Serviço Canadense de Inteligência de Segurança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Canadian Security Intelligence Service (CSIS) é o serviço de inteligência do governo do Canadá equivalente à CIA americana. Ė responsável por coletar, analisar e reportar inteligência (informações) que ameacem a segurança nacional do Canadá, e conduz operações no Canadá ou fora dele.[1] [2]

Os órgãos de inteligência do Canadá, país membro do Five Eyes ou Cinco Olhos[3] , trabalham em conjunto com outros órgāos canadenses e estrangeiros[4] , incluindo a CIA[5] e a NSA no exterior[6] [5] . Domesticamente, CSIS trabalha com outros órgãos, entre eles o CSEC e a RCMP.[7]

CSIS é o equivalente canadense da CIA americana e CSEC[8] é o equivalente da NSA.

(em francês: Service canadien du renseignement de sécurité) em português Serviço Canadense de Inteligência de Segurança.

Localização[editar | editar código-fonte]

Sua sede está localizada em Ottawa, Ontário, em uma instalação construída para sediar a organizaçāo e com a obra concluída em 1995. CSIS responde ao Parlamento do Canadá através do Ministro da Segurança Pública, sendo supervisionado por um Comitê de Revisão de Inteligência Canadense, o "Security Intelligence Review Committee", em inglês.[9] [10] [11]

Protesto contra a perseguicao de mulcumanos por CSIS, no Canada
imagem de um vídeo gravado secretamente quando o adolescente de 16 anos Omar Khadr, preso em Guantánamo, foi interrogado por agentes de CSIS. Os agentes canadenses atuaram em Guantánamo com os americanos.
Protesto contra CSIS - 2004 - Julgamentos Secretos no Canada

Operação[editar | editar código-fonte]

O Serviço Secreto Canadense opera em relacionamento estreito com a CIA. CSIS opera com estreita ligaçāo com o Communications Security Establishment Canada, também conhecido como (CSEC) ou (CSE).

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Recentes revelações da presença de agentes do serviço secreto canadense em locais relacionados ao programa de tortura americano como a prisão de Guantánamo[1] bem como a participação de agentes do serviço em atividades que levaram a tortura de cidadãos canadenses pela CIA, como o caso do engenheiro Maher Arar[2] têm colocado a agência em posições controvérsias e relacionadas a tortura e sequestros, nos moldes da Operação Condor na America Latina nos Anos de Chumbo.[3] [4]

As revelações da vigilância global feitas por Edward Snowden, trouxeram informações sobre o envolvimento do órgão em atividades que as Cortes canadenses vêem examinando e muitas vezes concluido que CSIS mentiu[5] ou omitiu informações que os Juízes deveriam ter recebido ao examinar casos envolvendo o órgão.[6] [7] [8]

Espionagem do Brasil[editar | editar código-fonte]

A revelação de que CSEC, parceiro do Serviço Canadense de Inteligência de Segurança (CSIS), tem feito uso de embaixadas canadenses no exterior para operações de espionagem eletrônica em conjunto com os Estados Unidos foi publicada pelo The Guardian em 6 de junho de 2013[9] [10] .

Foi divulgado que através de CSEC o Canada vem espionando no Brasil [11] em assuntos relacionados aos interesses econômicos principalmente americanos.[12] [13] .

As recentes revelações de Edward Snowden[14] , mostram que no caso da espionagem no BrasilO Senado Federal Brasileiro abriu investigação cujo foco do colegiado são as denúncias de que os Estados Unidos também fazem espionagem econômica e empresarial. A CPI cogita, inclusive, pedir ao governo russo para trocar informações com o técnico americano Edward Snowden, responsável pelos vazamentos da espionagem, e refugiado naquele país. O Serviço Canadense de Inteligência de Segurança (CSIS), é o equivalente a CIA americana e o Communications Security Establishment Canada (CSEC)[15] , o equivalente canadense da NSA americana, foram participantes ativos na espionagem incluindo no caso da espionagem da Petrobrás[16] e do Ministério das Minas e Energia[17] [18] .

Serviço de Coleta Especial (SCS)[editar | editar código-fonte]

O Serviço de Coleta Especial (SCS) é um programa conjunto da NSA e CIA, confidencial com a função de inserir equipamentos de espionagem em locais de difícil acesso, como embaixadas estrangeiras, consulados, centros de comunicações e instalações de governos estrangeiros. O Canadá, através de suas agências, vem colaborando com o programa.[19] [20] O governo dos EUA nunca reconheceu oficialmente a sua existência do Serviço de Coleta Especial, e pouco se sabe sobre o tecnologias e técnicas que emprega. Uma das únicas revelações sobre o Serviço emergiu através do livro "Spyworld:How C.S.E. Spies on Canadians and the World, de 1994 (ISBN 978-0385254946) do ex-agente secreto canadense Mike Frost, que revelou que o programa era conhecido pelos agentes do CSEC da época pelo codinome "College Park".

Com as revelações de Edward Snowden sobre a espionagem no Brasil, as indicações sāo de cooperação de CSIS com as agencias americanas por interesses econômicos.[21] [22]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Dirty Work of Canadian Intelligence » CounterPunch: Tells the Facts, Names the Names
  2. Report of the Events Relating to Maher Arar - Factual Background Vol I - cm_arar_bgv1-eng.pdf
  3. Atividades de CSIS documentadas no livro "Dark Days: The Story of Four Canadians Tortured in the Name of Fighting Terrorism", (Dias Negros: A história de quatro canadenses torturados em nome da luta contra o terrorismo", em português) da autora Kerry Pither [1] em Inglês - consultado em 23 de Setembro de 2009.
  4. Documentos liberados através de FOIA pela ACLU - Programa de Tortura - CIA Documentos liberados através de FOIA - Programa de Tortura - CIA. em Inglês - consultado em 29 de Agosto de 2009.
  5. CSIS not being forthcoming with court, federal judge says - The Globe and Mail
  6. ‘Five Eyes’ intelligence-sharing program threatens Canadians abroad, watchdog warns - The Globe and Mail
  7. Canadian embassies eavesdrop, leak says - The Globe and Mail
  8. Spy agency bungled second terror case | Toronto Star
  9. Carta Maior: "Governos dos EUA, Inglaterra e Canadá mentem o tempo todo" - Carta Maior
  10. Greenwald Testifies to Brazilian Senate about NSA Espionage Targeting Brazil and Latin America | The Americas Blog
  11. Ministério de Minas e Energia foi alvo de espionagem do Canadá G1 (06 de outubro de 2013). Visitado em 14 de Marco de 2014.
  12. CPI vai investigar espionagem empresarial e tentará falar com Snowden Valor Econômico (09 de setembro de 2013). Visitado em 14 de Marco de 2014.
  13. Fantástico - Veja os documentos ultrassecretos que comprovam espionagem a Dilma
  14. The Americas Blog: Greenwald Testifies to Brazilian Senate about NSA Espionage Targeting Brazil and Latin America | The Americas Blog
  15. New York Times: Canada's Security Agency Accused of Spying on Canadians - New York Times
  16. Petrobras também foi espionada pelos EUA CartaCapital (09 de setembro de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  17. Ministério de Minas e Energia foi alvo de espionagem do Canadá Fantástico (06 de outubro de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  18. Espionagem mira recursos naturais, diz Celso Amorim Não é à toa que a Petrobrás e o nosso Ministério das Minas e Energia foram alvo de espionagem digital, afirmou o ministro O Estado de S. Paulo (24 de fevereiro de 2014). Visitado em 14 de março de 2014.
  19. Globe and Mail: Canada Involved with NSA Spying Efforts Abroad - Real Privacy
  20. Fresh revelations of Canada’s role in NSA’s global spying network - World Socialist Web Site
  21. Watchdog warned of CSIS data access - The Globe and Mail
  22. Can citizens roll back silent army of watchers? | Toronto Star

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre espionagem é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.