Scareware

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Scareware compreende várias classes de software mal intencionados, ou cujo benefício é limitado ou inexistente, que são vendidos aos consumidores por meio de certas práticas antiéticas de marketing. A abordagem de venda utiliza engenharia social para causar choque, ansiedade, ou a percepção de uma ameaça, sendo geralmente dirigida a usuários desavisados. Algumas formas de spyware e adware também usam táticas de scareware.

Uma tática usada frequentemente pelos criminosos envolve convencer os usuários de que um vírus infectou o seu computador, sugerindo então que baixem (ou paguem por) programas antivírus falsos para removê-lo.[1] Geralmente o vírus é totalmente fictício e o software não tem qualquer funcionalidade ou é ele próprio um malware. [2] De acordo com o Anti-Phishing Working Group, o número de pacotes scareware em circulação cresceu de 2850 para 9287 na segunda metade de 2008.[3] Na primeira metade de 2009, o APWG identificou um aumento de 585% no número de programas scareware.[4]

O termo "scareware" também pode ser aplicado a qualquer aplicação ou vírus (não necessariamente vendido como acima) que prega peças no usuário com a intenção de causar ansiedade ou pânico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. "Millions tricked by 'scareware'", BBC News, 2009-10-19. Página visitada em 2009-10-20.
  2. 'Scareware' scams trick searchers. BBC News (2009-03-23). Acessado em 23/03/2009.
  3. Scareware scammers adopt cold call tactics. The Register (2009-04-10). Página visitada em 2009-04-12.
  4. Phishing Activity Trends Report: 1st Half 2009

Ligações externas[editar | editar código-fonte]