Siouxsie Sioux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Siouxsie Sioux
Siouxsie Sioux ao vivo, 1980
Informação geral
Nome completo Siouxsie Sioux
Nascimento 27 de Maio de 1957 (57 anos)
Origem Londres
País  Inglaterra
Gênero(s) Pós-punk
New wave
Rock gótico
Rock alternativo
Rock Experimental
Art Rock
Instrumento(s) Voz, Guitarra, Piano, outros
Extensão vocal Contralto [1]
Período em atividade 1976 - atualmente
Gravadora(s) Polydor
Geffen
Afiliação(ões) Siouxsie and the Banshees
The Creatures
Página oficial Siouxsie.com
Siouxsieandthebanshees.co.uk

Susan Janet Ballion (Bromley, Londres, 27 de maio de 1957) mais conhecida como Siouxsie Sioux é uma cantora britânica, vocalista da banda pós-punk, Siouxsie and the Banshees, e de seu projeto paralelo formado com Budgie, a banda The Creatures. Considerada uma das mais importantes artistas de sua geração e um dos ícones do rock desde a década de 1970 até aos dias de hoje, influenciando vários artistas de sua época e posteriormente.

Antes da Fama[editar | editar código-fonte]

É a mais nova entre três irmãos e nasceu no Guy's Hospital no Sul de Londres. Estudou na Mottingham Secondary Modern School for Girls, em Kent. Sua mãe foi secretária bilingue e seu pai técnico de laboratório.

Quando Sioux tinha 14 anos, seu pai faleceu devido complicações com o alcoolismo. Aos 15 anos, sofreu de colite ulcerosa, experiência que ela mais tarde descreveu como "surreal", declarando que "isso desromantizou completamente o corpo para ela."

Enquanto crescia, Sioux percebeu viver em uma atmosfera sem regras. O seu pai, mesmo antes de falecer devido ao alcoolismo, esteve incapacitado, o que obrigava a mãe a trabalhar incessantemente. Até o jardim da casa deles ficou tão descuidado que levou a sebes e roseiras a crescerem desmesuradamente, ao ponto dos vizinhos reclamarem.

Durante a sua adolescência, ela começou a se aprofundar em músicas de gente como David Bowie, Lou Reed, T.Rex e The Stooges. Começou também frequentar os clubes e boates londrinas da época. Ela se tornou bastante conhecida no cenário punk de Londres devido ao seu jeito de se vestir chocante que incorporava camisetas com imagens sexuais e palavrões, correntes e acessórios sadomasoquistas, bem como um novo estilo de maquiagem com destaque ao uso de lápis delineador preto nos olhos, o que acabaria por se consagrar tanto na moda gótica quanto no estilo punk.

Além disso, ela trabalhou por um tempo como modelo vivo da vitrine da loja de Vivienne Westwood (famosa estilista punk).

Em meados da década de 1970, Siouxsie pertenceu ao Bromley Contingent, um grupo de jovens fãs do Sex Pistols. Também faziam parte deste contingente Billy Idol, Soo Catwoman, Jordan e o amigo também fundador do Siouxsie & The Banshees, Steven Severin.

A primeira aparição de Sioux foi com a sua futura banda, Siouxsie & The Banshees, numa apresentação no "Punk Rock Festival" realizado no 100 Club's - duas noites no mês de setembro de 1976 - organizado por Malcolm McLaren.

Uma das primeiras aparições públicas de Siouxsie foi com o Sex Pistols no programa televisivo de Bill Grundy, em dezembro de 1976 como integrante do Bromley Contingent. Durante a entrevista com os membros do Sex Pistols, ele tentou "cantar" Siouxsie. Foi em reação a esta troca de palavras que o guitarrista dos Sex Pistols, Steve Jones, soltou uma série de palavrões extremamente ofensivos a Grundy, deixando a mídia furiosa e que traria um maior impacto na carreira do Sex Pistols.

Siouxsie And The Banshees[editar | editar código-fonte]

Pouco tempo após a entrevista de Grundy, Siouxsie formou o Siouxsie and the Banshees com os amigos de Bromley Contigent, Steven Severin no baixo, Marco Pirroni na guitarra e, por um curto período, o futuro baixista do Sex Pistols, John Simon Ritchie, mais conhecido como Sid Vicious, na bateria. Vicious fora substituído por Kenny Morris. Pirroni sendo substituído por Peter Fenton que depois seria trocado por John Mckay.

A partir do primeiro álbum, The Scream, de 1978, até o rompimento da banda em 1996, Siouxsie & the Banshees foi uma das mais bem sucedidas bandas de pós-punk.

McKay e Morris deixaram a banda no meio de uma turnê. A separação envolveu um argumento que envolve uma sessão de autógrafos em Aberdeen, em uma extinta loja de discos chamada "The Other Record Shop". Como a turnê era com o The Cure, o sempre amável Robert Smith conseguiu tocar guitarra em ambas as bandas por um curto período.

Em 1981, ela e Budgie formaram a banda The Creatures que grava e faz shows esporadicamente até aos dias de hoje.

Pós Banshees e anos 2000[editar | editar código-fonte]

Sioux casou-se com Budgie em 1991. O ano seguinte, aparentemente "cheio de fãs que olhavam para o apartamento deles através das janelas", no oeste de Londres, os dois se mudaram para França. Atualmente, vivem numa convertida casa de fazenda em um vilarejo no sudoeste francês, onde têm "um jardim, gatos e montanhas de livros." Alguns anos depois, eles montaram o seu próprio selo musical, Sioux Records, e recentemente terminaram de construir um estúdio na casa deles.

Siouxsie gravou a faixa “Interlude” em 1994 com Morrissey, ex-vocalista dos Smiths e fez outras participações nos discos de Marc Almond. Relembrando os tempos em que era manequim-viva da loja de Vivienne Westwood, Siouxsie chegou até mesmo a participar em 1998 de um desfile de Jean-Paul Gaultier.

Em 1995, ela gravou a música "The Lighthouse" no álbum do produtor francês Hector Zazou, intitulado Chansons des mers froides (Songs from the Cold Seas). Siouxsie e Zazou adaptaram um excerto do poema "Flannan Isle" do poeta inglês Wilfred Wilson Gibson na letra. A canção inclui os encantamentos de uma shaman Nanai gravados na Sibéria e na performance musical teve as participações de Budgie e Mark Isham.

Em 2003, Siouxsie foi vocalista convidada pelo Basement Jaxx na música "Cish Cash".

Ganhou o Icon Award no Mojo Honours, em Londres, em junho de 2005.

Em meados de 2005, Siouxsie Sioux lançou um DVD solo intitulado "Dreamshow", com várias canções de quando ela dividia o tempo entre Siouxsie and the Banshees e The Creatures. Ela vestiu uma grande quantidade de intricados e belos trajes inspirados em roupas japonesas e foi acompanhada por uma orquestra bem como por Budgie e Leonard Eto, o colaborador do álbum Hai!, do The Creatures. O DVD também inclui as mais obscuras canções que não eram habitualmente tocadas ao vivo como os clássicos dos Banshees, "Obsession", "Shooting Sun", "The Rapture" e "Not Forgotten". O DVD também possui um bônus especial, com uma performance no 100 Club, onde o Siouxsie & The Banshees tocou em sua primeira apresentação.

Atualmente, Siouxsie canta a solo. O seu novo álbum Mantaray saiu em setembro de 2007.

Em outubro de 2014, ela concebeu com o colega Steven Severin Banshee um CD intitulado It's a Wonderful Life para a edição da revista Mojo, para fora em 30 de setembro com o que aparece na capa. O CD é uma seleção de trilhas sonoras de filmes e números de música clássica.[1] Na entrevista incluída em uma página 11 especial sobre sua discografia, ela revelou que ela planejou um follow-up para Mantaray para 2015.[2]

Discografia[editar | editar código-fonte]

A solo:[editar | editar código-fonte]

Álbun de estúdio[editar | editar código-fonte]

DVDs[editar | editar código-fonte]

  • Dreamshow (2005)
  • Finale (2009)

Com Siouxsie and the Banshees:[editar | editar código-fonte]

Com The Creatures:[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Siouxsie Sioux Lifts Lid On Banshees Power Struggle, Mojo, 25 September 2014, 1 October 2014
  2. Siouxsie and the Banshees interview, Mojo, November 2014 issued on September 30th

Ligações externas[editar | editar código-fonte]