Sibipiruna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2012).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Como ler uma caixa taxonómicaSibipiruna
Copa de sibipiruna produzindo grande quantidade de vagens

Copa de sibipiruna produzindo grande quantidade de vagens
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Fabales
Família: Fabaceae
Subfamília: Caesalpinioideae
Género: Caesalpinia
Espécie: C. pluviosa antiga C. peltophoroides
Nome binomial
Caesalpinia pluviosa, conhecida como Caesalpinia peltophoroides

A sibipiruna (Caesalpinia pluviosa sin. C. peltophoroides; Caesalpinioideae), também conhecida como sebipira, é uma árvore de grande porte, nativa do Brasil, perenifólia, chegando a medir 28 metros de altura (normalmente entre 6-18m) com até 6 metros de diâmetro da copa arredondada e muito vistosa. Facilmente confundida com o pau-brasil ou pau-ferro pela semelhança da sua folhagem. Muito usada para arborização, especialmente da cidade de São Paulo[carece de fontes?], de onde foram batidas as fotografias abaixo. A cidade de Maringá, no Paraná, possui arborização com 80% em sibipiruna[carece de fontes?].

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Sibipiruna" é um termo de origem tupi que significa "sucupira preta"[1] . tupi ,guarani,firipo

Descrição[editar | editar código-fonte]

As folhas são bipinadas com haste central de 20–25 cm de comprimento com 8-9 pares de pinas, cada uma com cerca de 11-13 pares de folíolos de 10-12mm por pina. A floração ocorre entre a partir de agosto podendo estender-se até o final do verão, produzindo inflorescências em rácemos cônicos eretos com flores amarelas. A frutificação dá origem a vagens compostas de duas valvas secas, lenhosas, longas e coriáceas com 7,6-12,0 cm de comprimento por 2,7-3,1 cm de largura. Quando maduras, as vagens rompem-se por torção em deiscência explosiva arremessando de 1-5 sementes. Estas são comprimidas, irregularmente circulares, transversas, ovato-obovadas ou orbiculares a subglobosas, com testa dura e muito rígida, clara, grossa ou sem albúmen, provida de um bico no hilo e marginada. Podem viver mais de cem anos.[2] [3]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. pp.1 582,1 551
  2. Agência de Informação Embrapa. Descrição botânica. Página visitada em 17 de janeiro de 2013.
  3. HDCF. Herbário Florestal. Página visitada em 17 de janeiro de 2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre leguminosas (família Fabaceae), integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.