Sistema eleitoral a duas voltas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Segunda volta)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Esquema do modo de seleção no escrutínio maioritário a duas voltas (em baixo), distinto do sistema eleitoral a uma volta (em cima).

O sistema eleitoral a duas voltas (português europeu) ou com dois turnos (português brasileiro) é um sistema de votação utilizado para a escolha de um único vencedor, ao qual se exige ter mais de metade dos votos válidos (50%+1). No primeiro turno, os eleitores votam em um dos candidatos que se apresentaram na eleição. Porém, se nenhum desses candidatos obtiver mais da metade dos votos, então os que têm menos de uma certa proporção, ou, o que é mais comum, todos os candidatos com exceção dos dois mais votados, são eliminados da votação, e aí vem o segundo turno que é feita apenas entre os candidatos que não foram eliminados na primeira volta. Deste modo, é distinto do sistema eleitoral a uma volta (ou uninominal maioritário), onde é eleito o mais votado independentemente da percentagem de votos recebidos.[1]

Este sistema é muito utilizado em todo o mundo para a eleição por sufrágio universal de presidentes (ou títulos equivalentes), como é o caso do Afeganistão, Argentina, Áustria, Brasil, Bulgária, Chile, Colômbia, Croácia, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Finlândia, Gana, Guatemala, Indonésia, Polónia, Portugal, República Dominicana, Roménia, Sérvia, Ucrânia, Uruguai e Zimbábue. Por vezes encontra-se este sistema aplicado a eleições legislativas.

Este sistema foi introduzido em Portugal pela Constituição de 1976 apenas para as eleições presidenciais. Segundo a Constituição, um candidato para ser eleito necessita da maioria de 50% mais um dos votos validamente expressos. Caso nenhum candidato consiga esse número, realizar-se-á uma segunda volta apenas entre os dois candidatos mais votados.

Idêntico procedimento foi introduzido no Brasil com a Constituição Federal de 1988, para evitar que o eleitorado venha a desistir daquele que considera o melhor candidato para apoiar outro mais forte, que tenha mais chances de ser eleito, evitando assim uma terceira opção, que seria a mais desagradável. No Brasil, se persistir o empate, é levado em consideração a idade dos candidatos, e o mais velho é eleito.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. II – Tipos de Sistemas Eleitorais (PDF) Revista 8 Eleições (24/10/2004). Página visitada em 17/5/2012. Lisboa.
  2. Dois municípios elegem prefeito pela idade
Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.