Sinais (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sinais
Signs
Pôster promocional
 Estados Unidos
2002 • cor • 107[1] min 
Direção M. Night Shyamalan
Produção M. Night Shyamalan
Frank Marshall
Kathleen Kennedy
Sam Mercer
Roteiro M. Night Shyamalan
Elenco Mel Gibson
Joaquin Phoenix
Rory Culkin
Abigail Breslin
Gênero Drama
Ficção científica
Suspense
Idioma Inglês
Música James Newton Howard
Cinematografia Tak Fujimoto
Edição Barbara Tulliver
Estúdio Touchstone Pictures
Blinding Edge Pictures
The Kennedy/Marshall Company
Distribuição Buena Vista Pictures
Lançamento Estados Unidos 2 de agosto de 2002
Brasil 20 de setembro de 2002
Portugal 25 de outubro de 2002
Orçamento US$72 milhões[1]
Receita US$408,247,917[1]
Página no IMDb (em inglês)

Sinais (no original em inglês: Signs) é um filme estadunidense de suspense/ficção científica lançado em 2002, escrito, produzido e dirigido por M. Night Shyamalan. Os produtores executivos do filme são Frank Marshall, Kathleen Kennedy e Sam Mercer. Em 2 de agosto de 2002, a trilha sonora de cinema original, que foi composta por James Newton Howard, foi lançado pelo rótulo Hollywood Records. Um esforço coletivo comum de se comprometer com a produção do filme foi feita pela Touchstone Pictures, Blinding Edge Pictures, e Kennedy/Marshall Company. Foi distribuído comercialmente pela Buena Vista Pictures nos cinemas, e pela Touchstone Home Entertainment no formato home media.

A história centra-se em um ex-pastor episcopal chamado Graham Hess, que descobre uma série de círculos em seu milharal. Hess lentamente torna-se convencido de que os fenômenos são o resultado de vida extraterrestre. É estrelado por Mel Gibson, Joaquin Phoenix, Rory Culkin e Abigail Breslin. Signs explora a fé, parentesco e extraterrestres.[2]

Após a sua estreia nos cinemas dos Estados Unidos em 2 de agosto de 2002, o filme arrecadou $227,966,634 em ingressos nas bilheterias dos EUA em triagem de 3,453 cinemas durante seu maior lançamento. Ele ganhou um adicional de $180,281,283 em negócios por meio de lançamento internacional para cobrir para fora em um combinado de $408,247,917 em receita bruta, tendo sido uma das principais bilheterias no ano de 2002. O filme foi indicado a vários prêmios, incluindo Online Film Critics Society e Empire Awards. O filme também ganhou um prêmio da American Society of Composers, Authors and Publishers.

Considerando seus $72 milhões de dólares para os custos do orçamento, o filme foi considerado um forte sucesso financeiro após a sua exibição nos cinemas, e foi, em geral recebido com resenhas mistas a positivas de críticas antes de sua exibição inicial nos cinemas, com os críticos elogiando sua atmosfera e história, mas criticando o seu roteiro e performances.[3] A edição Blu-ray Disc em alta definição com comentários em áudio do diretor, o making of do filme e cenas deletadas foi lançado nos Estados Unidos em 3 de junho de 2008.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.
Círculos desenhados em uma plantação

O filme conta a história de uma família que mora em uma fazenda de milho do interior dos Estados Unidos (mais precisamente na Pensilvânia) e que tenta se proteger de uma invasão alienígena. O pai, Graham Hess (Mel Gibson), é um pastor episcopal que perdeu sua fé e abandonou o ministério após sua esposa morrer atropelada por um motorista adormecido ao volante (interpretado pelo próprio diretor do filme, M. Night Shyamalan). Ele mora com seu irmão Merril (Joaquin Phoenix), ex-jogador da liga amadora de beisebol; e seus filhos Morgan (Rory Culkin), que sofre de asma; e Bo (Abigail Breslin), que espalha copos d'água pela casa por nunca bebê-los até o fim.[4]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em um dia normal, Graham Hess acorda com os gritos de seus filhos. Junto de seu irmão, Merril, ele adentra sua plantação e os encontra próximos de um gigantesco círculo aberto no milharal, parte de um ideograma maior ainda. A xerife local Paski (Cherry Jones) chega para investigar e afirma ter recebido queixas sobre animais agindo de maneira estranha e agressiva. Enquanto isso, Houdini, um dos dois cães da casa, é morto por Morgan após tentar atacar Bo.

À noite, Graham se levanta para confortar Bo, que diz ter visto "um monstro" fora de seu quarto. Graham avista um vulto em seu telhado e chama o irmão para pegar o intruso. Contudo, o invasor se mostra muito mais ágil que um humano normal e consegue saltar do telhado para a plantação sem ser visto por eles.

No dia seguinte, Paski volta à casa de Graham e todos assistem a um boletim especial na televisão, que mostra o surgimento de círculos semelhantes em plantações do mundo inteiro e em um ritmo muito acelerado, o que leva a crer que é fruto de inteligências extraterrestres.

Para distrair seus filhos, Graham os leva à cidade. Sozinho, ele vai à e, relutantemente, ouve as confissões da atendente que teme pelo fim do mundo. Merril visita a junta militar local e conversa com o oficial local sobre as táticas dos supostos alienígenas. Morgan e Bo vão a uma livraria e compram um livro sobre extraterrestres.

De volta à sua casa, Morgan tenta usar a babá eletrônica de Bo para captar a frequência dos óvnis, e acaba interceptando uma conversa deles, mas a transmissão é cortada. À noite, Graham vai alimentar sua cachorra Isabelle, que late sem parar para o milharal. Com uma lanterna, ele investiga e ouve os mesmos sons ouvidos na babá eletrônica. Quando a lanterna ilumina a perna de algo que o observava, ele foge de volta para casa e liga a televisão, a tempo de ver um boletim especial que mostra luzes misteriosas sobre a Cidade do México.

Na manhã seguinte, as luzes sumiram, mas como um pássaro foi flagrado colidindo com algo invisível no céu, acredita-se que as naves ainda estejam lá, com algum tipo de escudo invisível. Com seu novo livro, Morgan aprende que apenas dois motivos levariam ETs a visitarem a terra: ou estariam aqui pacificamente para ampliar seus conhecimentos do Universo, ou seriam "hostis" e estariam atrás de nossos recursos naturais. Graham então recebe uma ligação misteriosa de Ray, o homem que matou sua mulher, na qual ele pede que o padre vá a sua casa.

Graham encontra o veterinário dentro de seu carro pronto para abandonar sua casa. Ele pede perdão por ter matado a esposa de Graham e diz que há um boato de que os alienígenas não gostam de água e por isso ele está indo para o lago, assim como várias outras pessoas. Antes de partir, revela a Graham que achou um ET em sua casa e o trancou na despensa. Enquanto isso, Merril assiste ao noticiário e vê um vídeo amador gravado em Passo Fundo, Brasil que mostra imagens de alienígena.

Na casa de Ray, Graham tenta contatar o ser trancado, sem resposta. Ele então pega uma faca e a coloca por baixo da porta, na esperança de ver algo pelo reflexo. Uma mão o surpreende, e o ex-padre corta dois dedos dela.

Quando volta para casa, Graham é informado por Merril de que os alienígenas podem alterar a cor de suas peles e Morgan diz que caso eles sejam hostis, atacariam usando combate corporal, pois uma batalha aérea eventualmente resultaria no uso de armas nucleares por parte dos terráqueos, inutilizando os recursos do planeta. Graham propõe que a família opte por ir ao lago ou ficar em casa. Após uma conturbada eleição, decide-se por ficar e reforçar as portas e janelas com tábuas de madeira.

Na televisão, a família descobre que que há luzes acima de centenas de cidades no mundo todo e que tropas estão sendo mobilizadas. De noite, a babá eletrônica acusa a proximidade dos alienígenas. Após reforçar as últimas portas e janelas, a família ouve os invasores atacando Isabelle, que fora esquecida do lado de fora, e posteriormente rondando a casa e tentando invadí-la. Enquanto os alienígenas cercam a casa, Graham conta aos dois filhos como eles nasceram, e Merril descobre que a porta do sótão foi esquecida. A família corre para o porão, e lá dentro, um alienígena agarra Morgan por meio de uma passagem utilizada antigamente para colocar carvão no porão. Morgan é libertado mas sofre uma crise de asma, e sua "bombinha" não foi trazida para o porão. Após ensinar seu filho a respirar, Graham tem um sonho e se lembra da noite em que sua esposa morreu.

Na manhã seguinte, Graham ouve pelo rádio que os ETs foram embora e deixaram alguns feridos. Ao saírem do porão, o mesmo ET que Graham mutilou no dia anterior toma Morgan e o ameaça com um gás venenoso que matou várias pessoas pelo mundo. Lembrando-se das últimas palavras de sua esposa, Graham pede que seu irmão "bata com toda a força". Merril pega o taco de beisebol que lhe rendeu um recorde de distância e ataca o alienígena, mas não antes que este tenha conseguido aplicar o gás venenoso.

Após um golpe, um copo d'água cai sobre o ET e uma ferida se abre, revelando a vulnerabilidade deles à água. Merril se aproveita dos diversos copos d'água que Bo deixa espalhados pela casa e mata o invasor. Morgan sobrevive ao gás por ter tido seus pulmões fechados pela asma. Meses depois, Graham decide voltar à vida religiosa, como sinal de ter reencontrado sua fé após todos estes acontecimentos.

Cenas removidas[editar | editar código-fonte]

Algumas cenas gravadas acabaram cortadas do filme final, e estão disponíveis no DVD do longa metragem. As cenas são as seguintes:

  • Restrospectivas 1 e 2 - duas cenas com Collen, a esposa de Graham. Na primeira, ela senta numa cadeira de balanço e canta uma canção. Na outra, ela dança com Graham, cantando a mesma canção.
  • The dead bird - uma cena muda, na qual Graham dirige seu carro após visitar Ray, e um pássaro morto é mostrado (o que sugere que tenha colidido com um OVNI).
  • The attic door and the third story - a cena mais longa, começa quando Merril descobre a porta do sótão desprotegida. Apesar de Graham pedir que desista, Merril sobe as escadas e segura a porta com as próprias mãos. Enquanto isso, Graham coloca um móvel alto embaixo da porta. Sabendo que isso é apenas temporário, ele leva sua família para um pequeno cômodo adjacente ao acesso do porão. Com as portas travadas por cadeiras, Graham conta a "terceira história", na qual ele quebrou o braço de Merril. Então, todos descem quando a porta começa a abrir.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Mel Gibson .... Graham Hess, um ex-pastor episcopal, irmão mais velho de Merrill e pai de Morgan e Bo.
  • Joaquin Phoenix .... Merrill Hess, irmão mais novo de Graham e tio de Morgan e Bo, que vive com eles. Ele é um ex-jogador de beisebol da liga amadora.
  • Rory Culkin .... Morgan Hess, filho de Graham Hess, o irmão mais velho de sua irmã Bo, e sobrinho de Merrill.
  • Abigail Breslin .... Bo Hess, filha de Graham Hess, irmã mais nova de Morgan, e sobrinha de Merrill. A caçula da família Hess.
  • Cherry Jones .... Oficial Paski
  • M. Night Shyamalan .... Ray Reddy, o homem responsável pela morte de Colleen, para o qual ele se sente profundamente arrependido.
  • Patricia Kalember .... Collen Hess, a falecida esposa de Graham, mãe de Morgan e Bo e cunhada de Merrill. Ela é vista apenas nos flashbacks de Graham.
  • Ted Sutton .... SFC Cunningham, um recrutador do Exército.
  • Merritt Wever .... Tracey Abernathy, uma assistente farmacêutica.
  • Lanny Flaherty .... Sr. Nathan
  • Marion McCorry .... Sra. Nathan
  • Michael Showalter .... Lionel Prichard

Os alienígenas são criaturas humanóides que são altos e magros. Sua cor natural da pele é verde escuro, são muitas vezes escondidos no meio. Eles têm garras e um apêndice retrátil no pulso que pode expelir gás venenoso. A sua finalidade é acreditado para colher humanos para alimentação. A água é como um efeito do ácido para a sua carne.

Produção[editar | editar código-fonte]

O diretor M. Night Shyamalan escreveu o roteiro de Signs pensando em uma pessoa mais velha para protagonizá-lo. Após a contratação de Mel Gibson, acabou reescrevendo para adequar o protagonista à idade do ator.[5] Inicialmente, seria o ator Mark Ruffalo quem interpretaria o personagem Merrill Hess, mas problemas de saúde o impediram e o papel ficou com Joaquin Phoenix.[5] Antes do início das filmagens, vários campos de milho foram plantados em épocas distintas, para que no filme pudessem ser utilizados na intenção de passar a impressão de que ocorreram mudanças de estações no decorrer da história.[5] Este é o filme de estreia de Abigail Breslin.[5]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Todas as músicas compostas por James Newton Howard.[6]

Signs: Original Score
SignsOST.jpg
Trilha sonora de James Newton Howard
Lançamento 30 de julho de 2002
Duração 45:29
Gravadora(s) Hollywood
Produção James Newton Howard


Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração
1. "Main Titles"   1:45
2. "First Crop Circles"   3:15
3. "Roof Intruder"   2:20
4. "Brazilian Video"   1:56
5. "In the Cornfield"   5:40
6. "Baby Monitor"   1:07
7. "Recruiting Office"   2:07
8. "Throwing a Stone"   5:47
9. "Boarding Up the House"   3:00
10. "Into the Basement"   5:23
11. "Asthma Attack"   3:42
12. "The Hand of Fate (Parte 1)"   5:32
13. "The Hand of Fate (Parte 2)"   3:47

Recepção[editar | editar código-fonte]

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

Signs tem recepção favorável por parte da crítica especializada. Com tomatometer de 74% em base de 226 críticas, o Rotten Tomatoes publicou um consenso: “Com Sinais, Shyamalan prova mais uma vez um especialista em construção de suspense e dando audiência calafrios”. Tem 67% de aprovação por parte da audiência, usada para calcular a recepção do público a partir de votos dos usuários do site.[7] No Metacritic, que atribui uma avaliação normalizada em 100 a partir de comentários críticos convencionais, o filme marcou um 59, baseado em 36 avaliações, indicando "críticas mistas ou médias".[8]

Roger Ebert deu ao filme quatro estrelas, escrevendo "Sinais de M. Night Shyamalan é o trabalho de um cineasta, capaz de armar-se de apreensão do nada. Quando acabou, não pensamos sobre o quão pouco foi decidido, mas o muito que se tem experimentado ... No final do filme, eu tinha que sorrir, reconhecendo como Shyamalan tem escavado uma recompensa. Ele sabe, como qualquer sentido, que os pagamentos estavam entediados".[9] Nell Minow do Common Sense Media deu ao filme quatro de cinco estrelas; ela muito elogiado o elenco e direção de Shyamalan, dizendo que sua única falha foi não deixar nada para a imaginação do público.[10]

Mike LaSalle do San Francisco Chronicle deu ao filme uma estrela de quatro, sentindo que o filme tinha "poucos pensamentos e sem emoções".[11] Todd McCarthy da revista Variety criticou o filme por sua falta de originalidade, escrevendo "Depois do extenuado Unbreakable e agora o escasso Signs, é justo especular se a persistência de Shyamalan em replicar a fórmula de outro mundo de The Sixth Sense pode não ser um exercício fútil e auto-destrutivo".[12]

Em 2004, o filme foi listado como #77 na lista dos 100 momentos mais assustadores do cinema do Bravo 100 Scariest Movie Moments para a cena da festa de aniversário brasileira.

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Signs arrecadou $227,966,634 no mercado interno, $180,281,283 internacionalmente, e $408,247,917 mundialmente[1] na bilheteria dos filmes de Shyamalan, ficou atrás apenas de The Sixth Sense e arrecadando mais que The Village e Unbreakable.

Referências

  1. a b c d Signs (2002) Box Office Mojo. Visitado em 2011-02-01.
  2. Shyamalan, M. Night (Director). (2002). Signs [Motion picture]. United States: Touchstone Pictures.
  3. Signs - Movie Reviews Rotten Tomatoes. Visitado em 2012-11-15.
  4. Signs (em português) Filmow. Visitado em 7 de abril de 2014.
  5. a b c d Signs AdoroCinema. Visitado em 14 de novembro de 2014.
  6. 10 of the Most Underrated Horror Scores!. Bloody-Disgusting.com. Retrieved 2011-02-21.
  7. Signs (em inglês) Rotten Tomatoes. Visitado em 7 de abril de 2014.
  8. Signs Reviews, Ratings, Credits Metacritic CNET Networks, Inc. Visitado em 2010-05-05.
  9. "Signs :: rogerebert.com :: Reviews", Chicago Sun-Times, 2002-08-02. Página visitada em 2011-02-21.
  10. Signs - Movie Review Commonsensemedia.org (2003-05-18). Visitado em 2012-11-15.
  11. Lasalle, Mick. "'Signs' of distress / Shyamalan's puzzling plot circles go flat quickly", The San Francisco Chronicle, 2002-08-02.
  12. McCarthy, Todd. "Signs Movie Review", Variety, 2002-07-29. Página visitada em 2011-02-21.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]