Shemot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Torá | Neviim | Ketuvim
Livros da Torá
Bereshit Gênesis
Shemot Êxodo
Vayikrá Levítico
Bamidbar Números
Devarim Deuteronômio

Shemot (do hebraico ואלה שמות E estes os nomes, primeiras palavras do texto) é o nome da segunda parte da Torá. Shemot é chamado comumente de Êxodo pela tradição ocidental e trata-se praticamente do mesmo livro apesar de algumas diferenças, principalmente no que lida com interpretações religiosas com outras religiões que aceitam o livro de Êxodo. Este livro trata da libertação de Israel do cativeiro no Egito, através das mãos de Moshê, profeta enviado por D-us para o resgate dos descendentes de Jacó e para a edificação de uma nova religião baseada no cumprimento de mandamentos dados por este D-us.

Nome do livro[editar | editar código-fonte]

O nome hebraico do livro Shemot vem de suas primeiras palavras ואלה שמות (Ve'êle shemot) que significa E estes são os nomes. A Septuaginta traduziu o nome do livro para o grego Ἔξοδος, que seria vertido para o termo Êxodo como conhecido pelo público não-judeu.

Texto[editar | editar código-fonte]

Shemot é a continuação imediata dos eventos descritos em Bereshit. Com ênfase na eleição divina do povo de Israel, descendentes de Jacó, o texto inicia-se com a escravização dos israelitas pelas mãos dos egípcios que temem o seu aumento populacional. Moisés, um israelita-egípcio é um homem escolhido por D-us para libertar o povo deste cativeiro, executando diante de todos sinais e prodigíos que culminam na libertação do povo, que segue para a conquista da Terra Prometida. Moisés institui a religião israelita e recebe de D-us os mandamentos para obediência do povo. O texto é comumente dividido em onze parashot (porções) cuja divisão servem para a leitura semanal do texto nas sinagogas acompanhadas das haftarot. Assim a narrativa de Shemot está dividida em:

Shemot(שמות)[editar | editar código-fonte]

A filha de faraó encontra Moisés(pintado por Edwin Long)

A primeira porção inicia com a descrição da convivência dos filhos de Yaakov (Jacó) na terra do Egito para onde haviam migrado devido à carestia que assolava a região do Oriente Médio. Após muitos anos, um novo faraó temendo o aumento populacional da população israelita, submete estes à duros serviços e institui leis que ordenam a morte de todo recém-nascido do sexo masculino. Um destes recém-nascidos, Moshê (Moisés)tem a vida poupada e lançado no rio Nilo é resgatado pela filha de faraó, Batia, que o adota como filho. Após crescer, Moshê acaba presenciando um ato de agressão de um egípcio contra um israelita, e acaba matando o egípcio, o que leva à fugir para a região de Midian onde conhece Yitrô (Jetro)e casa-se com a filha deste, Tzipora (Zípora).

No exílio, D-us revela-se a Moshê através de uma sarça ardente e lhe incumbe de libertar os israelitas do cativeiro no Egito. Moshê ganha a capacidade de realizar eventos miraculosos, e retorna para o Egito.

A haftará desta parashá é :

Wa'era (וארא)[editar | editar código-fonte]

Nesta parashá é narrado o envio de Moshê e Aharon da parte de D-us a faraó para libertação do povo de Israel. Instruidos a se apresentarem diante de faraó Moshê e Aharon realizam um milagre diante deste, transformando uma vara em serpente. Os feiticeiros de faraó também realizam um prodígio semelhante, o que leva faraó a menosprezar Moshê e Aharon não permitindo aos israelitas partirem.Inicia-se então um confronto de poderes conhecido como as Dez pragas do Egito.

A haftará desta parashá é Ezequiel 28:25–29:21.

Bo (בא)[editar | editar código-fonte]

Nesta parashá, Moshê e Aharon são enviados a faraó para libertar os israelitas do Egito. A oitava e a nona praga são enviadas, porém faraó recusa-se à permitir que o povo de Israel parta. O Eterno envia a última praga sobre o Egito, o qual consiste em um anjo destruidor que extermina os primogênitos dos egípcios mas poupa os filhos de Israel. D-us faz um pacto com o povo de Israel de celebrar este salvamento perpetuamente através da instituição da Pessach e da mitsvá de Pidyon Haben.

A haftará desta parashá é Jeremias 46:13–28.

Beshalach (בשלח)[editar | editar código-fonte]

Moisés atinge a rocha que jorra água (pintado por Tintoretto)

O povo israelita é liberto da escravidão egípcia e guiada por Moshê em direção à terra prometida. Faraó segue no encalço do povo porém perece afogado no Mar Vermelho que havia sido aberto para passagem do povo de Israel, que é guiado por uma coluna de fogo de noite e uma nuvem de dia.

Porém o povo passa a murmurar contra Moshê devido as vicissitudes do caminho mesmo com a realização de sinais e prodígios pelas mãos de Moshê. Entre estes sinais prodigiosos está a retirada de água de uma pedra e o maná que caía do céu. A parashá encerra com o combate entre os filhos de Israel e o povo de Amaleque.

A haftará desta parashá é Juízes 4:4–5:31.

Yitrô (יתרו)[editar | editar código-fonte]

Monte Sinai

O sogro de Moshê, Yitrô chega ao acampamento dos israelitas para se juntar ao povo de Israel e aconselha a Moshê a abandonar o método de ser o único juiz do povo, dividindo sua autoridade com outros juízes subordinados.

O povo israelita chega ao Monte Sinai, aos pés do qual acampam de acordo com as ordens de D-us. Moshê sobe o monte sozinho para receber os mandamentos de D-us.

A haftará desta parashá é Isaías 6:1–7:6 & 9:5–6

Mishpatim (משפטים)[editar | editar código-fonte]

Mishpatim lida com mandamentos de caráter civil, incluindo as leis referentes a escravidão, penas de crimes e festividades anuais.

A haftará desta parashá é Jeremias 34:8–22 & 33:25–26.

Terumah (תרומה)[editar | editar código-fonte]

Esta parashá inicia a descrição dos detalhes da construção do mishkan móvel que servirá como centro de culto do povo israelita. Descreve as medidas, materiais utilizados no processo de construção e os diversos utensílios do tabernáculo como as tábuas dos dez mandamentos, do shulkhan (mesa sagrada sobre a qual devem permanecer os Lekhem Hapanim ou Pães da Proposição) e a menorá.

A haftará desta parashá é I Reis 5:26–6:13.

Tetzaveh (תצווה)[editar | editar código-fonte]

Esta parashá descreve as vestes que devem ser utilizadas pelos cohanim (sacerdotes) durante o serviço sagrado, as vestes do Cohen HaGadol (Sumo Sacerdote) e os mandamentos relativos ao melu'im, inauguração ritual para o tabernáculo que deve ser realizado exclusivamente por Moisés e a iniciação de Aarão juntamente com seus filhos no sacerdócio cultural.

A haftará desta parashá é Ezequiel 43:10–27. Quando esta parashá coincide com o Shabat Zachor (o Shabat que precede o Purim), a parashá é I Samuel 15:2–34.

Ki Tisha (כי תשא)[editar | editar código-fonte]

O bezerro de ouro.

Ki Tisa' inicia com o recenseamento do povo israelita e a instituição de um tributo para que os adultos colaborem com a construção do tabernáculo e continua a descrição da composição dos utensílios sagrados como o lavatório, o azeite de unção e o incenso aromático. D-us separa dois homens, Betsalel e Oholiyav para supervisionar a construção do tabernáculo.

Moisés com as tábuas da Lei.

A narrativa segue para a descrição dos eventos decorrentes da demora de Moisés descer do Monte Sinai para onde subira para receber a Torá: o povo de Israel crendo que Moisés havia morrido constroem para si um bezerro de ouro para os guiarem de volta ao Egito. Moshê retorna ao povo e vê este dançando ao redor do ídolo. Moisés quebra as tábuas dos mandamentos e queima o ídolo. D-us pretende consumir o povo, mas é aplacado pela intervenção de Moshê, que retorna ao monte e recebe um segundo conjunto de tábuas dos mandamentos.

A haftará desta parashá é:

Se a leitura da parashá coincide com Shabat Parah a haftará é Ezequiel 36:16–38.

Vayaqhel (ויקהל)[editar | editar código-fonte]

Esta parashá narra a convocação do povo de Israel por Moisés e a advertência sobre a obrigatoriedade do cumprimento do Shabat. Também narra as doações do povo de Israel, e o princípio da construção do tabernáculo.

A haftará desta porção é:

Quando a parashá coincide com Shabbat HaChodesh a haftará é Ezequiel 45:16–46:18.

Pequdei (פקודי)[editar | editar código-fonte]

A porção final de Shemot descreve a conclusão dos instrumentos e itens do tabernáculo e a subsequente dedicação deste.

A haftará desta parashá é :

Quando a parashá coincide com Shabbat HaChodesh, a haftará é Ezequiel 45:16–46:18.

Quando esta parashá coincide com Shabbat Rosh Chodesh, a haftará é Isaías 66:1–24

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Shemot
Ícone de esboço Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.