Sicambros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os sicambros ou sugambros (em latim: Sicambri ou Sugambri) formavam uma tribo germânica ocidental que aparece na história em 55 a.C., durante o período de conquista da Gália por Júlio César e início do Império Romano, à margem direita do Reno entre os rios Ruhr e Sieg, na região que atualmente faz parte do estado alemão da Renânia do Norte-Vestfália (Nordrhein-Westfalen). O rio Sieg, assim como a cidade de Siegen, são assim chamadas por causa dessa tribo.

Em 16 a.C., eles derrotaram um exército romano liderado por Marco Lólio, o que ocasionou uma reação de Roma e ajudou a iniciar a série de guerras contra as tribos germânicas que duraram até o ano de 16.

Em 11 a.C., eles foram forçados por Nero Cláudio Druso a se deslocar para a margem esquerda do Reno, onde eles claramente formaram o componente central da confederação dos francos. Sua nova pátria estava localizada no que agora é a região de Guéldria (Gelderland) na Holanda, no baixo Reno.

Os reis merovíngios reivindicavam sua descendência dos sicambos, que eles acreditavam ser originalmente uma tribo cita ou ciméria que antes habitou a foz do Danúbio, que mudou seu nome para "francos" em 11 a.C. sob a liderança de um certo chefe tribal chamado "Franko". Os merovíngios traçam suas origens sicambrianas a Marcomir I (supostamente morto em 412 a.C.), último rei de Troia, mas essa lista de governantes não é aceita como histórica. De acordo com alguns registros, um líder tribal Marcomero precedeu a dinastia merovíngia em torno de 400.

Gregório de Tours afirma que o líder franco Clóvis, na ocasião do seu batismo na fé católica em 496, foi referido como Sicamber pelo bispo de Reims, que conduziu a cerimônia - lembrando novamente a ligação entre os sicambrianos e os ancestrais de Clóvis, a casa real merovíngia dos francos.

Localização[editar | editar código-fonte]

Quando os romanos chegaram, várias tribos foram localizados na região dos Países Baixos, que residiam nas partes habitáveis mais altas, especialmente no leste e sul. Essas tribos não deixaram registros escritos. Todas as informações conhecidas sobre elas durante este período pré-romano é baseada no que os romanos, mais tarde, escreveram sobre as mesmas.

O local aproximado (hoje Holanda) onde as tribos germânicas se assentaram no séc. I. Os limites exatos são desconhecidos entretanto, e H a M em particular, não devem ser considerados como representações exatas.

As tribos mostrado no mapa à esquerda são:


Outros grupos tribais não mostrados neste mapa, mas associado com a Holanda são:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Johannes Heinrich: Sugambrer. In: Heinrich Beck, Dieter Geuenich, Heiko Steuer (Hrsg.), Reallexikon der germanischen Altertumskunde. Bd. 30. de Gruyter, Berlin – New York 2005, ISBN 3-11-018385-4. (em inglês)
  • Bruno Krüger (Hrsg.), Die Germanen – Geschichte und Kultur der germanischen Stämme in Mitteleuropa. Ein Handbuch in zwei Bänden. Bd. 1, 4. Auflage, Akademie-Verlag, Berlin 1983 (Publications of the Central Institute for Ancient History and Archaeology of the Academy of Sciences of the GDR, Bd. 4). (em inglês)
  • Alexander Sitzmann, Friedrich E. Grünzweig, Hermann Reichert (Hrsg.): Die altgermanischen Ethnonyme. Fassbaender, Wien 2008, ISBN 978-3-902575-07-4. (em inglês)
  • Reinhard Wolters, Die Schlacht im Teutoburger Wald. Arminius, Varus und das römische Germanien. Beck, München 2008, ISBN 978-3-406-57674-4. (em inglês)