Simpatia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde maio de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Simpatia é uma forma de magia ou feitiçaria básica, extremamente ligada ao povo, normalmente de origem campesina e geração empírica. As simpatias são formadas da mesma substância da superstição e estão intimamente ligadas a esta. (I.L.B) neste momento, onde quer que você esteja. Neste exato instante você perderá a concentração e seu pensamento se voltará para mim (M.D.C). Você entenderá que não pode viver sem mim. Neste exato momento você começará a se desfazer do seu orgulho. Agora mesmo você está com vontade de me ligar. Agora mesmo você está pensando em mim (M.D.C). Você vai tentar resistir. Não, NÃO resista. Se você não me ligar agora, vai me ligar mais tarde. Mas neste instante você tem a certeza de que vai me ligar. Você compreenderá que está apaixonado por mim (M.D.C) e não consegue ficar sem a minha presença. Neste exato momento você vai pensar em mim (M.D.C). Eu invoco os três Santos Anjos, Miguel, Gabriel e Raphael, para que iluminem o seu coração e desfaça qualquer dúvida. Que Miguel expulse de perto de você todo mal espírito, toda má influência, ou qualquer outro homem. Que Gabriel anuncie a você o meu nome, que sopre em seus ouvidos a palavra amor e o faça lembrar de mim (M.D.C), que me anuncie ao seu anjo da guarda. Que Raphael use o bálsamo curador para curar a descrença que se instalou no seu coração, mas que mantenha aberta a cicatriz do amor e do desejo por mim. Assim seja. Com todo o meu amor! Quando esta mensagem for publicada, em dois minutos você terá um desejo irresistível de me ligar. Ceda a ele que estou esperando por você querida. Amém!

Causa-conseqüência[editar | editar código-fonte]

O termo deriva de "simpático", no sentido de "semelhante", e baseia-se na ideia de causa/consequência não necessariamente interligadas de forma comprovável, isto é, a falácia "post hoc ergo propter hoc". Ou seja, se um fato A antecedeu um fato B então A torna-se a causa de B, mesmo que não haja qualquer conexão entre A e B. Por exemplo, se uma pessoa entrava em um bosque com o sol a pino e sofria um acidente e isso ocorresse mais de uma vez, surgia a superstição de que era perigoso entrar naquele bosque com o sol a pino. Mas se algumas pessoas entravam no bosque com o sol a pino, não sofriam acidente – e por acaso estavam utilizando uma peça de roupa vermelha, surgia a simpatia de colocar um pano ou outra peça vermelha nas pessoas que teriam de entrar no bosque naquela hora, isso com o propósito de proteção.

Formas de magia[editar | editar código-fonte]

  • Simulação de características de animais ou plantas. Por exemplo, se um gato enxerga bem à noite, então um amuleto feito com os olhos de um gato, ou ao menos no formato de um olho de gato, poderá fazer seu portador ver bem na escuridão, tal como o gato.
  • A falta de explicação científica para determinadas capacidades de estratos, infusões ou mesmo consumo direto de vegetais ou partes de animais. Como não havia o conhecimento das propriedades químicas ativas nos mesmos era simplesmente aceito o fato de que aquela planta era "boa" para isso ou aquilo.

Ver também[editar | editar código-fonte]