Sirius Black

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Março de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.
Sirius Black
Sirius Black
Sirius Black.JPG
Dados pessoais
Sexo Masculino
Nascimento 1960
Cabelo Pretos, ondulados
Olhos Cinza
Sangue Puro
Família Black
Dados biográficos
Casa Blason Gryffondor.svg Gryffindor
Organizações as
quais pertence
Ordem da Fênix, Marotos
Na série
Primeira aparição
em livro
Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (citado em HP1)
Primeira aparição
em filme
Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban
Intérprete Gary Oldman e James Walters (jovem)
Personagem da série Harry Potter

Sirius Black é e sempre será o padrinho de Harry Potter. Ele, Tiago Potter, Remo Lupin e Pedro Pettigrew eram conhecidos como, respectivamente, Padfoot (Almofadinhas), Prongs (Pontas), Moony (Aluado) e Wormtail (Rabicho). Os quatro foram os responsáveis pela criação do Mapa do Maroto.

Origem do Nome[editar | editar código-fonte]

Como quase todos os membros de sua família, Sirius recebeu o nome de uma estrela. O nome Sirius Black é entrelaçado com sua forma de animago. Sirius é o nome da estrela mais brilhante do céu noturno, na constelação Canis Major, do latim, Cão Maior, e traduzindo do inglês para português, Black significa preto, negro. A forma animaga de Sirius era um grande cão preto.

Família e amigos[editar | editar código-fonte]

Sirius pertence a uma tradicional família de bruxos das trevas, conhecida como a família Black. Ele e sua prima Andrômeda Tonks foram os únicos Black viventes a não simpatizar com as ideias de Lord Voldemort.

Ao longo da história é contado que Régulo Black (seu irmão), era um seguidor de Voldemort e um dia desistiu, quis sair das trevas mas foi impedido e morreu; mas como é citado no sétimo livro, Monstro (o elfo dosméstico da família Black) conta toda a verdade sobre Régulo: ele foi buscar uma Horcrux de Voldemort para matá-lo, Régulo encontrou-a entregou-a a Monstro que fugiu, e Régulo foi assassinado pelos Inferi após beber uma poção que provoca uma tremenda sede e força a pessoa a beber a água do lago onde estão os Inferi, mas nunca admitiu que estava traindo Voldemort para proteger sua família, e ninguém soube a verdade, só o pobre elfo que presenciou a morte de seu dono.

Sirius era o melhor amigo de Tiago Potter e o principal causador de problemas no seu tempo em Hogwarts. Vivia revoltado com a família, que dava grande importância ao sangue puro que tinham. Ao contrario da família dele, ele caiu na Grifinória ao invés da Sonserina deixando a familia e os irmãos dele um tanto irritados. Fugiu de casa para morar com Tiago, tendo seu nome "queimado" na tapeçaria da família onde constam todos os membros, incluindo os laços feitos por casamentos. Os Malfoy constam no parentesco, por parte de sua prima Narcisa Black . Os Weasley também fazem parte dessa família, mas foram retirados da tapeçaria por serem "traidores do sangue".

Características[editar | editar código-fonte]

Sirius, em sua segunda aparição em Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (pois a primeira foi em Harry Potter e a Pedra Filosofal, onde ele é citado por Rúbeo Hagrid, que se refere a ele como "o jovem Sirius") se mostra uma pessoa amarga, pálida, cansada e cadavérica, devido a seus anos vividos em Azkaban. Ele consegue ser irônico e quase nunca sorri, a não ser somente por ironia ou amargamente. Mas, nesse mesmo livro, em uma foto do casamento de Lílian e Tiago Potter, onde ele aparece jovem e bonito, com os cachos caindo sobre os olhos negros com um charme sensual e displicente. Em O Cálice de Fogo, Black começa a comer ratos para sobreviver, e apesar das dificuldades, está mais amável. Talvez pelo prazer da liberdade que adquirira recentemente. No quinto livro, ele aparece infeliz por não sair da casa de seus pais, que ele tanto detestava. Sua morte é provocada por Bellatrix Lestrange. Segundo Harry, a única vez que o padrinho foi verdadeiramente feliz foi quando estava no grupo dos Marotos, formado por Black, Tiago Potter, Rabicho e Remo Lupin. Neste livro, Harry mergulha numa lembrança onde vê Sirius, Tiago, Remo e Pedro adolescentes. Segundo o garoto, o padrinho tinha um charme displicente e arrogante e, pela garota que o olhava esperançosa, podemos deduzir que também arrasava corações. Mas a lembrança foi, de certo modo, frustrante e decepcionante, já que Sirius aparece, juntamente com Tiago Potter humilhando Severo Snape.

Sirius Black invadiu Hogwarts e entrou pela torre da Grifinória. Sua faca era de mais ou menos 30 centímetros e com ela ele rasgou a cortina da cama de Ronald Weasley, melhor amigo da Harry Potter, a fim de capturar o traidor Rabicho. Sirius também deu, em A Ordem da Fênix, um canivete para abrir qualquer porta de presente ao afilhado, Harry. O canivete mais tarde seria útil ao menino, que o usou para adentrar a sala de Dolores Umbridge. Nesse mesmo ano - o 5º ano - ele, no Departamento de Mistérios, numa tentativa de abrir a porta trancada tentou, em vão, usar o canivete de Sirius para a abrir a porta. Acabou derretendo a ponta do canivete - uma das poucas recordações que guardara do padrinho. Sirius também presenteou seu afilhado com um espelho mágico, que permitia a seu possuidor conversar com quem possuísse o outro par. Este fora o último presente de Sirius para Harry.

Prisioneiro de Azkaban[editar | editar código-fonte]

Black foi acusado de ser partidário de Lord Voldemort, de ter entregado Lilian Potter e Tiago Potter a ele, e pela morte do amigo Peter Pettigrew ao explodir uma rua inteira, matando também 12 trouxas. Por essas acusações, foi condenado a passar o resto da vida em Azkaban, mas fugiu após doze anos de prisão, indo procurar por Pettigrew em Hogwarts para revelar toda a verdade a Harry. Sirius reconheceu Pettigrew quando o viu em forma de rato junto com os Weasley numa foto do O Profeta Diário. Por isso, decide fugir de Azkaban, conseguindo através de sua forma de Animago (um cão preto). Sua perda de peso por má nutrição e a falta de habilidade dos Dementadores de diferenciar emoções caninas de insanidade permitem que ele escape. Após, Black se escondeu em Hogsmeade. Sabendo que os dementadores estavam sobre Hogsmeade e Hogwarts, Sirius permaneceu na sua forma de animago. Sirius faz diversas tentativas que não deram certo de matar Pettigrew, até que sua presença foi descoberta pelos estudantes de Hogwarts e a segurança da escola foi dobrada. Harry não sabia quem era Black, tampouco que não fora ele quem entregara os Potter a Voldemort, e achava que o mesmo havia fugido para lhe matar. Harry também fica sabendo que Sirius era seu padrinho, o que aumenta ainda mais sua raiva por Sirius, e disse que iria matá-lo quando o encontrasse. Porém, no final do livro, acaba descobrindo que o traidor era Peter Pettigrew, até então dado como morto. Pettigrew cortara o próprio dedo para pensarem que Black tinha o matado (pois a única coisa que encontraram dele foi um dedo), depois assumiu sua forma animaga de rato, sendo adotado logo em seguida pelos Weasley e ganhando o nome de Perebas, o rato de Rony Weasley. Harry desconfiou ao ver a localização de Pettigrew no Mapa do Maroto, pois até então se sabia que o mesmo estava morto. Porém, não sabendo da forma animaga que Peter adotara, Harry acaba achando que o Mapa estava mentindo. Após Harry entregar o mapa ao professor Remo Lupin, este confirma que Peter estava mesmo vivo, pois sabia que o mapa nunca mente. No final, Sirius e Lupin revelam a verdade a Harry sobre Peter Pettigrew e querem matar Peter, porém Harry não permite que o matem, ao invés disso, mandando-o para Hogwarts para receber o beijo do dementador. Porém, Lupin naquela noite não havia tomado a sua poção e acaba se transformando em lobisomem, atacando Sirius, que fica ferido e os Dementadores tentam matá-lo sugando toda a sua alma. Durante a briga de Sirius e Lupin, Peter Pettigrew acaba voltando a forma de rato e consegue fugir. Sirius acaba não morrendo graças a Harry que conjurou um Patrono após usar o vira-tempo junto com Hermione. Usando o vira-tempo, Harry e Hermione também conseguem libertar Sirius, que estava preso numa torre de Hogwarts esperando o beijo do dementador, e então Sirius vai embora com Bicuço, que também havia sido condenado a morte, mas foi salvo por Harry e Hermione quando voltaram no tempo.

Cálice de Fogo[editar | editar código-fonte]

No filme, Harry mantém contato com Sirius através de cartas, alertando que vira a Marca Negra, conjurada por Bartô Crouch Jr., e que tinha visto esse mesmo homem nos pesadelos que tinha recentemente com Voldemort. Também conversa com ele na Sala Comunal da Grifinória, quando o rosto de Sirius aparece através do fogo na lareira. Harry fala a Sirius que seu nome foi posto no Cálice de Fogo e Sirius o alerta sobre o Torneio Tribruxo.

No livro, além de ver Sirius na Sala Comunal da Grifinória, Harry, junto com Rony e Hermione, encontram Sirius (na sua forma de animago) em Hogsmeade, onde Sirius conta a eles que o filho de Bartô Crouch foi condenado como um Comensal da Morte.

Ordem da Fênix[editar | editar código-fonte]

Por ser fugitivo de Azkaban, Sirius precisa viver escondido. Ele cede sua antiga casa para a Ordem da Fênix, localizada no Largo Grimmauld (trocadilho que poderia ser traduzido como "velho lugar sombrio"). Assim, ele volta ao lugar que sempre detestara e reencontra Monstro, o elfo doméstico da família Black, que odeia Sirius tanto quanto Sirius odeia ele. O elfo seguiu por muito tempo as instruções de um retrato em tamanho natural da mãe de Sirius (que grita pragas quando acordada), e é muito apegado a seus falecidos patrões. O retrato está preso na parede por uma espécie de feitiço auto-adesivo e ninguém consegue arrancá-lo de lá. Sirius estava preocupado com seu afilhado, Harry, e deu a ele um dos dois espelhos de dois sentidos que ele tinha. Ele usava o espelho para se comunicar com o pai de Harry, Tiago Potter, enquanto os dois ainda estudavam.

Sirius invade, junto com o parte dos integrantes da Ordem da Fênix, o Ministério da Magia, para ajudar Harry e a Armada de Dumbledore na batalha contra os Comensais da Morte. Lá, após duelar com Lúcio Malfoy, sua prima Belatriz Lestrange, uma das mais fiéis seguidoras de Voldemort, aparata de repente e o mata, na Sala do Véu. Sirius é atingido no peito por um feitiço estuporante. Caiu, atravessando um arco com um véu preto misterioso, o que fez com que Sirius falecesse, onde seu corpo desaparece. Harry tenta, em vão, usar o Espelho de dois sentidos que Sirius havia lhe dado para falar com o padrinho novamente. Tendo sua tentativa falhada, ele jogou o espelho no malão e, acidentalmente, o quebrou.

Enigma do Príncipe[editar | editar código-fonte]

É citado por Cornelius Fudge ao primeiro-ministro britânico. Fudge explica que ele foi morto dentro do Ministério da Magia e que na verdade era inocente.

Relíquias da Morte[editar | editar código-fonte]

Sirius Black, é visto em Harry Potter e as Relíquias da Morte, na Batalha de Hogwarts, quando Harry Potter, caminha para a morte, ele usa a Pedra da Ressureição, uma das Relíquias da Morte, e então Harry é acompanhado seus pais, Lupin e Sirius, onde ele consola Harry dizendo que morrer é mais rápido que adormecer.

Árvore Genalógica[editar | editar código-fonte]