Sidrolândia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Sidrolândia
Bandeira de Sidrolândia
Brasão de Sidrolândia
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 11 de dezembro
Fundação 31 de março de 1942 (72 anos)
Emancipação 11 de dezembro de 1953 (60 anos)
Gentílico sidrolandense[1]
Padroeiro(a) Nossa Senhora da Abadia (Rel. MS)
Prefeito(a) Ari Basso (PSDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Sidrolândia
Localização de Sidrolândia no Mato Grosso do Sul
Sidrolândia está localizado em: Brasil
Sidrolândia
Localização de Sidrolândia no Brasil
20° 55' 55" S 54° 57' 39" O20° 55' 55" S 54° 57' 39" O
Unidade federativa  Mato Grosso do Sul
Mesorregião Centro Norte de Mato Grosso do Sul IBGE/2008 [2]
Microrregião Campo Grande IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Norte: Terenos;
Sul: Rio Brilhante;
Leste: Campo Grande;
Oeste: Maracaju e Dois Irmãos do Buriti
Distância até a capital federal: 1 094 km
estadual: 72
km[3]
Características geográficas
Área 5 286,490 km² (MS: 19º)[4]
Área urbana 4,206 km² (MS: 22º) – est. Embrapa[5]
Distritos Sidrolândia (sede), Capão Seco e Quebra Coco
População 43 563 hab. (MS: 9º) –  est. IBGE 2011[6]
Densidade 8,24 hab/km²[6]
Altitude 484 m [7]
Clima Tropical Aw
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,759 alto PNUD/2000 [8]
Gini 0,430 (MS: 26º) – est. IBGE 2003[9]
PIB R$ 568 998,000 mil (BR: 608º BR int: 410º MS: 12º) – IBGE/2009[10]
PIB per capita R$ 13 790,21 IBGE/2009[10]
Página oficial

Sidrolândia é um município brasileiro da região Centro-Oeste, situado no estado de Mato Grosso do Sul. A cidade se desenvolveu graças à três grandes vultos: o primeiro por ficar a menos de 100 km da capital de Mato Grosso do Sul, o segundo foi graças à agropecuária e o terceiro e mais importante foi por ser ponto de passagem para a ferrovia NOB, que vinha de São Paulo via Campo Grande. Sidrolândia aproveitou-se dessas situações e acabou se desenvolvendo muito ao longo dos anos.

O município é o 608º mais rico do Brasil e o 410º mais rico do interior brasileiro. No estado está em 12º lugar.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização[editar | editar código-fonte]

O município de Sidrolândia está localizado no sul da região Centro-Oeste do Brasil, à região Centro Norte de Mato Grosso do Sul (Microrregião de Campo Grande) e próximo da fronteira com o Paraguai. Possui latitude de 20º55’55” Sul e longitude de 54°57’39” Oeste. Localiza-se a 1094 km de Brasília e 72 km de Campo Grande, capital do Estado, tendo os principais acessos asfaltados.

Geografia física[editar | editar código-fonte]

Solo

Verifica-se a ocorrência predominante de Latossolo de textura argilosa, normalmente de elevada fertilidade natural, há ocorrência expressiva de Latossolo Vermelho-Escuro de textura média associado a Neossolos, ambos com baixa fertilidade natural. Ocorrência de manchas de Neossolos.

Seu solo é 65% argiloso, 22% misto e 13% arenoso.

Relevo e altitude

Com altitude de 484 metros, é 22% plano, 60% levemente ondulado, 10% ondulado e 8% acidentado.

O município de Sidrolândia encontra-se na Região dos Planaltos Arenítico-Basálticos Interiores, dividindo-se em duas unidades geomorfológicas: Planalto de Dourados e Divisores Tabulares dos Rios Verde e Pardo e Região dos Planaltos da Borda Ocidental da Bacia do Paraná, com a unidade Terceiro Patamar da Borda Ocidental.

Apresenta relevo plano, geralmente elaborado por várias fases de retomada erosiva, relevos elaborados pela ação fluvial e áreas planas resultante de acumulação fluvial sujeita a inundações periódicas.

Clima, temperatura e pluviosidade

Está sob influência clima tropical (AW). Clima Predominantemente chuvoso de savana, sendo úmido a sub-úmido. Os meses mais secos são junho, julho e agosto e os mais chuvosos, novembro, dezembro e janeiro. A precipitação pluviométrica varia de 1.500 a 1.750mm anuais e são regulares, com período seco, inferiores há quatro meses, correspondendo à deficiência hídrica de 350 a 500mm. O excedente hídrico anual é de 800 a 1.200mm durante cinco a seis meses

Possui temperaturas que variam de 22 a 35 graus.

Hidrografia

Está sob influência da Bacia do Rio da Prata. Rios do município:

  • Rio Anhanduí: afluente pela margem direita do rio Pardo. Conhecido também por Anhanduí-Guaçu (ou Açu), com 390 km de extensão e 70 km navegáveis. Nasce da confluência dos córregos Prosa e Segredo, no centro da cidade de Campo Grande. Faz divisa com o município de Campo Grande.
  • Rio Brilhante: rio formador, com o rio Dourados, do rio Ivinhema. Limite entre os municípios de Maracaju e Sidrolândia.
  • Rio Serrote: divide os municípios de Sidrolândia e Rio Brilhante.
  • Rio Vacaria: afluente pela margem esquerda do rio Brilhante, nasce próximo à área urbana de Sidrolândia. Limite entre os municípios de Sidrolândia e Nova Alvorada do Sul.
Vegetação

A cobertura vegetal original do município era o Cerrado aberto denso (Cerradão) e a floresta Aluvial, que ocupavam as margens dos cursos d'água. Atualmente estas formações deram lugar às pastagens plantadas e lavouras e há poucas áreas onde pode ser encontrado o Cerrado original.

Sidrolândia tem como cobertura vegetal também uma densa formação de erva-mate.

Geografia política[editar | editar código-fonte]

Fuso horário

Está a -1 hora com relação a Brasília e -4 com relação a Meridiano de Greenwich (Tempo Universal Coordenado).

Área

Ocupa uma superfície de 5 286,490 km².

Subdivisões

Sidrolândia tem dois distritos além da sede: Capão Seco e Quebra Coco.

Arredores

Ao norte com o município de Terenos, ao sul com o município de Rio Brilhante, a leste com o município de Campo Grande e a oeste com o município de Maracaju e Dois Irmãos do Buriti.

História[editar | editar código-fonte]

A região do município de Sidrolândia, apesar de ser conhecida desde o início do século XVII, quando foram devassados pelos sertanistas bandeirantes, passaram apenas a ser povoadas com a chegada da família do sertanista mineiro Gabriel Francisco Lopes, que trouxe seu sogro Antônio Gonçalvez Barbosa, além de seu irmão Inocêncio Barbosa. Em meados do século, eles estabeleceram as primeiras fazendas de gado na região, que, com a abundância de pasto e qualidade e fertilidade do solo, prosperaram com rapidez. Com isso, a região acabou atraindo outros migrantes que se radicaram dedicando-se especialmente a criação de bovinos. Segundo o Relatório do Coronel Henrique Rohan do Governo da Província de Mato grosso, Ricardo José Gomes Jardim, em 1845 a área que compreende os rios Vacaria e Anhanduí (rios que banham atualmente o município de Sidrolândia) já possuia mais de 100 habitantes. Apesar de o povoamento do atual município de Sidrolândia se dever à família Barbosa, que anos depois partiram para povoarem outros rincões do Sul de Mato Grosso e instalaram fazendas para a criação de bovinos e criação de novos povoamentos, a fundação de Sidrolândia foi estabelecida por Vicente de Brito, que era tronco da família Brito e José Pereira Martins, que fundaram suas fazendas na região em 1870, logo após a Guerra do Paraguai. Em 1872 chegava o cuiabano Hermenegildo Alves Pereira para fundar outra fazenda, a Ponto Alto. Um dos filhos de Vicente de Brito, Porfírio, fundou mais quatro fazendas e fez de tudo para evitar a debandada de seus descendentes. Uma das filhas de Porfírio casou-se com Sidrônio Antunes de Andrade, que era catarinense de Lages.

Anos mais tarde, em função da morte de sua esposa, em 1926, Sidrônio resolveu lotear a fazenda São Bento, que recebeu de herança, mas que acabou concretizando apenas em 31 de março de 1942, quando colocou para vender seus lotes já muito demarcados, e batizou a nova povoação de Sidrolândia. A partir daí, o núcleo começou a se desenvolver rápido e surgiram várias construções residenciais e muitos estabelecimentos comerciais. Em 25 de abril de 1944 foi inaugurada na povoação de Sidrolândia, com o nome de Estação de Anhanduí, a estação telegráfica e ferroviária da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, num ramal que liga Campo Grande à Ponta Porã, se transformando num dos esteios do progresso da nova localidade. A localidade desenvolveu-se de tal forma que levou o Governo do Estado a criar, pela Lei nº 207 de 1 de fevereiro de 1948, o Distrito de Paz de Sidrolândia, tendo como primeiro Juiz de Paz Abílio dos Santos e Lucas do Vale, que foi nomeado escrivão do primeiro cartório, fundado em 19 de março de 1949. Em 11 de dezembro de 1953, pela Lei Estadual nº 684, é elevado a categoria de município, desmembrado de Campo Grande e instalado em 1 de janeiro de 1954. Em 18 de novembro de 1958, pela Lei Estadual nº 1160, é criado o Distrito de Capão, que é incorporado ao Município de Campo Grande. Com a criação do estado de Mato Grosso do Sul, em 1977, houve um desenvolvimento maior em razão de se localizar próximo à capital do estado, Campo Grande. No mesmo ano é reincorporado a Sidrolândia. Em 15 de julho de 1997 é criado o distrito de Quebra Côco.

Nome[editar | editar código-fonte]

O topônimo é uma homenagem ao seu fundador, Sidrônio Antunes de Andrade, que veio de Lages, Santa Catarina

Economia[editar | editar código-fonte]

Nos últimos dez anos houve um grande crescimento do município, devido à instalação de várias indústrias, principalmente do setor têxtil e alimentício e pelo grande número de assentamentos instalados, Sidrolândia é o campeão do estado em número de assentamentos rurais, onze, e têm outros sem regularização. Esse crescimento trouxe para o município um grande número de migrantes que vem em busca de emprego tentando garantir melhores condições de vida.

A terra fértil que atraiu os pioneiros, ainda é o alicerce deste pólo de desenvolvimento que conta hoje com indústrias de alimentos que exportam os frutos do nosso trabalho para o mundo. Sidrolândia é hoje um dos municípios que mais cresce em Mato Grosso do Sul devido ao seu enorme potencial de produção agropastoril resultante da associação entre clima favorável, solo produtivo, infra-estrutura de armazenagem e escoamento, além de tradição na utilização de tecnologias de ponta em pesquisa, plantio e colheita de grãos e incentivos que trazem indústrias gerando emprego e renda.

Domicílios[editar | editar código-fonte]

Domicílios de Sidrolândia
Total de domicílios 15 042 domicílios[11]
Domicílios particulares 15 033 domicílios
Domicílios coletivos 9 domicílios
Domicílios por rendimento[12]
Mais de 5 salários
1,85%
De 2 a 5 salários
7,02%
De 1 a 2 salários
19,70%
De 0,5 a 1 salário
32,92%
De 0,25 a 0,5 salários
22,60%
Até 0 25 salários ou sem rendimento
15,92%
Domicílios por classe social[12]
Classe A
1,85%
Classe B
7,02%
Classe C
52,62%
Classe D
22,60%
Classe E
15,92%
Classe alta (A - B)
8,87%
Classe média (C - D)
75,22%
Classe consumidora (A - B - C - D)
84,09%
Classe periférica (E)
15,92%

Referências

  1. Gentílico dos municípios de Mato Grosso do Sul - IHGMS (PDF).
  2. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  3. Mapas e rotas. Guia 4 Rodas. Página visitada em 3 de novembro de 2011.
  4. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  5. Urbanização das cidades brasileiras. Embrapa Monitoramento por Satélite. Página visitada em 30 de Julho de 2008.
  6. a b Estimativa Populacional 2011. Contagem Populacional 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2011). Página visitada em 13 de setembro de 2011.
  7. Mato Grosso do Sul. Embrapa. Página visitada em 19 de julho de 2011.
  8. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  9. Indice GINI. Cidade Sat. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2000). Página visitada em 6 de agosto de 2011.
  10. a b Posição ocupada pelos maiores municípios em relação ao Produto Interno Bruto. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (14 de dezembro de 2011). Página visitada em 14 de dezembro de 2011.
  11. População do Brasil. Domicílios particulares permanentes. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Página visitada em 5 de agosto de 2011.
  12. a b Classes sociais do Brasil. Domicílios particulares permanentes, por classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita - Resultados Preliminares do Universo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons