Show de Calouros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Show de Calouros
Informação geral
Formato Programa de auditório
País de origem  Brasil
Produção
Apresentador(es) Silvio Santos
Exibição
Emissora de
televisão original
SBT
Transmissão original 1973 - 1996

Show de Calouros foi um programa de auditório da televisão brasileira apresentado por Silvio Santos por mais de 23 anos seguidos entre 1973 e 1996, tornando-se uma das atrações mais importantes do Programa Silvio Santos.

O Show de Calouros seguia o modelo básico de programas congêneres que já faziam grande sucesso no rádio e marcaram profundamente a formação artística de Silvio Santos - vários candidatos a artistas (principalmente cantores) se apresentavam para uma bancada de jurados. No início, o júri era formado principalmente por especialistas, como o maestro José "Zé" Fernandes, a cantora romântica Cláudia Barroso e o compositor Alfredo Borba (que depois iria quebrar discos no Programa Flávio Cavalcanti). Zé Fernandes ficou famoso por reprovar (com a nota zero) quase todos os candidatos que por ali passavam. Outro jurado sério era o jornalista Décio Piccinini, ainda que não tão rigoroso quanto Fernandes. A cantora Aracy de Almeida, sempre de mau humor e no controle da campainha que dispensava implacavelmente os maus cantores, tornou-se a sucessora de Zé Fernandes como a figura má do juri. Um dos destaques era o radialista e professor Henrique Lobo, considerado um jurado "bonzinho", mas que às vezes surpreendia o público reprovando algum calouro. Mais tarde começaram a participar alguns amigos do apresentador, como Pedro de Lara (que nos anos 70 tinha um quadro no programa de rádio de Silvio Santos, na qual interpretava os sonhos das ouvintes), o humorista Manuel da Nóbrega, a comediante Consuelo Leandro, a vedete Wilza Carla, Cinira Arruda, e outros.

Silvio Santos era muito rigoroso com a sua produção e nos anos 70 começou a chamar os produtores para o palco, dando-lhes broncas. As vítimas favoritas eram Carlinhos e o seu chefe, Valentino Guzzo. Carlinhos era bem forte e tinha a função de empurrar os calouros para o palco, quando Silvio os chamava pelo nome. Quando um deles quase caiu, Silvio irritado chamou Carlinhos para lhe dar uma bronca. Depois foi a vez de Valentino, que tinha vindo da TV Bandeirantes. Valentino era nervoso e não gostava de aparecer na tela, mas seu constrangimento causava gargalhadas na platéia, fazendo com que Silvio o chamasse cada vez mais. Valentino resolveu assumir a palhaçada, e acabou se tornando a Vovó Mafalda, aparecendo depois num quadro do programa infantil do palhaço Bozo exibido pelo SBT, onde participava também Pedro de Lara.

Quando iniciou o SBT, em 1981, Silvio aumentou o número de cadeiras do júri, preenchendo a maioria delas com artistas da casa. Assim tornaram -se jurados a bela atriz Sônia Lima, o apresentador infantil Sérgio Mallandro, a bailarina Flôr, o repórter Wagner Montes, o jornalista Nelson Rubens, o apresentador Luis Ricardo, o repórter Jacinto Figueira Júnior, o ator Jorge Lafond, as apresentadoras infantis Eliana e Mara Maravilha, Condessa Giovanna, Vovó Mafalda, Sônia Abrão e outros.

Nos anos 80 ganharam destaque os concursos de transformistas, as garotas que dançam, os cantores mirins e o "vale-tudo". O programa também exibia outras atrações:

  • Isto é incrível --- imagens de proezas humanas, quase sempre de americanos, e de fatos curiosos da natureza.
  • Show do Gongo --- Atrações curiosas do Gong Show, programa de calouros dos Estados Unidos. Num certo período os brasileiros eram desfiados a reproduzir aqui os feitos dos calouros americanos.

Com o falecimento de Chacrinha, alguns jurados remanescentes de seu programa foram contratados por Silvio Santos, como a atriz Elke Maravilha.

Saiu do ar em 1992, mudando o título para Show de Variedades, sendo exibido nas tardes de domingo. Em meados de maio de 1993, Silvio deixa o comando da atração que passa a se chamar Novo Show de Calouros, durando até dezembro de 1996 com os jurados se revezando no comando, e sendo exibido nas tardes de sábado.

Em 2004 o animador estreou o Gente que Brilha, versão repaginada do programa.

Em 2009 estreou o programa Qual é o Seu Talento? e pode ser considerada uma versão moderna do programa. O QST? é apresentado por André Vasco.


Jurados do Programa com Silvio Santos[editar | editar código-fonte]


Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Em 1976, Guilherme Arantes se apresentou no programa, com o seu primeiro sucesso Meu mundo e nada mais, que era tema da novela Anjo Mau. O cantor recebeu nota máxima de todos os jurados, menos de José Fernandes, que deu 4.5 (a nota máxima era 5), alegando que o trecho da letra "só sobraram restos", formava o cacófato "sóçobraram restos". Guilherme discutiu com o jurado, e Silvio pôs panos quentes, dizendo que os candidatos não deveriam comentar as opiniões do júri.
  • Em 1985, Silvio chamou a atenção dos telespectadores para a minissérie Pássaros Feridos, que ia ao ar após a novela Roque Santeiro, maior sucesso da história da Rede Globo. "Vejam Roque Santeiro, uma bela novela que também vejo, e logo depois, sintonizem no SBT para assistir Pássaros Feridos, uma minissérie espetacular", dizia. A Globo esticou os capítulos de Roque Santeiro, enquanto o SBT exibia desenhos até a novela acabasse. No ar após a novela, Pássaros Feridos alcançou uma média de 47 pontos, contra 27 da Globo.
Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.