Sarna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Sarna
Uma fotomicrografia do ácaro causador da sarna (Sarcoptes scabiei).
Classificação e recursos externos
CID-10 B86
CID-9 133.0
DiseasesDB 11841
MedlinePlus 000830
eMedicine derm/382
MeSH D012532
Star of life caution.svg Aviso médico

Sarna ou escabiose (em latim: Scabere - "coçar")[1] é uma infecção parasitária contagiosa da pele que ocorre entre seres humanos e outros animais. É causada por um minúsculo parasita e que, geralmente, não são diretamente visíveis, o ácaro Sarcoptes scabiei, que se refugia sob a pele do hospedeiro, causando coceira alérgica intensa. A infecção em animais (causada por espécies de ácaros diferentes, mas relacionadas) é chamada de sarna sarcóptica.

A doença pode ser transmitida através de objetos, mas é mais frequentemente transmitida por contato direto com a pele infectada, com um maior risco se o contato for prolongado. As infecções iniciais requerem de quatro a seis semanas para tornarem-se sintomáticas. A reinfecção, no entanto, pode manifestar sintomas dentro de 24 horas. Como os sintomas são alérgicos, seu atraso no início é geralmente espelhado por um atraso significativo no alívio após os parasitas serem erradicados. Sarna crostosa, anteriormente conhecida como sarna norueguesa, é uma forma mais grave da infecção frequentemente associada com a imunossupressão.

A doença pode ser tratada efetivamente com uma série de medicamentos. O creme de permetrina é o mais eficaz, no entanto é mais caro em comparação com outros tratamentos.

Transmissão[editar | editar código-fonte]

É transmitida pelo contacto directo entre pessoas (não necessariamente sexual). É uma doença comum em seres humanos e não está associada diretamente com a falta de higiene.

Não pode ser considerada uma DST, pois a transmissão pode ocorrer em qualquer situação ou ambiente que propicie o contacto com o ácaro. A transmissão através de outros contactos físicos não-sexuais (como um aperto de mão ou um abraço) é bem mais rara, embora seja possível. A doença pode também ser transmitida entre mãe e filho através da amamentação. Normalmente o contágio se dá a partir de um outro ser humano.

O ácaro é capaz de perfurar e penetrar a pele em questão de minutos. Isso leva a uma coceira intensa, associada a lesões de pele causadas pela penetração do ácaro e pelas coçaduras. Às lesões, seguem-se infecções secundárias que podem ser bem mais graves, especialmente em pacientes portadores de HIV ou outras doenças imunológicas.

As áreas preferenciais de infecção são os punhos, as axilas, o ventre, as nádegas, os seios e os órgãos genitais masculinos.

Características clínicas[editar | editar código-fonte]

Humanos[editar | editar código-fonte]

Áreas comumente afetadas pela sarna.

Áreas alopécicas na região da face, membros ou dorso.Eritema (vermelhidão), pústulas ("bolhas", vesículas), hiperpigmentação, escamas, colaretes epidérmicos. prurido intenso devido a açao a perfuraçao da epiderme pelo acaro juntamente com produtos do metabolismo do parasito e a ação de sua saliva; crostas salientes quando em grande quantidade.

Diagnóstico Diferencial[editar | editar código-fonte]

Dermatofitose e Piodermites, que são pruriginosas.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

É feito à base de inseticidas especiais, ou escabicidas. Seu uso é tópico, ou seja, local, e deve ser aplicado no corpo todo, exceto acima da linha do nariz e das orelhas, por dois ou três dias. É importante que a aplicação seja repetida depois de sete a dez dias para combater os ácaros provenientes dos ovos que ainda não haviam eclodido na primeira aplicação. Já existem remédios por via oral que também são eficientes no tratamento da escabiose.[2]

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Ter uma boa higiene diária e lavar sempre a roupa quando se esteve em contacto com alguém infectado.

Dicas[editar | editar código-fonte]

É muito importante : escaldar as roupas, lençóis e toalhas ou colocá-las para congelar. Isso evita uma nova infecção.

Toda a família e/ou parceiros devem ser tratados simultaneamente para evitar a reinfestação.

A escabiose é comum em ambientes de aglomeração populacional, como exército, presídios, etc. e, principalmente, em locais de má higiene.

Troque de roupas diariamente porque o ácaro sobrevive horas, às vezes dias, fora do corpo.

Lave as roupas de uso pessoal, de cama e de banho diariamente.

Procure certificar-se de que todas as pessoas com que convive proximamente estão recebendo tratamento simultâneo.

Em outros animais[editar | editar código-fonte]

Um cachorro de rua com sarna em Bali, Indonesia.

As sarnas são patologias cutâneas e algumas delas são zoonoses. As mais conhecidas são a sarna demodécica ( "sarna negra", causada pelo Demodex canis) e a sarna sarcóptica ou "escabiose" (causada pelo Sarcoptes scabiei), também conhecida como sarna notoédrica para gatos (causada pelo Notoedris cati).

Características clínicas[editar | editar código-fonte]

Áreas alopécicas na região da face, membros ou dorso. Eritema (vermelhidão), pústulas ("bolhas", vesículas), hiperpigmentação, hiperqueratose, escamas, colaretes epidérmicos. Na sarna sarcóptica o prurido (coceira) é intenso. Na sarna demodécica, o prurido (coceira) é ausente, exceto quando houver piodermite (infecção de pele) concomitante.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Raspado de pele em áreas alopécicas corado com potassa = revela o ácaro Demodex canis quando se trata de sarna demodécica (não contagiosa), ou então o ácaro Sarcoptes scabiei quando se trata de sarna sarcóptica (contagiosa). Otoscopia revela: eritema e secreção ceruminosa abundante seguido de parasitológico de cerúmen. Exame histopatológico : utilizado para fechar o diagnóstico em cães da raça Shar pei, que apresentam muita mucina ,o que dificulta a visualização do ácaro.Este é o exame de eleição para Shar pei.Em casos de pododermatite também, devido à hiperqueratose.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico é igual ao da demodécica porém em casos de suspeita de escabiose em animais, realiza-se o teste do reflexo otopedal, se positivo confirma-se escabiose (atritar a orelha do animal levemente e o mesmo irá mexer a pata traseira na tentaiva de coçar a orelha). Raspado de pele em áreas alopécicas corado com potassa revela o ácaro Sarcoptes scabiei.

Otoscopia revela: eritema e secreção ceruminosa abundante seguido de parasitológico de cerúmen. Exame histopatológico : utilizado para fechar o diagnóstico em cães da raça Shar pei, que apresentam muita mucina ,o que dificulta a visualização do ácaro.Este é o exame de eleição para shar pei. Em casos de pododermatite também, devido à hiperqueratose.

Diagnóstico Diferencial[editar | editar código-fonte]

Dermatofitose e Piodermites, que são pruriginosas.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Banhos semanais com peróxido de benzoíla 2,5 % (não pode ser usado para gatos). Amitraz (Triatox®) diluir 4 mL em 1 L de água. Cuidado com efeitos hipoglicemiantes e outros adversos. Em caso de piodermite tratar antes de inciar o amitraz. OU ivermectina (Ivomec®) – 0,6 mg/Kg SID 3 meses. Contra indicado para: Collie, Border Collie, Pastor de Shetland, Old english sheepdog. OU Milbemicina (Interceptor®) – alternativa para as raças que não podem usar a ivermectina. 0,5 mg/Kg SID. Pode ser usado também o óleo de neem (Azadirachta) puro, aplicando 2,0 ml/L no dorso do animal. Não existe contra-indicação, pois o óleo é natural.

Todos os contactantes, animais e seres humanos, mesmo que assintomáticos devem ser tratados. Dar banhos por 3 dias consecutivos e mais 4 banhos semanais com shampoos acaricidas (tetraetiltiruram por exemplo) e aplicar ivermectina por exemplo. Outras drogas podem ser utilizadas, assim como na demodécica.

Referências

  1. Mosby’s Medical, Nursing and Allied Health Dictionary, Fourth Edition, Mosby-Year Book Inc., 1994, p. 1395
  2. http://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/sarna-escabiose/

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Parasitologia Médica; Markell, John, Krotoski; oitava edição; Guanabara Koogan.