Sepé Tiaraju

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Sepé Tiaraju segundo Danúbio Gonçalves

Sepé Tiaraju (Redução de São Luís Gonzaga, em data desconhecida — São Gabriel, 7 de fevereiro de 1756) foi um índio guerreiro guarani, considerado um santo popular brasileiro e declarado "herói guarani missioneiro rio-grandense" pela Lei nº 12.366[1] [2] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em um dos aldeamentos jesuíticos dos Sete Povos das Missões, foi batizado com o nome latino cristão de Joseph. Bom combatente e estrategista, tornou-se líder das milícias indígenas que lutaram contra as tropas do exército português e espanhol na chamada Guerra Guaranítica.

Tal conflito inscreve-se no contexto histórico das demarcações decorrentes da assinatura do Tratado de Madrid (1750), que exigiu a retirada da população guarani aldeada pelos missionários jesuítas espanhóis do território que ocupava, havia cerca de 150 anos. A essa altura o que hoje é o Rio Grande do Sul era território espanhol, confundindo-se com o território da Banda Oriental do Rio da Prata, hoje partida em dois entre Uruguai e Rio Grande do Sul. Tal repartição se deve ao avanço luso-português, que tentava colonizar sem muito sucesso o território entre seus domínios no atual Sudeste do Brasil e o Rio da Prata. A posse da região ainda seria objeto do Tratado de Santo Ildefonso (1777) e do Tratado de Badajoz (1801).

Viviam na região dos Sete Povos das Missões (nomenclatura que se refere às 7 missões que ficaram em território português com a assinatura do Tratado de Madrid, pois haviam inúmeras outras nos territórios onde hoje se encontram Argentina e Paraguai) aproximadamente trinta mil guaranis. Somando-se os do Paraguai e da Argentina, alcançaram um total estimado de oitenta mil indígenas catequizados, que habitavam em aldeias planejadas, organizadas e conduzidas como verdadeiras cidades pelos jezuítas espanhóis. O interesse luso-brasileiro por esta extensa região deveu-se, pura e simplesmente, além da posse territorial, no gigantesco rebanho de gado, o maior das Américas, mantido por esses mesmos indígenas.

Estátua de Sepé Tiaraju

Pereceu em combate contra o exército espanhol na batalha de Caiboaté, às margens da Sanga da Bica, na entrada da cidade de São Gabriel, durante a invasão das forças inimigas às aldeias dos Sete Povos. Após sua morte pereceram aproximadamente 1.500 guaranis diante das armas luso-brasileiras e espanholas.

Por seu feito, chegando a ser considerado um santo popular, virou personagem lendário do Rio Grande do Sul, e sua memória ficou registrada na literatura por Basílio da Gama no poema épico O Uraguay (1769) e por Érico Veríssimo no romance O Tempo e o Vento. É-lhe atribuída a exclamação: "Esta terra tem dono!". Deve-se levar em conta que na época que Portugal dominou efetivamente o território onde hoje se encontra o Rio Grande do Sul, já existia no mesmo toda uma população e uma cultura nativa da terra, denominada cultura gaúcha, principalmente na região da Campanha, onde hoje se encontra a fronteira com o Uruguai. Tal população sofria com as guerras pelo território entre Portugal e Espanha, para as quais era, muitas vezes, recrutada à força.

No dia 21 de setembro de 2009, foi publicada a Lei Federal 12.032/09, que traz em seu artigo 1º o texto "Em comemoração aos 250 (duzentos e cinquenta) anos da morte de Sepé Tiaraju, será inscrito no Livro dos Heróis da Pátria, que se encontra no Panteão da Liberdade e da Democracia, o nome de José Tiaraju, o Sepé Tiaraju, herói guarani missioneiro rio-grandense."

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Cabe ressaltar que não é considerado "santo" pela Igreja Católica, sendo santo popular uma expressão apenas de sua fama. Com homenagem ao heroísmo e à coragem de Sepé Tiaraju, a rodovia "RS-344" recebeu o seu nome.

Existe também no "Rio Grande do Sul" o município de São Sepé, nome que reflete a devoção popular pelo herói indígena.

Na cidade de São Luiz Gonzaga há uma escultura em sua homenagem, chama-se: "Sepé Tiaraju São-luizense e Missioneiro".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ROSSI JUNG, Roberto - Esta Terra Tem Dono, Esta Terra é Nossa: a saga do índio missioneiro Sepé Tiaraju. Porto Alegre: Editora Martins Livreiro, 2005.
  • BRUM, Ceres Karum - Sepé Tiaraju Missioneiro: um mito gaúcho. Santa Maria e Porto Alegre: Editora Pallotti, 2006.
  • SUSIN, Luis Carlos - Sepé Tiaraju e a Identidade Gaúcha. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia, 2006.
    • Literatura de ficção histórica
  • ORNELAS, Manuelito de - Tiaraju. Porto Alegre: Ed. Livraria do Globo, 1945.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.