Santa Matilde (automóvel)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santa Matilde
1986 SM 4.1

SM 4.1S, um modelo da marca.
Visão Geral
Nomes
alternativos
SM
Produção 19781997
Fabricante Companhia Industrial Santa Matilde
Modelo
Classe Esportivo
Carroceria Fibra de vidro:
Hatchback
Coupé
Conversível
Ficha técnica
Motor Chevrolet 4.1L 250S, I6 - G
Chevrolet 4.1L, 6cc - Etanol
Chevrolet 2.5L, I4 - E
Chevrolet 2.5L Turbo, 4cc - E
Transmissão 4 marchas
Layout 2+2 lugares, motor dianteiro
tração traseira
Modelos relacionados Puma GTB
Chevrolet Opala
Volkswagen Santana
Puma GTB
Dimensões
Comprimento 4180mm
Entre-eixos 2380
Largura 1710mm
Altura 1320mm
Peso 1240kg
Último
Último
Próximo
Próximo


A Santa Matilde foi uma indústria de automóveis fabricados no Brasil.


História[editar | editar código-fonte]

Em 1975 o governo brasileiro proibiu a importação de automóveis e suas peças. Isto era um sinal de problemas para quem possuía um veículo importado, pois afetaria diretamente a aquisição de peças para a manutenção.

Neste grupo de pessoas estava o Dr Humberto Pimentel que possuía um Porsche Targa 911S e a futura falta de peças já o preocupava bastante. Em meados da década de 1970, o Dr Humberto resolveu comprar um carro desportivo nacional. Sua escolha foi pelo melhor carro esporte nacional da época, o Puma GTB. Não se sabe ao certo o que levou o Dr Humberto a criar seu próprio automóvel. As duas versões mais conhecidas são de que, após analisar o Puma GTB, ele haveria sugerido algumas mudanças no carro visando uma melhora no que dizia respeito à estrutura, segurança, estabilidade. A resposta teria sido negativa e isto lhe impulsionou a pensar num carro esporte que chegasse ao seu nível exigências.

Outros relatos falam em uma fila de espera muito grande para adquirir o GTB e que isto teria sido o real motivo.

Independente de qual esteja certa, o que importa é que foi o início do automóvel SM. O primeiro passo foi criar o projeto do carro e uma equipe começa a ser montada para isto. Para chefiar esta equipe o nome escolhido foi o do engenheiro Milton Peixoto. Dentre os outros profissionais chamados temos o pintor Cici e os soldadores Antonio Alves e João da Silva. João aparece em uma das fotos soldando o protótipo. Nesta fase, em dezembro de 1975, entra para a fábrica Antonio Manuel Penafort Pinto Queirós, conhecido pelos membros do SMClube[1] como "Antonio projetista" e que possui o seu 79 até hoje totalmente original.

Sob a batuta do Dr Humberto, nasce o projeto do SM, sendo assinado por sua filha Ana Lídia. Segundo declarado pelo próprio Dr Humberto, foram colhidas idéias de vários automóveis da época, não tendo servido de base para o SM um único automóvel.

O próximo passo a ser definido seria qual a mecânica usar. A escolhida foi a do Alfa Romeo, mas a fábrica negou a concessão para o uso. A opção então foi usar a mecânica 6 cilindros Chevrolet Opala. Para a criação do protótipo o nome escolhido foi o de Renato Peixoto. Peixoto era muito conhecido no meio automobilístico por ter trabalhado em diversos projetos de automóveis de corrida, como o Casari A2, o qual pilotou nas 1000 milhas do Autódromo de Interlagos de 1970. Pois bem, estavam unidas "a fome e vontade de comer" e a criação do SM iria começar. A equipe para produção do protótipo foi montada usando uma parte da mão de obra da própria fábrica, pintores, lanterneiros e outros, contratando também mão de obra externa. Tudo era desenvolvido em cima de um graminho de aço (ferramenta bastante antiga). Para o cargo de designer foi chamado um funcionário da área agrícola da fábrica, Flávio Monnerat.

O chassis foi desenvolvido pelo próprio Peixoto a partir das longarinas do Opala. Longarinas são vigas de secção variável montadas longitudinalmente que proporcionam rigidez estrutural ao chassis.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. SMClube - Site acessado em 31 de Maio de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]