Sergey Aleynikov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Syarhey Aleynikaw
Сяргей Алейнікаў
Informações pessoais
Nome completo Syarhey Yawhenyevich Aleynikaw
Data de nasc. 7 de Setembro de 1965 (49 anos)
Local de nasc. Minsk, Flag of the Soviet Union (1955-1980).svg União Soviética
Informações profissionais
Posição Meia (aposentado)
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1981-1989
1989-1990
1990-1992
1992-1995
1995-1996
1996
1997
1998
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Dínamo Minsk
Itália Juventus
Itália Lecce
Japão Gamba Osaka
Itália Corigliano
Suécia IK Oddevold
Itália Anagni
Itália Corigliano
220 (31)
30 (3)
59 (2)
83 (14)
Seleção nacional
1984-1991
1992
1992-1994
Flag of the Soviet Union.svg União Soviética
CIS.svg CEI
Flag of Belarus (1918, 1991-1995).svg Bielorrússia
73 (6)
6 (0)
6 (0)

Sergey Yevgenyevich Aleynikov ou Syarhey Yawhenyevich Aleynikaw - respectivamente, em russo, Сергей Евгеньевич Алейников e, em bielorrusso, Сяргей Яўгеньевіч Алейнікаў (Minsk, 7 de novembro de 1961) - é um ex-futebolista e atualmente técnico de futebol bielorrusso.

Na URSS[editar | editar código-fonte]

Começou em 1981, no Dínamo Minsk, participando da conquista do único campeonato soviético do clube, conquistado no ano seguinte - o único título de um clube bielorrusso na competição. O estrelato lhe possibilitou participar da Copa do Mundo de 1986 e da Eurocopa de 1988 pela Seleção Soviética. A vitrine com o vice-campeonato da Euro de 88 lhe valeu uma transferência para a Juventus em 1989, para onde foi fazer companhia a seu colega de seleção Oleksandr Zavarov.

No exterior[editar | editar código-fonte]

Na Vecchia Signora, conquistou em 1990 uma Copa da UEFA e uma Copa da Itália e como jogador dela foi à Copa do Mundo de 1990, a última disputada pela URSS. Ainda em 1990, foi para o Lecce e foi chamado para o amistoso entre Brasil e "Resto do Mundo", comemorativo dos 50 anos de Pelé. Ficou no Lecce até 1992, quando foi jogar no Japão, pelo Gamba Osaka, onde ficou até 1995. Após sua saída, rumou por clubes pequenos da Itália e até da Suécia até encerrar a carreira, em 1998.

Pós-URSS[editar | editar código-fonte]

Com o fim da União Soviética, no final de 1991, passou a jogar por seu país, recém-independente. Pela Seleção Bielorrussa, jogou quatro vezes entre 1992 e 1994. Integrou a Seleção da CEI, criada para as disputas da Eurocopa de 1992.

Atualmente, é técnico do Kras, equipe italiana de colônia eslovena, para onde levou seu filho, Artur. Em novembro de 2003, foi eleito Prêmios do Jubileu da UEFA o maior jogador bielorrusso dos 50 anos da entidade.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

artigo da UEFA sobre o premiado bielorrusso nos Prêmios do Jubileu