Santa Cecília (bairro de São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santa Cecília
Edifícios restaurados na região da Estação Júlio Prestes, divisa com o Bom Retiro.
Bairro de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg
Distrito: Santa Cecília
Subprefeitura:
Região Administrativa: Centro

Santa Cecília é um bairro da cidade brasileira de São Paulo, localizado no distrito de Santa Cecília, na região central. Foi um dos primeiros loteamentos de alto padrão da cidade, onde se fixaram vários dos antigos fazendeiros do café.

História[editar | editar código-fonte]

A localização privilegiada e os espaçosos terrenos do loteamento eram ideais para abrigar as mansões e residências dos fazendeiros quando vinham à capital a negócios. Também ficava nas cercanias o principal hospital da cidade à época, a Santa Casa.

Crises[editar | editar código-fonte]

A partir de década de 1930, com a epidemia de febre amarela que assolou cidades do interior fazendo com que cafeicultores mudassem suas residências para a capital, somadas a Grande Depressão (a Crise de 1929) e a Revolução de 1930 trouxeram mudanças a muitas famílias, que, instalados no bairro, tiveram muitos de seus casarões e mansões demolidos, cedendo espaço a prédios de apartamentos, cedendo à especulação imobiliária. Outros continuaram de pé, sendo alugados e sublocados, transformando-se em pensões, cortiços e moradias coletivas precárias.

Mas outros fatores também contribuíram para a decadência progressiva do bairro, entre as décadas de 1930 e 1990:

  • herdeiros de imóveis que na partilha de bens e desinteresse pelo bairro, os venderam ;
  • o processo de decadência e esvaziamento do centro da cidade, a partir da década de 1970, com a transferência de muitos escritórios para a região da Avenida Paulista;
  • a falta de atratividade do bairro para a classe média, uma vez que a maioria dos prédios de apartamentos lá construídos, das décadas de 1930 e 1940, não tinham garagem nem área de lazer (os edifícios passaram a ser ocupados por famílias de renda mais modesta, que não tinham condições de conservar adequadamente os imóveis);

Década de 2000 - renascimento[editar | editar código-fonte]

Nos últimos anos, a iniciativa privada (aproveitando os 21% dos 11 imóveis mais desvalorizados, porém com ótima infraestrutura de acesso) tem ocupado e reformado os casarões e edifícios antigos.

O maior benefício ao bairro, é fazer divisa com o bairro de Higienópolis, o que lhe dá "status" de classe média alta.[1]

Apenas um núcleo do bairro preservou características das décadas de 1930 e 1940. Trata-se da região próxima à alameda Barros, onde fica o Externato Casa Pia São Vicente de Paulo[2] , onde há a casa de D. Maria Angélica de Souza Queiroz, também antiga Chácara das Palmeiras; ali ainda existem alguns poucos casarões e edifícios residenciais de porte, muitos com garagem, ocupados ainda por pessoas de classe média alta.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.