Shopgirl

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Shopgirl
Uma Rapariga Cheia de Sonhos (PT)
Garota da Vitrine (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2005 • cor • 104 min 
Direção Anand Tucker
Produção Ashok Amritraj
Jon Jashni
Steve Martin
Roteiro Steve Martin
Baseado em Shopgirl de Steve Martin
Narração Steve Martin
Elenco Steve Martin
Claire Danes
Jason Schwartzman
Gênero Drama romântico
Idioma Inglês
Música Barrington Pheloung
Cinematografia Peter Suschitzky
Edição David Gamble
Estúdio Touchstone Pictures
Hyde Park Entertainment
Distribuição Buena Vista Pictures (EUA)
Lançamento Estados Unidos 21 de outubro de 2005
Portugal 15 de dezembro de 2005
Brasil 17 de março de 2006 (limitado)
Receita US$11,588,205[1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Shopgirl (Garota da Vitrine (título no Brasil) ou Uma Rapariga Cheia de Sonhos (título em Portugal)) é um filme de drama romântico estadunidense de 2005 dirigido por Anand Tucker e estrelado por Steve Martin, Claire Danes e Jason Schwartzman. O roteiro escrito por Steve Martin é baseado em seu livro de mesmo nome de 2000. O filme é sobre um triângulo amoroso entre um complexo de uma vendedora entediada, um rico empresário, e um jovem sem rumo.

Produzido por Ashok Amritraj, Jon Jashni, e Steve Martin para a Touchstone Pictures e Hyde Park Entertainment, e distribuído nos Estados Unidos pela Buena Vista Pictures, Shopgirl foi lançado em 21 de outubro de 2005 e recebeu críticas positivas dos críticos de cinema. O filme passou a ganhar $11,112,077[1] e foi nomeado para quatro Satellite Awards, incluindo Melhor Filme e Melhor Roteiro Adaptado.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Mirabelle é uma jovem que foi tentar uma vida melhor em Los Angeles, saindo de Vermont. Ela começa a vender desenhos e também começa a trabalhar no departamento de luvas da Saks Fifth Avenue. Sua vida é muito solitária e ela se sente como mais um dos fantasmas criados pela urbanização.

Numa lavanderia, Mirabelle conhece Jeremy (Jason Schwartzman), um enérgico e desajeitado criador de fontes (tipógrafo) e vendedor de amplificadores. Entre eles, parece não haver nada, apenas um sentimento de carinho e admiração. É então, na loja, que Mirabelle conhece Ray Porter (Steve Martin), autor do livro que serve de base ao filme), por quem Mirabelle fica encantada com seu charme, sofisticação e elegância.

Mirabelle não hesita na sua escolha, e quando Jeremy decide acompanhar a digressão de uma banda de rock, o foco passa para a relação entre Mirabelle e Ray.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Notas da produção[editar | editar código-fonte]

Na novela original de Steve Martin, Mirabelle foi contratada pela Neiman Marcus. De acordo com a Evolution of a Novella: The Making of Shopgirl, um bônus do lançamento do DVD, Saks Fifth Avenue prosseguir activamente a participação no filme, apresentando uma proposta para os produtores e diretor e plena cooperação promissora com horários de filmagem. As luvas do contador não são de Saks, mas uma boutique em Toronto, onde parte do filme foi filmado.

De acordo com o livro de Martin Born Standing Up, há muitos paralelos com a própria vida de Martin. No início de sua carreira, ele perdeu uma namorada, um senhor mais velho suave parecido com Ray Porter, da vida real Mason Williams. Williams tinha uma casa que corresponde à descrição de Ray Porter, com vista para Los Angeles a partir de aproximadamente o mesmo ponto de vista e as descrições das duas casas são as mesmas. Williams foi um atuário em um ponto, enquanto que Porter era um lógico. Martin e Williams ambos disputavam a atenção de uma namorada, Nina. O relacionamento terminou quando Martin, muito parecido com o personagem Schwartzman, vai em uma excursão cross country como um roadie. Estes paralelos fazem da novela um tanto autobiográfica.

Além disso, a personagem Mirabelle é parcialmente baseado na artista Allyson Hollingsworth, que foi consultora do filme, e que teve um relacionamento com Martin nos anos 90. Fotografias e desenhos atribuídos a Mirabelle no filme são de Hollingsworth.[2]

Martin teve Tom Hanks em mente para o papel de Ray Porter na época em que estava escrevendo o roteiro, mas o diretor Anand Tucker sentiu que Martin estava tão perto de o material e tinha uma forte compreensão tal do personagem que Martin deveria desempenhar o papel. Após a audição inúmeras atrizes, ele sabia que Claire Danes era perfeita para o papel de Mirabelle, logo que ela começou a ler as falas com Martin. Ele encontrou Jeremy muito mais difícil de lançar, e lembrou Jason Schwartzman (mas não o seu nome) a partir de seu desempenho em Rushmore apenas duas semanas antes das filmagens terem agendadas para começarem. Jimmy Fallon foi escalado para interpretar o personagem Jeremy, mas deixou o elenco antes do início das filmagens.[3]

O prédio utilizado para residência de Mirabelle está localizado na 1630 Griffith Park Boulevard, em Los Angeles.

As músicas "Lily & Parrots", "Carry Me Ohio" e "Make Like Paper" foram escritas e realizadas por Mark Kozelek. Tucker lembrava dele de sua aparição em Almost Famous e lançai-o como o vocalista de Hot Tears. Tanto "Carry Me Ohio" e "Lily and Parrots" eram faixas de Ghosts of the Great Highway, o primeiro CD lançado pela banda da vida real de Kozelek Sun Kil Moon. "Make Like Paper" era uma faixa de Songs for a Blue Guitar, um álbum da banda anterior de Kozelek Red House Painters.

O filme estreou no Festival de Toronto em setembro de 2005. Foi mostrado no Festival de Chicago e no Festival de Austin antes de entrar em lançamento limitado nos EUA.

O filme arrecadou $10,284,523 nos EUA e $1,303,682 em mercados estrangeiros para a bilheteria mundial total de $11,588,205.[1]

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

No Rotten Tomatoes, o filme tem uma pontuação de 61% (90 "Fresh" e 58 comentários "podres"), para uma classificação média de 6,3 dos 10,[4] e é classificado como um 62 (baseado em 37 comentários) no Metacritic.[5]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Shopgirl (em inglês) no Box Office Mojo
  2. Rochlin, Margy. "From Artist to Muse and Back to Artist", The New York Times, 2005-09-18.
  3. Shopgirl no AdoroCinema
  4. ''Shopgirl'' at Rotten Tomatoes Rottentomatoes.com. Visitado em 2011-01-19.
  5. ''Shopgirl'' at Metacritic.com (2005-10-21). Visitado em 2011-01-19.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]