Semântica formal (lógica)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Semântica formal(lógica))
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Na lógica, semântica formal OU lógica semântica[1] [2] [3] , é o estudo da semântica ou interpretações (idealizações) de linguagens naturais e formais, geralmente tentando captar a noção pré-teórica de vínculo. (Apesar de ambos linguística e lógica reividicarem o fornecimento de teorias na linguagem natural, de acordo com Geach, a lógica normalmente ignora o "idiotismo do idioma", e vê as linguagens naturais como idiomas confusos de interesses não-lógicos.)[4]

Uma linguagem formal pode ser definida longe de qualquer interpretação disso. Isso é feito por uma designação de um conjunto de símbolos (também chamados de alfabeto) e um conjunto de regras de formação (também denominadas de gramática formal) que determinam quais cadeias de caracteres de simbolos são fórmulas bem formadas. Quando as regras de transformação (também denominadas regras da inferência) são adicionadas, e certas sentenças são aceitas como axiomas (juntos são chamados um sistema dedutivo ou um aparato dedutivo) um sistema lógico é formado. Uma interpretação de uma linguagem formal é (grosseiramente falando) uma atribuição de significados à seus símbolos e condições-verdade (valores-verdade) às suas sentenças.[5]

Os valores-verdade de várias sentenças das quais podemos encontrar em argumentos irão depender de seus significados, e, assim, lógicos conscientes não podem evitar completamente a necessidade de dar algum tratamento ao significado dessas sentenças. A semântica da lógica refere-se às abordagens que lógicos introduziram para compreender e determinar a parte do significado em que eles estão interessados; o lógico tradicionalmente não está interessado na sentença como proferida, mas na proposição, uma sentença idealizada adequadamente para manipulação lógica.[carece de fontes?]

Até o advento da lógica moderna, o Organon, de Aristóteles , particularmente Da Interpretação, forneceu a base para a compreensão da importância da lógica. A introdução de quantificação, necessária para resolver o problema da generalidade múltipla, tornou impossível a análise do tipo sujeito-predicado que tomou conta da explicação de Aristóteles, embora haja um interesse renovado em Lógica Aristotélica, tentando encontrar cálculos no espírito da silogística de Aristóteles, porém com a generalidade da lógica moderna baseada em quantificadores.

As principais abordagens modernas para a semântica de linguagens formais são as seguintes:

  • Valores-verdade semânticos (também comumente denominados de quantificação substitucional) foi defendida por Ruth Barcan Marcus para lógicas modais no início da década de 1960, e posteriormente defendido por Dunn, Belnap, e Leblanc para a lógica de primeira ordem padrão. James Garson conseguiu alguns resultados nas áreas de adequação para lógica modal equipada como uma semântica. Os valores-verdade para fórmulas quantificadas são dadas exclusivamente em termos de verdade sem apelar para domínios de qualquer natureza (e por isso seu nome valor-verdade semântico).
  • Semântica probabilística proveniente de H. Field, mostrou-se equivalente a uma generalização natural de valores-verdade da semântica. Como valores de verdade semântica, também é não-referencial em relação à sua natureza.

Notas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:
  1. Winfried Nöth Handbook of semiotics p.103
  2. p.64
  3. pp.32-3
  4. Mieszko Talasiewicz. Philosophy of Syntax - Foundational Topics. [S.l.]: Springer, 2009. p. 12. ISBN 978-90-481-3287-4
  5. The Cambridge Dictionary of Philosophy, Formal semantics