corrente moderada e bem oxigenadas e sem poluição.

Estudos revelam que em 2040, a truta terá perdido metade do seu habitat na Península Ibérica; em 2100 terá praticamente desaparecido.

A poluição, as alterações climáticas, a extracção de água para rega e a sobre-pesca são as causas apontadas para a provável extinção das populações de truta-marisca), na Península Ibérica, antes de 2100[5] .

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre peixes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.