Serial Attached SCSI

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde junho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.


SAS (Serial Attached SCSI) A tecnologia SAS é uma evolução da SCSI, já que oferece as vantagens tecnológicas da SCSI, mas sua transferência se dá em série diferentemente da SCSI que é paralela. Por este motivo a SCSI perdeu grande parte de seus atrativos, já que a SAS oferece uma grande parte das vantagens que antes eram atribuídas ao SCSI e, ao mesmo tempo, oferece um sistema de cabeamento mais simples e maiores possibilidades de implementação.

Mas isto não torna a SCSI obsoleta já que a SAS foi projetada especialmente para aproveitar os conjuntos de comando SCSI já existentes e é por isso compatível á nível de software, sendo estes, aplicativos personalizados complexos e caros utilizados em grandes servidores. Também não é necessária nenhuma alteração no sistema para implantar unidades SAS.

A SAS tem como seu principal concorrente a Tecnologia SATA, porém cada uma possui a sua fatia de mercado, pois a SAS é utilizada em grandes servidores de armazenamento e computadores mais sofisticados, já a SATA em desktops e pequenos servidores devido ao seu custo ser menor comparada à tecnologia SAS.

Atualmente a tecnologia SAS pode atingir velocidade de até 6 Gb/s, a maior velocidade é necessária, pois o SAS permite o uso de extensores (expanders), dispositivos que permitem ligar diversos discos SAS a uma única porta. Existem dois tipos de extensores SAS, chamados de "Edge Expanders" e "Fanout Expanders". Os Edge Expanders permitem ligar até 128 discos na mesma porta, enquanto os Fanout Expanders permitem conectar até 128 Edge Expanders (cada um com seus 128 discos), chegando a um limite teórico de até 16.384 discos por porta SAS. Isso é possível, entre outros motivos, devido à transmissão serial dos dados combinado com frequências de até 3.0 GHz.

Os extensores SAS normalmente são instalados nos mesmos Racks usados pelos próprios servidores. Em muitos, os discos são instalados em gavetas removíveis e podem ser trocados "a quente" (hotswap), com o servidor ligado. Isto permite substituir rapidamente HDs defeituosos, sem precisar desligar o servidor. Este processo é possível graças às controladoras SAS tipicamente executarem todas as suas funções via hardware, facilitando a sua configuração já que não é necessário instalar drivers adicionais para o seu funcionamento, oferecendo assim um maior desempenho e flexibilidade.

Outra vantagem é que o SAS permite o uso de cabos de até 6 metros, essa maior distância é necessária ao conectar um grande número de extensores, já que eles são grandes, e os últimos tendem a ficar afastados do servidor. As controladoras SAS possuem geralmente 4 ou 8 portas e são instaladas num slot PCI-X, ou PCI Express. Mas nada impede que você instale duas ou até mesmo três controladoras no mesmo servidor caso precise de mais portas. Algumas placas-mãe destinadas a servidores já vem com controladoras SAS onboard, reduzindo o custo.

Um detalhe interessante é que o padrão SAS é compatível com HDs SATA, permitindo que você use HDs SATA convencionais como uma forma de cortar custos, sem ter que abrir mão da possibilidade de usar os extensores, entretanto HDs SAS não são reconhecidos se instalados numa porta SATA convencional, pois eles utilizam comandos específicos, que vão bem além do conjunto suportado pelas controladoras SATA. HDs SAS podem trabalhar com 10.000 ou 15.000 RPM, mas não são adequados para o publico doméstico, pois são caros e possuem capacidade reduzida devido ao uso de discos de 2.5”. O principal diferencial é que eles são certificados para operação contínua e possuem garantias maiores, geralmente de 5 anos.