Sei donne per l'assassino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde agosto de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Sei Donne per L'Assassino
Seis Mulheres para o Assassino (BR)
 Itália
1964 • cor • 88 min 
Direção Mario Bava
Produção Alfredo Mirabile
Máximo Patrizi
Roteiro Giuseppe Barilla
Marcello Fondato
Mario Bava
Elenco Cameron Mitchell
Eva Bartok
Thomas Reiner
Ariana Gorini
Mary Arden
Género terror, mistério, thriller
Idioma italiano
Música Carlo Rustichelli
Lançamento 14 de março de 1964
Página no IMDb (em inglês)

Sei donne per l'assassino (no Brasil: Seis Mulheres para o Assassino) é um filme italiano dirigido por Mario Bava e lançado em 14 de março de 1964. Foi o primeiro filme do estilo giallo.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Isabella (Francesca Ungaro), uma jovem modelo, é assassinada por uma misteriosa figura mascarada em um ateliê de moda pertencente a Condessa Cristiana (Eva Bartok). Após o crime, o diário da vítima, contendo informações que poderiam levar ao assassino, desaparece. O mascarado passa então a matar todas as modelos da casa para encontrar o diário.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • A atriz Mary Arden, que interpreta Peggy no filme, escreveu a maior parte do diálogo em inglês para o filme, já que era o único membro da equipe que era inglesa.
  • Para o seu lançamento original nos Estados Unidos os distribuidores não gostaram de créditos de abertura de Bava, que mostravam o elenco posando ao redor do salão de beleza em uma série de poses criativas. Os distribuidores usaram novos créditos de abertura, com uma série de animações macabras de manequins.
  • A maquiagem de queimadura de Mary Arden levava quatro horas para aplicar. Certa noite, após filmarem a cena em que Greta encontra o corpo de Peggy em seu quarto, Arden, cansada demais para que ela fosse removida de seu rosto, foi para casa usando a maquiagem. A mãe de Arden, que morava com ela na época, ficou muito assustada quando viu sua filha.
  • Durante a filmagem da cena em que o corpo de Peggy cai do porta-malas do carro ocorreu um acidente. Quando Lea Lander abriu a tampa da mala esta não ficou aberta o suficiente e voltou a fechar-se, batendo no rosto de Arden. Este acidente deixaria uma cicatriz no seu rosto.
  • Imagens mais gráficas de Peggy com o rosto queimando no fogão quente foram cortadas do filme.

Referências

  1. Alberto Pezzotta. Mario Bava. Milano, Il Castoro Cinema, 1995.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.