Setor terciário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Serviços)
Ir para: navegação, pesquisa

O setor terciário (também aceite sector terciário em Portugal) também conhecido como prestação de serviços, no contexto da economia, envolve a comercialização de produtos em geral, e o oferecimento de serviços comerciais, pessoais ou comunitários, a terceiros.

Definição[editar | editar código-fonte]

Setor terciário é definido pela exclusão dos dois outros setores. Como prestação de serviços, ou seja, é o setor econômico relacionado aos serviços.[1] Os serviços são definidos na literatura econômica convencional como "bens intangíveis". Em termos de marketing, os serviços são, muitas vezes, utilizados como um meio de gerar valor ao produto. Tal noção, está intimamente ligada à adição de anéis (acréscimo de valor), ou seja, o produto na sua função mais básica. Um exemplo clássico, desta ideia, é o chamado serviço de pós-venda. Ou seja, a assistência que é prestada ao cliente, após a venda do produto, é entendido como um serviço prestado, que valoriza o produto, pela garantia da assistência. Foi adicionado um anel, em forma de serviço, à essência de função do produto.

O setor terciário da economia envolve a prestação de serviços às empresas, bem como aos consumidores finais. Os serviços podem envolver o transporte, distribuição e venda de mercadorias do produtor para um consumidor que pode acontecer no comércio atacadista ou varejista, ou podem envolver a prestação de um serviço, como o anti-parasitas. Os produtos podem ser transformados no processo de prestação de um serviço, como acontece no restaurante ou em equipamentos da indústria de reparação. No entanto, o foco é sobre as pessoas interagindo com as pessoas e servindo ao consumidor, mais do que a transformação de bens físicos.

O desenvolvimento do setor terciário[editar | editar código-fonte]

Produção de serviços em 2005.

Historicamente definido como um setor residual ou improdutivo, apenas complementar aos setores industrial e agrícola, o setor de serviços passou a receber mais atenção apenas em meados do século XX.

Basicamente o setor terciário é o setor que recebe as matérias do setor secundário e os distribui para o consumidor. Atualmente o setor terciário encontra-se extremamente diversificado. As sociedades mais antigas já conheciam algumas atividades, porém, com a intensa industrialização que nos últimos dois séculos vem ocorrendo praticamente no mundo inteiro, o setor terciário diversificou-se, tornando-se mais complexo. Esse é o setor da economia que mais cresce nas últimas décadas. Os principais tipos de serviço desse setor são as indústrias de bens de serviços como os correios e os mais diversos bens públicos.

Nesse setor terciário observam-se avanços tecnológicos e mudanças estruturais muito importantes. O seu ramo moderno, como o de cadeias de restaurantes, farmácias e supermercados. Requer uma mão de obra mais qualificada para o trabalho, o que dificulta o seu desenvolvimento nas regiões mais pobres, carentes desse tipo de mão-de-obra. Tratando-se de setores com alta elasticidade-renda, por outro lado, verifica-se que o seu desenvolvimento ocorre primeiro nas regiões mais ricas.

O sector terciário, da economia, envolve a comercialização de produtos em geral, e o oferecimento de serviços comerciais, pessoais ou comunitários, a terceiros. Nesse setor há grande ocorrência de problemas, assim como a hipertrofia e a macrocefalia, que são nada mais que o crescimento desordenado, e consequente excesso de mão-de-obra. O setor terciário é, geralmente, a principal fonte de renda dos países desenvolvidos.

O setor terciário é o setor que mais contrata trabalhadores. Tanto profissionais liberais, como advogados e médicos, quanto profissionais informais, como os camelôs, são trabalhadores do setor terciário da economia.

As funções do setor terciário não podem ser realizadas sem o setor secundário (a atividade industrial), que fornece os produtos necessários ao comércio.

Serviços podem ser entendidos como atividades, benefícios e indenizações que podem ser oferecidos, vendidos, cedidos ou disponibilizados gratuitamente a um dado mercado, acompanhados em maior ou menos escala de aspectos ou pistas de tangilibilidade, destinados à satisfação de necessidades e desejos do mercado.

Primeiro vem o setor primário, aquele que de onde surgiu, como a folha de papel, a sua materia prima é a árvore. Depois vem o setor secundário, aquele que são as fábricas, industrias, aonde se tem todo o processo até chegar ao que deseja (exemplo o papel).

Divisões do setor terciário[editar | editar código-fonte]

A Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), vinculada a Comissão Nacional de Classificação(CONCLA), utiliza a metodologia de classificação do setor de serviços definida pela Standard Industrial Classification, classificação esta formulada por especialistas reunidos pela Organização das Nações Unidas (ONU).[2]

Dentre as 59 divisões de atividade econômica do setor de serviços da CNAE, 26 divisões caracterizam o setor de serviços, sendo elas:

O IBGE calcula o PIB dos municípios brasileiros a partir de três setores da atividade econômica (Agropecuária, Indústria e Serviços) e estabelece que o setor Serviços é formado pelos seguintes subsetores (IBGE, 2004, p. 15):[3]

  • Comércio
  • Alojamento e alimentação
  • Transportes
  • Comunicações
  • Serviços financeiros
  • Atividades imobiliárias e serviços prestados às empresas
  • Administração pública
  • Demais serviços

Hipertrofia do Setor Terciário[editar | editar código-fonte]

Trata-se de um fenômeno em constante crescimento que movimenta boa parte de nossa economia. Por outro lado, é um problema, já que há um número muito alto de pessoas envolvidas enquanto não há legalização do trabalho. Temos como exemplo direto vendedores ambulantes, que trabalham para si próprios, sem possuir direitos trabalhistas registrados e sem pagar impostos ao governo.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O setor de serviços gera mais da metade da renda nacional, pois corresponde a 54% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2002. Fazem parte desse ramo o comércio, o turismo, os serviços financeiros, jurídicos, de informática, comunicação, arquitetura, engenharia, auditoria, consultoria, propaganda e publicidade, seguro, corretagem, transporte e armazenagem, além das atividades públicas e privadas de defesa, segurança, saúde e educação, entre outros. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), em 2002 os serviços cresceram 1,49%, valor próximo ao do PIB, que avança 1,52%. Todas as atividades, com exceção do transporte (queda de 0,92%), apresentam taxas positivas, destacando-se a expansão de 7,4% do subsetor de comunicações, ainda influenciado pelos investimentos realizados após a privatização do sistema Telebrás, prestadora de serviços de telecomunicações, em 1998. No primeiro semestre de 2003, o crescimento dos serviços é de apenas 0,4%, contra 0,3% do PIB. O baixo nível de atividade econômica afeta principalmente o desempenho dos subsetores de transportes e comércio, com quedas de 2,9% e 2,7%, respectivamente.

Acompanhando a queda contínua da participação das atividades industriais na geração de empregos nos EUA - representavam cerca de 60% dos postos de trabalho em 1960 e caíram para 16% em 2002 - estudos do Ministério do Trabalho Americano indicam que, em 2.016, 86% dos postos de trabalho nos EUA serão em atividades de serviços ficando apenas 14% para as atividades de produção de bens manufaturados e agro-negócios confirmando a importância crescente das atividades de serviço no processo de geração e distribuição de renda de um país.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. (em francês) INSEE, definição de "secteur tertiaire"
  2. a b CEDEPLAR/UFMG. Setor de serviços em Juiz de Fora: uma análise comparativa entre os principais municípios mineiros. Página visitada em 14 de janeiro de 2009.
  3. "[http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pibmunicipios/srmpibmunicipios.pdf Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produto Interno Bruto dos Municípios. Série Relatórios Metodológicos. Vol. 29. Rio de Janeiro, IBGE, 2004. 49 p. Acesso em 23 de outubro de 2013.