Sandman (revista em quadrinhos)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sandman
Comic image missing-pt.png
Editora Vertigo
Publicação
Publicado em  Estados Unidos
Formato de publicação A2, A3, outras medidas / Capa dura, capa mole / etc
Encadernação Brochura, Lombada com grampos
Publicação original Janeiro 1989
Última Publicação Março 1996
Qte. de edições 75
Género (s) Adulto
Personagens Destino
Morte
Sonho
Destruição
Desejo
Desespero
Delírio
Equipe criativa
Desenhista(s) Dave McKean
Sam Kieth
Mike Dringenberg
Malcolm Jones III
Kelley Jones
Jill Thompson
Marc Hempel
Michael Zulli
Charles Vess
Arte-finalista(s) Todd Klein
Colorista(s) Danny Vozzo
Projecto Banda Desenhada  · Portal da Banda Desenhada

Sandman é uma revista de história em quadrinhos (banda desenhada em Portugal), sucesso de crítica e público. Foi criada por Neil Gaiman em 1988 para a Vertigo, selo para adultos da Editora DC Comics. Suas histórias descrevem a vida de Sonho, o governante do Sonhar (o mundo dos sonhos) e sua interação com o universo, os homens e outras criaturas.

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Sonho[editar | editar código-fonte]

Sonho (que também é conhecido como Morpheus, Sandman, Oneiros, (Lorde) Moldador, Kai’Ckul e vários outros em línguas já esquecidas) é o governante do Sonhar. Ele é um Pérpetuo - os Perpétuos (the Endless) são manifestações antropomórficas de aspectos comuns a todos os seres vivos: Destino, Morte, Sonho, Destruição, Desejo, Desespero e Delírio. Os 7 perpétuos não são deuses, mas sim entidades além, responsáveis pelo ordenamento da realidade conhecida. Só sua existência mantém coeso o universo físico e todos os seres vivos.

O Sonhar[editar | editar código-fonte]

As mentes de todos os seres vivos estão ligadas ao reino de Morpheus, o Sonhar. É para lá que vão as almas de todos os que dormem e onde são guardadas lembranças e pensamentos da hora do sono. O Sonhar guarda também o mundo imaginário de cada sonhador, várias realidades alternativas e seres imaginários se escondem lá. Sua biblioteca abriga bilhões de livros que nunca foram escritos. Toda a sanidade mental dos seres depende da boa administração desse reino (já que a realidade física do universo e mental dos seres também depende de nada "vazar" de lá para cá) e Sandman executa suas funções de maneira magistral. No sonhar vivem, por exemplo, Caim e Abel. Segundo o próprio Sandman, os deuses são gerados no Sonhar, nascendo como sonhos, e só então assumindo seu papel como divindades.

Arcos de história[editar | editar código-fonte]

No total, são 13 arcos que contam a história de Sandman em 75 números. Entre parênteses, as edições que pertencem a cada arco.

  1. Sandman: Prelúdios e noturnos (01 a 09)
  2. Sandman: A casa de bonecas (10 a 16)
  3. Sandman: Terra dos sonhos (17 a 20)
  4. Sandman: Estação das brumas (21 a 28)
  5. Sandman: Espelhos distantes (29 a 31 e 50)
  6. Sandman: Um jogo de Você (32 a 37)
  7. Sandman: Convergência (38 a 40)
  8. Sandman: Vidas breves (41 a 49)
  9. Sandman: Fim dos mundos (51 a 56)
  10. Sandman: Entes queridos (57 a 69)
  11. Sandman: Despertar (70 a 73)
  12. Sandman: Exílio (74)
  13. Sandman: A tempestade (75)

No Brasil foram lançados 10 arcos (assim como nos Estados Unidos). Os arcos, em ordem, são:

  1. Sandman: Prelúdios & Noturnos (The Sandman #1-8, 1988-1989)
  2. Sandman: A Casa de Bonecas (The Sandman #9-16, 1989-1990)
  3. Sandman: Terra dos Sonhos (The Sandman #17-20, 1990)
  4. Sandman: Estação das Brumas (The Sandman #21-28, 1990-1991)
  5. Sandman: Um Jogo de Você (The Sandman #32-37, 1991-1992)
  6. Sandman: Fábulas & Reflexões (The Sandman #29-31, 38-40, 50, Sandman Special #1 and Vertigo Preview #1, 1991, 1992, 1993)
  7. Sandman: Vidas Breves (The Sandman #41-49, 1992-1993)
  8. Sandman: Fim dos Mundos (The Sandman #51-56, 1993)
  9. Sandman: Entes Queridos (The Sandman #57-69 and Vertigo Jam #1, 1994-1995)
  10. Sandman: Despertar (The Sandman #70-75, 1995-1996)

Observação: As datas acima são das publicações americanas.

História[editar | editar código-fonte]

No primeiro arco (Prelúdios e Noturnos) Sonho relata sua captura por um mago chamado Roderick Burgess, em 1916. Ele permaneceu aprisionado numa redoma de vidro durante cerca de setenta anos antes de conseguir se libertar. Nos números seguintes ele retorna ao Sonhar e encontra seu reino em um estado de profunda decadência. Para restaurar o Sonhar, Sonho parte em busca de suas ferramentas - três objetos que contem parte de seu poder. A algibeira estava na posse de uma amiga de John Constantine, o elmo na posse de um demônio e o rubi nas mãos de John Dee, o Doutor Destino.

No segundo arco (Casa de Bonecas) Revela-se mais sobre as relações entre os Perpétuos e os seres humanos. A primeira revista do arco intercala acontecimentos simultâneos na Terra e no Sonhar. Na Terra é mostrado o encontro entre Rose Walker e Unity Kinkaid, que lhe revela ser sua avó. A mãe de Rose nasceu quando Unity estava em coma (ela foi vítima de um dos muitos distúrbios do sono motivados pela prisão de Sonho). No Sonhar, Sonho começa a restaurar seu reino, ordena um recenseamento dos habitantes e se prepara para combater a ameaça iminente do surgimento de um vórtice: um vórtice é uma pessoa que surge a cada era, capaz de romper as barreiras do Sonhar, e por isso mesmo perigosa demais para ser mantida viva. O vórtice dessa era é Rose Walker.

O terceiro arco (Terra dos Sonhos) é formado por histórias sem relação entre si. A primeira história se chama Calíope, nome de uma das nove musas da mitologia grega, mais especificamente a que inspirava a poesia épica. A história começa com ela aprisionada há décadas por um escritor ambicioso que, após anos de sucesso editorial e se valendo de abusos sexuais e da escravidão de Calíope, resolve entregar sua posse para um escritor mais jovem. Sonho sente compaixão por Calíope, em grande parte por ele próprio ter sido prisioneiro dos mortais, e faz com que seja libertada. Nessa história revela-se que Sonho e Calíope tiveram um filho de nome Orfeu. A segunda história (Um Sonho de Mil Gatos) é uma das mais curiosas de Sandman. Toda contada do ponto de vista dos gatos, é centrada na figura de uma espécie de profeta felina, que conversou com Morpheus durante um sonho. A gata buscava respostas sobre porque os humanos haviam matado seus filhotes. Sonho explica que os motivos dos homens eram ininteligíveis e em seguida relata sobre uma era em que os gatos eram senhores dos homens, que então não passavam de animais pequeninos. Esta era teria acabado quando um homem visionário conseguiu convencer vários homens a sonhar um mesmo sonho: o de um mundo em que eram senhores e não presas. Quando conseguiu isso a realidade se tornou qual os homens sonharam, e de forma tão profunda que mesmo o passado mudou, de forma que o homem sempre houvesse sido a raça dominante. Ao saber disso a gata se dedica a unir sua raça, fazendo com que os outros gatos voltem a sonhar com uma era em que eles reinassem tranquilos. Na terceira história - Sonho de uma Noite de Verão - William Shakespeare apresenta essa peça pela primeira vez e para uma plateia formada por criaturas de Arcádia, a terra das lendas habitada por personagens da ficção. Shakespeare teria escrito a peça baseando-se nesses mesmos personagens, que ele conheceu durante uma viagem arranjada por Sonho (o trato entre os dois é brevemente abordado na história "Homens de Boa Sorte, em Sandman nº14). Em troca da viagem, Sonho encomendou a Shakespeare duas peças, sendo Sonhos... a primeira. A outra seria "A Tempestade", mas será abordada mais tarde.

O quarto arco de histórias (Estação das Brumas) é um dos mais impressionantes. Conta a história da ida de Sonho ao Inferno, para resgatar sua ex-amante, Nada. Ao chegar ao Inferno, disposto a uma luta de vida ou morte, descobre que Lúcifer está abandonando seu domínio. Após uma grande conversa entre os dois, onde Lúcifer faz várias confissões (inclusive lhe diz que pretende morar na praia e ser um pianista de jazz em um bar na Terra) ele dá ao Lorde Moldador a chave do Inferno e pede para lhe cortar as asas. A partir disso o Sonhar começa a receber a visita de todas as divindades conhecidas em busca da chave do senhor dos Sonhos. Uma maldição que nem o senhor dos sonhos poderia imaginar que seria tão terrível.

O quinto arco (Espelhos Distantes) É composto de histórias desconexas entre si ele introduz Orfeu, filho de Sonho, na história e mostra a participação do lorde dos sonhos nos caminhos do império romano, ele se encerra mostrando um jogo muito curioso entre os perpétuos.

No sexto arco (Um jogo de você) Barbie, uma nova iorquina divorciada, viaja para o mundo mágico que ela já havia habitado uma vez em seus sonhos, para descobrir que este mundo está sendo ameaçado pelas forças do Cuco. Esta série introduz a personagem Thessaly, a qual exercerá um papel importante no destino de Morpheus.

Já no sétimo arco (Fábulas e Reflexões) temos uma coleção de pequenas histórias que se dão na história de Morpheus, sendo a maioria delas publicadas originalmente antes e depois do quinto arco de histórias. Quatro lidando com reis e comandantes, foram originalmente publicada sob o título de "Distant Mirrors", enquanto outras três, que detalham os encontros entre vários personagens, foram publicadas no arco Convergências. Fábulas e Reflexões também traz um especial de Sonho, publicado originalmente como uma história independente, que assimila o mito de Orfeu aos mitos de Sandaman.

No oitavo arco (Vidas Breves) Delírio, a irmã mais nova de Sonho o convence a ajudá-la a encontrar seu irmão perdido, conhecido como Destruição dos Perpétuos, que abdicou de seu lugar na família trezentos anos antes.

No nono arco (Fim dos Mundos) Viajantes de todos os tempos ficam presos no vórtice de uma tempestade da realidade, do mito e da imaginação e acabam convergindo em uma misteriosa estalagem. Na tradição de "Contos de Canterbury", de Chaucer, eles esperam a tempestade passar contando histórias.

No décimo arco (Entes queridos) Impossíveis de serem detidas em sua missão de vingança, elas não parariam antes que o crime que desejavam punir fosse vingado e limpo com sangue. As pessoas assustadas as chamavam de Bondosas ou Fúrias. Agora, Sonho dos Perpétuos, seus amigos e sua família se encontram presos em uma sombria conspiração. E alguém irá morrer.

No décimo primeiro arco (Despertar) Deuses antigos, velhos amigos e inimigos se reúnem para prestar um tributo e para recordar, no velório mais estranho que já existiu. E, no final de sua vida, William Shakespeare cumpre sua parte em uma estranha barganha.

Títulos Relacionados[editar | editar código-fonte]

Sandman - The Dream Hunters (Os Caçadores de Sonhos) Situado no Japão, este conto de fadas adulto, narrado com ilustrações e prosa, foi maravilhosamente pintado pelo lendário artista Yoshitaka Amano (Final Fantasy).

Morte - A Festa Em uma homenagem a Gaiman, Jill Thompson cria e ilustra uma história no estilo mangá, com os personagens de Sandman. As duas irmãs mais novas da Morte (Delirio e Desespero) organizam uma festa para os fugitivos do Inferno. Quando a farra foge ao controle, Morte tem que restabelecer a ordem e salvar o Além.

Morte - O Preço da Vida A cada século, durante um dia, a Morte toma sua forma característica para aprender mais sobre as vidas que deve tomar. (Publicado em 1994 no Brasil, pela editora Globo)

Morte - O Grande Momento da Vida Quando uma jovem mãe faz um acordo com a Morte para salvar seu filho, sua namorada paga o preço, em uma história sobre fama, relacionamentos e rock'n roll. (Publicado em 1997 no Brasil, pela editora Abril)

Capas na areia Não é propriamente uma história mas um apanhado das capas da revista, que são pura arte. Contém também comentários, entrevistas e uma história inédita.

Noites Sem Fim (Endless Nights) Coletânea de 7 histórias, cada uma sobre um dos Perpétuos, esta obra é a primeira tradução mundial do trabalho de Gaiman e cada conto foi ilustrado por um artista diferente. (Publicado no Brasil pela editora Conrad)

Lugares[editar | editar código-fonte]

Apesar da Terra e o Sonhar serem os principais cenários da revista, outros mundos frequentam constantemente suas páginas. Sonho já teve que ir ao Inferno atrás de uma de suas ferramentas, por exemplo. O Sonhar mantém uma relação estreita com Faerie/Fandall, o reino encantado onde habitam as lendas, inclusive a rainha do lugar - Titânia - ainda alimenta sentimentos por Morfeu.

O Sonhar[editar | editar código-fonte]

O castelo no qual Sonho habita e todo o resto do Sonhar mudam de aspecto à sua vontade, mas certas áreas têm sua forma mantida como uma cortesia a seus habitantes. Sonho parece ser o único Perpétuo a povoar seu reino - muitos outros personagens vivem lá, incluindo Caim e Abel. Ele inclusive mantém empregados para executar tarefas que poderia realizar facilmente, incluindo a reorganização do castelo e a vigilância de sua entrada.

Os outros Perpétuos têm seus próprios lares. Destino, por exemplo, está sempre perambulando por um jardim onde, não importa em que direção ande, há sempre vários caminhos à sua frente e um único atrás de si. Desespero "mora" num local coberto de bruma e névoa, onde ratos se escondem, e cercada por espelhos. Morte é a única dos Perpétuos que não tem seu reino mostrado diretamente, provavelmente porque a Morte habita em todos os lugares da criação. Na homenagem feita à Sandman em "Morte - a Festa", o reino dela é mostrado, e é o local onde a "balada", realizada por Delírio e Desespero, acontece. Mas nada parecido consta no Sandman oficial.

Sandman é uma revista em quadrinho da editora Vertigo, uma divisão da DC Comics, criada por Neil Gaiman.

História[editar | editar código-fonte]

A história é vista do ponto de vista de Sonho, um dentre os sete perpétuos, a representação antropormófica do sonho, inicialmente preso por um grupo de humanos que almejava prender sua irmã mais velha Morte para que se tornassem imortais, mas falham e capturam sonho.

Perpétuos[editar | editar código-fonte]

Os Perpétuos ou Sem Fim (Destino, Morte, Sonho, Destruição, Desejo, Desespero e Delírio) são um grupo de seres que personificam vários aspectos do universo na série de história em quadrinhos Sandman, de Neil Gaiman. Eles existem desde a aurora dos tempos e acredita-se que estão entre as criaturas mais poderosas (ou pelo menos influentes) do universo Sandman, inferiores talvez apenas a alguns Anjos (Lúcifer em particular) e ao Criador¹,e desempenham papeis centrais ao longo da história da qual Sonho é o protagonista.

Os Perpétuos são uma família pouco convencional de sete irmãos. Em suas formas mais comuns, todos têm a pele branca (apesar de Destruição, Delírio e Destino serem bem menos pálidos que os outros) e a maioria tem cabelos negros, mas as aparências e personalidades variam bastante. Eles têm algum controle sobre os conceitos que representam mas, da mesma forma que os deuses retratados em Sandman, também são modelados a partir de expectativas e crenças subconscientes dos seres conscientes. Em particular, a aparência de Sonho varia bastante, conforme o observador.

Todavia este aspecto da história é muito relativo, muitas vezes Sonho assim como várias divindades que aparecem durante a série tem seu poder e/ou aparencia fornecidos a eles pelos humanos, tendo também, muitos dos deuses tendo sido em teoria criados no sonhar.

Sua própria existência é irregular, uma vez que eles não são seres vivos, nem mesmo divindades eles são apenas aspectos da existencia não podendo por exemplo serem mortos no sentido literal da palavra, pelo menos não enquanto suas funções forem necessárias, como mostrado em Os Livros de Magia, onde os ultimos seres do universo são Destino e Morte, e está leva o mais velho dos perpétuos dizendo que irá, em seguida fechar o universo e não deve haver mais ninguém no local.

Publicações no Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, os 10 arcos e os 75 fascículos originais de Sandman já foram publicados por diversas editoras. De 1989 a 1996, a Editora Globo traduziu e publicou os 75 fascículos em revistas individuais, chegando também a publicar alguns arcos da história em formato encadernado. Dois anos depois, foi a vez da Brainstorm publicar uma nova (porém incompleta) leva da série. Pouco tempo depois, a editora Conrad realizou o maior esforço editorial no Brasil ao publicar nos anos 2000 todos os 10 arcos em livros encadernados com capa dura, em formato luxuoso. Infelizmente, uma vez publicado o décimo e último arco, em 2008, a Conrad perdeu a licença de representação editorial de Sandman no Brasil, e os primeiros arcos da série (Prelúdios e Noturnos e A Casa de Bonecas) tornaram-se raros e muito caros. Desde então, a editora Pixel comprou os direitos de Sandman, e recomeçou a publicar todos os arcos, em formatos menores que a Conrad. A versão da Pixel possui a nova coloração da edição americana de Absolute Sandman. Até o momento apenas o primeiro arco (Prelúdios e Noturnos) foi publicado pela nova editora, dividido em dois volumes. A Editora Pixel deixou de publicar Sandman para dar lugar a Editora Panini. Já foi lançado o primeiro volume de Sandman: Edição Definitiva em Abril/2010, reunindo as revistas do nº01 ao nº20. Todos esperam que a editora publique todos os volumes desta linha "Absolute". Sandman, volumes 3 a 10 traduzidos por Daniel Pellizzari (Conrad, 2005-2008)

Curiosidade(s)[editar | editar código-fonte]

Sandman inspirou a banda Metallica a compor a música Enter Sandman, que também fala sobre sonhos. A banda Blind Guardian fez uma regravação da canção "Mr. Sandman". Em 2013 o duo britânico Hurts lançou a canção original "Sandman" no álbum Exile.

Na fase de Grant Morrison na Liga da Justiça, o grupo encontra o Sandman Daniel, herdeiro de Morpheus, que os ajuda a enfrentar um vilão muito parecido com Starro, o Conquistador. Daniel também apareceu nas histórias da Sociedade Da Justiça Da América em várias ocasiões, devido a sua ligação com Hippolyta e Hector Hall.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Editora Conrad Editora que publica maior parte dos livros e quadrinhos do Neil Gaiman no Brasil

Matéria do site HQ Maniacs

Matéria/Resenha do Site Unifolha