Sijilmassa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo ou secção, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada nos artigos correspondentes noutras línguas e também na página de discussão. (janeiro de 2012)
Sijilmassa
Sijilmasa, Sidjilmassa, ‏سجلماسة‎
Vista das ruínas de Sijilmassa
Trans-Saharan routes early.svg
Mapa das principais rotas comerciais do noroeste de África entre os séculos XI e XIV
Localização atual
Sijilmassa está localizado em: Marrocos
Sijilmassa
Localização de Sijilmassa em Marrocos
Coordenadas 31° 16' 48" N 4° 16' 48" O
País  Marrocos
Região administrativa Meknès-Tafilalet
Região histórica Tafilalt
Localidade atual mais próxima Rissani
Altitude 760 m
Dados históricos
Fundação 757 (1 257 anos)
Abandono 1818
Mapa político de Marrocos entre os séculos VIII e XI
  Califado Idríssida (789-985)
  Tamesna (Barghawata ou Berghouata; 744-1058)
  Emirado de Nekor dos Banu Salih (710-1019)
  Emirado de Sijilmassa dos midraridas ou uassulitas ou Banu Midrar (758-1055)

Sijilmassa (ou Sijilmasa ou Sidjilmassa; em árabe: ‏سجلماسة‎; transl.: Siǧilmāsa) foi uma antiga cidade com grande importância comercial situada no que é atualmente o sudeste de Marrocos, na orla setentrional do deserto do Saara, perto do local onde se encontra hoje a cidade de Rissani, a sul de Errachidia e a algumas dezenas de quilómetros do Erg Chebbi, o maior conjunto de dunas de Marrocos.

A cidade foi fundada em 757 por berberes do clã Banu Midrar da tribo dos Meknassas e prosperou rapidamente devido à sua posição estratégica na chamada "Rota do Sal" das grandes caravanas transaarianas que traziam de Bilad el Sudan ("país dos negros" ou África Negra) mercadorias de grande valor como como pó de ouro, penas de avestruz, marfim e escravos.[1] [2] Era um centro importante para os berberes zenetas. A sua história confunde-se com a da região onde se insere, o Tafilalt.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade foi fundada por ordem de Semgou Ibn Ouassoul[carece de fontes?]. Os Meknassas eram então seguidores do carijismo sufrita, um ramo do Islão considerado herético por grande parte dos restantes muçulmanos e Sijilmassa torna-se a capital de um emirado caridjita governado pelos midraridas (também chamados uassulitas) até se tornar um pomo de discórdia entre os ziridas de Ifriqiya, vassalos do Califado Fatímida, e os maghrauidas, vassalos dos omíadas de Córdova, devido à sua situação no início das pistas de caravanas. O emirado acabou por ser conquistado pelos almorávidas cerca de 1055.

A cidade continuou a prosperar até ao século XIV e a sua abertura ao mundo conhecido é atestado pelos escritos do viajante Ibn Batuta, que afirmou ter encontrado naturais de Sijilmassa durante o seu périplo pela China. No tempo do seu esplendor, a cidade era composta por cerca de 600 casbás, que formavam outros tantos bairros. A casbá principal abrigava o palácio do emir, a grande mesquita, uma casa da moeda, bem como um imenso mercado, frequentado por mercadores que chegavam a vir de locais tão longíquos como o Egito ou Bagdade. Os midraridas mativeram uma política de aliança com a outra potência caridjita do Magrebe, o emirado de rustamida de Tiaret, na Argélia, mas no início do século X nota-se alguma abrandamento da prática do sufrismo e o emir midrarida Chakir Billah chega a reconhecer a autoridade espiritual do califa abássida.

Essa atitude está também associada ao facto de Sijilmassa se ter tornado um local de comércio de nível internacional, que cultivava um certo cosmopolitanismo, atraindo inclusivamente o fundador da dinastia fatímida, o líder xiita Ubayd Allah al-Mahdi (873-934), que se refugiou em Sijilmassa fugindo às perseguições a oriente. Ubayd foi preso por ordem do emir midrarida, sendo libertado pelos seus partidários em 909, que juntaram um grande exército formado por berberes Kutama do centro do Magrebe. Ubayd proclamaria depois o seu califado em Cairuão. A cidade foi depois conquistada pelos zenetas, aliados dos omíadas de Córdova, para quem estabeleceram oficinas de moeda.

A cidade foi perdendo importância a partir do final da Idade Média, continuando a declinar até que foi arrasada em 1818 pelas tribos berberes da confederação Aït Atta.[3]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Dumper 2006, p. 334
  2. Ham 2007, p. 361
  3. Ilahiane 2004, p. 53

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ellingham, Mark; McVeigh, Shaun; Jacobs, Daniel; Brown, Hamish. The Rough Guide to Morocco (em inglês). 7ª ed. Nova Iorque, Londres, Deli: Rough Guide, Penguin Books, 2004. 824 pp. p. 556-557, 564. ISBN 9-781843-533139
  • Lessard, Jean-Michel. (1969). "Sijilmassa : la ville et ses relations commerciales au XIè siècle d'après El Bekri" (em francês). Hespéris Tamuda 10 Fasc. 1-2: 5-36.
  • Lightfoot, Dale R.; Miller, James A. (março de 1996). "Sijilmassa: The Rise and Fall of a Walled Oasis in Medieval Morocco" (em inglês). Annals of the Association of American Geographers 86 (1): 78-101.
  • Messier, Ronal A.; Mackenzie, Neil D. (2002). "Sijilmassa : an archaeological study, 1992". Bulletin d'Archéologie Marocaine XIX: 257.
  • Meunié, Jacques D. Le Maroc saharien des origines à 1670 (em francês). Paris: Klincksieck, 1982.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Região histórica do Tafilalt