Santa Teresinha (bairro de São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santa Teresinha
Santa Terezinha, SP.JPG
Bairro de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg
Fundação: 1933
Imigração predominante:  Portugal
Distrito: Santana
Subprefeitura: Santana-Tucuruvi
Região Administrativa: Nordeste

Santa Teresinha é um bairro situado na zona norte da cidade de São Paulo. O bairro de Santa Teresinha, pertence ao distrito de Santana.

Nome[editar | editar código-fonte]

O bairro recebeu este nome por causa de Teresa de Lisieux (Alençon, 2 de janeiro de 1873Lisieux, 30 de Setembro de 1897) que foi uma religiosa carmelita francesa. É conhecida como Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face ou, popularmente, Santa Teresinha.

História e características[editar | editar código-fonte]

O pequeno bairro da zona norte é prova do crescimento do distrito de Santana. Até o início do século XX, a região era um aglomerado de fazendas e sítios, devido a inundações periódicas da várzea do Tietê, que tornavam o solo fértil. Santa Teresinha fazia parte de uma imensa fazenda pertencente a Pedro Doll, que hoje dá nome a uma importante rua no bairro de Santana e a Francisco Frances. Assim, a região acabou ficando com ares interioranos, mesmo estando localizada na Capital.

Por volta dos anos 1920 surgiram alguns loteamentos que foram produzindo um lento crescimento. Um desses lotes era dos Salesianos que adquiriram uma chácara onde construíram estruturas para os alunos do Liceu passearem e brincarem, num ambiente de ar puro, pois muitos deles convalesciam da "grande gripe," ou "gripe espanhola," que assolou o mundo depois da Primeira Guerra Mundial e matou milhares de pessoas em São Paulo. Até então, a região era conhecida como "Chora Menino," por haver no bairro um cemitério onde varias crianças foram enterradas no século XIX por terem contraido varíola e onde familiares "choravam por seus meninos."

Típica rua do bairro e ao fundo os edifícios do Alto de Santana.

Talvez para fugir ao estigma de o bairro ter o nome ligado a doenças, em 1933, Padre Orlando Chaves teve a ideia de mudar o nome de uma parte do bairro de "Chora Menino" para Santa Teresinha e abaixo-assinados foram circulados entre o povo. Padres Quintiliano e Bruno conversaram com responsáveis pela garagem de ônibus "de linha" e obtiveram autorização para afixar nos vidros dos ônibus pequenos cartazes onde se lia: "BAIRRO SANTA TERESINHA". Na mesma década, construi-se a igreja de Santa Teresinha e, em 1934, a estação do tramway da Serra da Cantareira teve seu nome mudado de "Chora Menino" para "Santa Terezinha," com "z," de acordo com a ortografia antiga.

Com o passar dos anos, o bairro cresceu, surgindo mais casas, pequenas indústrias, edifícios e uma gama de estabelecimentos comerciais. Hoje é ainda um bairro tranquilo, familiar, pouco distante do metrô, mas de livre acesso à Santana, ao centro e Marginal Tietê. Muitos portugueses fizeram do bairro sua residência, tanto que a rua Nova dos Portugueses surgiu como homenagem a esses imigrantes que ajudaram a construir o pequeno mas produtivo bairro.[1] [2] [3]

O bairro é relativamente pequeno, começa aproximadamente no trecho médio da Rua Conselheiro Moreira de Barros, perto da Alameda Afonso Schmidt e termina na Avenida Engenheiro Caetano Álvares. Suas principais vias são: a Alameda Afonso Schmidt e as ruas: Santo Egídio, Copacabana, Augusto Tolle, Conselheiro Moreira de Barros, Domingos da Costa Mata, Dom Henrique Mourão e Luis Antônio dos Santos.

Na pesquisa Onde estão os imóveis novos mais caros de SP? feita pela revista Exame a Rua Santo Egídio apresenta o segundo metro quadrado mais caro da Zona Norte, 5.175 reais.[4]

Educação[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ponciano, Levino. Bairros paulistanos de A a Z. São Paulo: SENAC, 2001. 107-108 pp. ISBN 8573592230
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.