Sindarin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A palavra Sindarin escrita em caracteres Tengwar no Modo Beleriand

O Sindarin é uma língua artificial fictícia desenvolvida por J.R.R. Tolkien. Na mitologia de Tolkien, o Sindarin era a língua élfica mais comumente falada na Terra-média na Terceira Era. Era a língua dos Sindar, aqueles Teleri que foram deixados para trás na Grande Marcha dos Elfos. Ela deriva de uma língua anterior chamada Telerin Comum.

Quando os Noldor retornaram à Terra-média, eles adotaram a língua Sindarin para se comunicar com os elfos que lá viviam, tendo em vista a proibição do rei Thingol do uso do Quenya em seu reino[1] . O Sindarin possuía raízes comuns com o Quenya, mas era mais mutável que a última; havia um certo número de "dialetos" regionais do Sindarin, sendo aquele falado em Doriath considerada a forma mais nobre da língua.

Antes da Queda, a maior parte dos Homens de Númenor também falavam a língua. O conhecimento dela era mantido no reino númenoriano no exílio de Gondor, especialmente entre os mais versados. O Sindarin é a língua referida como a língua élfica em O Senhor dos Anéis.

Tolkien originalmente imaginou que a língua que se tornaria o Sindarin era falada pelos Noldor (segundo clã dos elfos). Contudo, Tolkien decidiu mais tarde que seria a língua dos Sindar. Por essa razão ela era chamada de Noldorin em materiais mais antigos, como as Etimologias. Quando o Noldorin se tornou o Sindarin, também adotou algumas funções da língua Ilkorin, com a qual originalmente não tinha relação. Tolkien baseou a sonoridade e alguma parte da gramática do seu Noldorin/Sindarin no galês, e o Sindarin demonstra algumas das mutações consonantais que caracterizam as línguas céltas (especialmente britônicas). A língua também provavelmente foi influenciada até certo grau pelas línguas germânicas, já que Tolkien era um estudioso do inglês antigo, nórdico antigo e gótico.

Dentro da ficção, o Sindarin era escrito com o alfabeto Cirth antes do retorno dos Noldor à Terra-média, mas após isto era escrito em Tengwar.

No mundo real a língua é geralmente escrita com o alfabeto latino, representando a transcrição do "Tengwar original" ou "Cirth original". Alguns entusiastas tolkienianos escrevem em Cirth ou Tengwar, usando fontes especializadas, mas a maior parte das composições neo-Sindarin são escritas com o alfabeto latino.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

  Labial Dental Alveolar Palatal Velar Glottal
plain lateral
Plosive p  b   t  d     k3 ɡ  
Nasal m   n     ŋ 4  
Fricative f  v θ  ð1 s ɬ2   x5 h
Trill     6 r        
Approximant       l j ʍ7  w  
  1. escrito <th> e <dh> respectivamente
  2. escrito <lh>
  3. escrito <c>
  4. escrito <ng>
  5. escrito <ch>
  6. escrito <rh>
  7. escrito <wh>

Aletra /f/ é sempre pronúnciada como [v] no final de uma palavra.

Referências

  1. Tolkien, J.R.R. O Silmarillion, p. 159

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a obra de J. R. R. Tolkien é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.