Simão de Toledo Piza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Simão de Toledo Piza (Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, 1612 - São Paulo, 1668) foi morador antigo da cidade de São Paulo, e um dos patriarcas das primeiras famílias da cidade, as chamadas quatrocentonas. Genealogistas como Silva Leme e Pedro Taques chegam a atribuir em seus escritos suposta ligação de D. Simão com a casa dos condes de Oropesa e com a casa dos duques de Alba de Tormes[1] .

Vem a ser um dos principais ancestrais da tradicional família Toledo Piza.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Simão era filho de Juan Castelhanos de Piza e dona Grácia da Fonseca. Foi batizado na igreja da , em Angra do Heroísmo, no dia 4 de novembro de 1612[2] . Sobre seu passado em Portugal e sua imigração ao Brasil pouco se sabe, salvo breves citações de seu testamento. No documento, datado do ano de 1668, diz:[1]

..."por secretos juízos do meu destino, fui preso no castello, d'onde fugi e vim dar a esta villa de São Paulo, onde casei e sempre cuidei em me não dar a conhecer, consentido que o morgado, que por morte de minha mãe passava a mim, o tenha desfructado, e se ache de posse d'elle meu primo Pedro de Lombreiros, conego da sé de Angra, cujas cartas estão no meu contador com os mais papeis meus, e de meu pai e irmãos.Meu f.o João de Toledo, habilitando-se por meu f.o, irá a minha pátria para tomar posse do morgado, que lhe pertence; cobrar da fazenda real o que consta das provisões que lá se acham em processo, e tambem a minha legitima materna, que ficou em casas de sobrado."

Em 12 de fevereiro de 1640, em São Paulo, casou-se com Maria Pedroso[1] , filha de Sebastião Fernandes Correia, primeiro provedor e contador da Junta da Real Fazenda da Capitania de São Paulo e São Vicente, e de Ana Ribeiro, membro da tradicional família Freitas, também de São Paulo.

Adquiriu a propriedade do ofício de juiz de órfãos da vila[3] , cargo que ocupou por 19 anos até 1661, quando foi sucedido por Antônio Raposo da Silveira. Simão de Toledo Piza também foi ouvidor da capitania, com posse em 1666.

Posteridade[editar | editar código-fonte]

De seu casamento com Maria Pedroso nasceram-lhe três filhos: João de Toledo Castelhanos, Gracia da Fonseca Rodovalho e Ana Ribeiro Rodovalho. D. Simão faleceu em São Paulo, no ano de 1668, sendo sepultado na igreja da Santa Casa de Misericórdia da cidade.

Referências

  1. a b c da Silva Leme, Luís Gonzaga. Genealogia Paulistana. São Paulo: Duprat & Comp., 1904. p. 446. vol. 5. Página visitada em 3 de julho de 2012.
  2. José Roberto de Toledo (28/01/2005). Nova pesquisa reescreve história dos Toledo Piza Arquivo Z. Página visitada em 3 de julho de 2012.
  3. Manoel João Branco - Inventário e Testamento Projeto Compartilhar. Página visitada em 2 de julho de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]