Scott Kelly

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Current event marker.png Este artigo contém material sobre uma pessoa em missão no espaço.
As informações podem mudar durante o progresso da missão.
Astronaut-EVA.jpg
Scott Kelly

Astronauta da NASA
Nacionalidade Estados Unidos norte-americano
Nascimento 21 de fevereiro de 1964 (51 anos)
Orange, EUA
Missões STS-103, STS-118, Soyuz TMA-01M, Expedição 25, Expedição 26, Soyuz TMA-16M, Expedição 43, Expedição 44
Insígnia
da missão
Sts-103-patch.png STS-118 patch new.pngSoyuz-TMA-01M-Mission-Patch.svgISS Expedition 25 Patch.png ISS Expedition 26 Patch.png Soyuz-TMA-16M-Mission-Patch.png ISS Expedition 43 Patch.png ISS Expedition 44 Patch.png
Kelly com o presidente Barack Obama antes de sua missão de um ano no espaço, batizada de "One-Year Crew Mission". (2015)

Scott Joseph Kelly (Orange, 21 de fevereiro de 1964) é um astronauta e aviador naval dos Estados Unidos. Veterano de quatro missões espaciais, encontra-se atualmente em órbita na Estação Espacial Internacional, onde permanecerá por um ano, a mais longa permanência de um ser humano na estação, como parte de um teste de adaptação do corpo humano a longos períodos no espaço, visando futuras missões ao espaço profundo e à Marte.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Formado em engenharia elétrica, tornou-se aviador em 1989, servindo no Texas e se transferindo em seguida para a Virginia, para treinamento nos F-14 Tomcat. Após conclusão do curso, serviu no Mar Mediterrâneo, Atlântico Norte, Mar Vermelho e Golfo Pérsico a bordo do porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower.

Em janeiro de 1993, cursou a Escola de Piloto de Teste Naval dos Estados Unidos e, transferido para base naval em Maryland, pilotou e testou jatos F-14 e F-18, sendo o primeiro piloto a testar o novo sistema de controle de voo digital dos F-14 Tomcat e acumulando um total de três mil horas de voo e 250 aterrissagens em porta-aviões.

NASA[editar | editar código-fonte]

Kelly foi selecionado pela NASA em 1996 e cumpriu o período de treinamento no Centro Espacial Johnson, em Houston, onde inicialmente cumpriu funções técnicas em terra. Em 1999 foi pela primeira vez ao espaço como piloto da nave Discovery na missão STS-103 do ônibus espacial, passando 191 horas em órbita. A missão, realizada entre 19 e 27 de dezembro daquele ano, foi realizada para que a tripulação instalasse novos instrumentos e sistemas mais moderno no telescópio espacial Hubble.

Após esta missão, foi designado diretor operacional da NASA na Cidade das Estrelas, na Rússia, e em seguida exerceu as funções de astronauta-substituto da tripulação da Expedição 5 à ISS. Em agosto de 2007, Kelly foi novamente ao espaço como comandante da nave Endeavour na missão STS-118. Em 7 de outubro de 2010 Kelly voltou ao espaço como tripulante da nave Soyuz TMA-01M, para nova permanência de longa duração na Estação Espacial Internacional, como engenheiro de voo das Expedições 25 e comandante da 26, nas quais ele e a tripulação participaram de experiências com o crescimento de cristais na microgravidade, física e biometria.[1] Retornou à Terra em 16 de março de 2011, cumprindo mais seis meses em órbita terrestre.

"One-Year Crew Mission"[editar | editar código-fonte]

Em 2013, Kelly foi designado pela NASA para uma missão de um ano no espaço, num programa conjunto da agência americana com a Roscosmos russa, nesta que será a mais longa permanência de um norte-americano em órbita, junto com cosmonauta russo Mikhail Kornienko.[2] A missão iniciou-se em 27 de março de 2015, com o lançamento da Soyuz TMA-16M do Cosmódromo de Baikonur em direção à ISS, onde ele encontra-se no momento, como integrante das Expedições 43 e 44, além de expedições futuras, devendo retornar à Terra apenas em março de 2016.[3]

Seu irmão gêmeo, Mark Kelly, também é um ex-astronauta. Eles são os únicos irmãos a terem ido ao espaço.[4] Durante a permanência de Scott em órbita, Mark será submetido em terra aos mesmos testes que o irmão na falta de gravidade, por médicos e cientistas interessados em pesquisar possíveis diferenças entre os gêmeos causadas pela exposição a ambientes gravitacionais diferentes.[5]

Referências

  1. Clara Moskowitz (Outubro 7, 2010). Russian Soyuz to Launch New Space Station Crew Today SPACE.com. Visitado em Outubro 7, 2010.
  2. Longer, Closer Look at Humans in Space Has Far Reaching Implications NASA. Visitado em 31/12/2013.
  3. Soyuz TMA-16M docks and begins historic one year expedition SpaceflightNow. Visitado em 05/04/2015.
  4. Twins in Outer Space, twinstuff.com
  5. Kelly Astronaut Twins Meet on Eve of 1-Year Mission Launch Space.com. Visitado em 05/04/2015.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]