Sancha II de Leão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Sancha II de Leão (c. 1192-1243) foi, de jure rainha de Leão durante escasso período de tempo em 1230, em conjunto com a sua irmã mais nova Dulce, embora de facto não tenha exercido quaisquer funções governativas.

Sancha era filha de Afonso IX de Leão e da sua primeira esposa, a princesa Teresa Sanches, filha do rei Sancho I de Portugal. Desse casamento resultou também o nascimento de mais uma filha, Dulce, e de um rapaz, Fernando (falecido em 1214), putativo sucessor de Afonso IX. Contudo, o matrimónio viria a ser declarado inválido pelo Papa, em virtude da consanguinidade dos esposos. Desta forma, os filhos de ambos eram declarados ilegítimos.

Afonso IX voltou-se a casar, pela segunda vez, com a rainha Berengária de Castela, da qual teve, entre outros, filhos, o futuro Fernando III de Leão e Castela. Também este casamento seria anulado e, como tal, os filhos declarados ilegítimos.

Sancha terá, entretanto, sido prometida ao jovem Henrique I de Castela, e mais tarde a João de Brienne, mas nenhum dos casamentos se viria a efectivar.

A Henrique de Castela sucedeu sua irmã Berengária, a qual logo abdicou em favor do filho que houvera de Afonso IX, Fernando III (1217). Em face disto, Afonso IX julgou-se com direitos ao trono de Castela (por haver sido casado com Berengária), e declarou guerra ao filho; contudo, fracassou nos seus intentos; em 26 de Agosto de 1218, num pacto assinado em Toro, pai e filho selavam as pazes definitivamente, centrando-se antes na luta contra o inimigo comum – o Islão. Por esse pacto, previa-se que ambos os soberanos renunciariam perpétua e mutuamente à coroa do outro reino – o que equivaleria a dizer que Fernando III não poderia herdar nunca a coroa de Leão.

Com efeito, ao morrer (1230), Afonso IX lega o reino em testamento às suas filhas Sancha II e Dulce I; Fernando III, porém, auxiliado por sua mãe, Berengária esquece o acordado e decide-se a incorporar Leão nos seus domínios. Embora alguma da nobreza leonesa estivesse pelas rainhas, a esmagadora maioria da aristocracia e do clero leoneses viam com bons olhos a unificação com Castela.

Graças à mediação diplomática da mãe, que soube usar de grande mestria (inclusivamente mandando chamar a anterior esposa de Afonso IX, Teresa de Portugal, então acolhida no Lorvão, a qual viria a intervir a favor de Fernando, convencendo as filhas e herdeiras ao trono leonês a abandonarem as suas pretensões), Fernando III conseguiu com que as duas herdeiras do primeiro casamento do pai renunciassem ao trono em seu favor, em troca de uma significativa quantia em dinheiro e outros privilégios – foi o que se chamou o «Tratado das Tercerias». Desta forma se uniram para sempre Leão e Castela na pessoa de Fernando, o Santo, passando Castela a deter a hegemonia no conjunto da Hispânia.

Sancha fez-se então monja no mosteiro de Villabuena del Bierzo, onde permaneceu até ao fim da vida.

Precedido por
Afonso IX de Leão
Armas do reino de Leão Armas do reino da Galiza
Rainha de Leão e da Galiza

1230 (com a irmã Dulce I)
(de jure, não de facto)
Sucedido por
Fernando III
Ícone de esboço Este artigo sobre uma Rainha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.