Sistema Transcol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde junho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

O Sistema Transcol é o sistema metropolitano de transporte coletivo integrado de estrutura tronco-alimentadora que funciona dentro da Região Metropolitana de Vitória, no estado do Espírito Santo. O sistema teve seu início em 1989 e atualmente transporta mais de 17 milhões de passageiros mensais [1] nos cinco municípios de abrangência. A operação, exclusiva através de ônibus, é realizada por 12 empresas privadas e gerenciada pela Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória (Ceturb-GV). É suspeita de irregularidades e opeça há muito tempo sem modificação alguma de sua infraestrutura. É uma verdadeira piada para os cidadãos que dependem de transporte público e utilizam ônibus que em alguns horários mais parecem latas de sardinha. As empresas nada fazem para regularizar a situação, não botam mais ônibus nas ruas e o povo só se ferra.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Em 1984 foi criada a Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória – CETURB-GV, pela Lei Estadual n° 3.693/84, como uma empresa pública vinculada à Secretaria de Estado dos Transportes e Obras Públicas.

No período de 1986 a 1989 foram priorizadas ações técnicas para melhoria da qualidade e produtividade, ao mesmo tempo em que foram preservadas toda a história e memória do sistema anteriormente gerenciado pelo DETRAN do Espírito Santo.

Em 1989, com a construção do primeiro terminal urbano de integração de passageiros em Carapina, Serra, e com a aquisição, pelo governo estadual, do primeiro lote dos ônibus tipo Padron, de maior capacidade e conforto, iniciou-se a efetiva implantação do Sistema Transcol, com uma nova estrutura física, operacional e tarifária, adotando o modelo de operação tronco-alimentada, em substituição ao modelo radial concêntrico. Foi implantada a tarifa única integrada, em substituição a valores por linha.

Em 1994 a CETURB-GV implantou a tarifa com desconto, permitindo que os usuários que se deslocavam dentro de um mesmo município, integrando com mais de uma linha, pagassem apenas uma tarifa de valor reduzido.

Em 1996 o sistema passou por uma grave crise em que a frota total do sistema era de quase 700 ônibus apenas, visto que várias empresas tradicionais estavam passando por dificuldades, entre elas se destacaram a Viação Praiana,Viação Grande Vitória, Viação Santa Madalena, Viação Transpenha e a empresa pública CTC União, as duas últimas sendo adquiridas na época pelo Grupo Unimar, fato que colaborou para a criação da CPI do Transcol mais tarde. Das empresas citadas acima, a única que opera no sistema até hoje é a Viação Grande Vitória, que depois da crise alterou sua razão social e vendeu mais da metade de suas linhas.

Em 1996 as linhas alimentadoras receberam os primeiros lotes de veículos de 3 portas.

Em 1999 entrou em vigor a numeração padrão do sistema, a forma mais fácil de identificar os veículos de cada empresa. Na época de sua implantação, foi utilizado o critério da "ordem alfabética" para escolha das numeração, com exceção das empresas que ficaram com os números 15 ao 20, as quais foram invertidas:

11xxx - Brisamar (ex-Viação Litorânea)

12xxx - Flavia (Ex-Viação Atlantica/Viação Formate/Nova Formate)

13xxx - Granvitur (Viação Grande Vitória)

14xxx - Praia Sol (ex-Santa Zita - Vila Velha e Praia Sol)

15xxx - Satélite (Satélite e frota ex-Santa Madalena/Vibmar)

16xxx - Serrana

17xxx - Serramar (ex-Santa Zita - Serra)

18xxx - Serena (ex-CTC União)

19xxx - Viação Praiana (Extinta em 2001)/Viação Seletrans - Extinta em 2004

20xxx - Santa Zita

21xxx - Unimar (ex-Transpenha)

Em 2000 entrou em vigor as empresas:

22xxx= Metropolitana (Ex Santa Paula ) EXTINTA EM 2009.

23xxx= Santa Paula (Antiga Flávia Na fase Cariacica,E Antiga Floramar na Fase Serra)

24xxx= TCP (Transportadora Carga Pesada) -> Extinta em 2004.

25xxx= NETUNO (Ex Satélite ) Extinta em 2013 (Ainda roda com carros Ex satélite em Cariacica)

26xxx= FLORAMAR - Extinta em 2010 (Antiga Seletrans)

27xxx= Nova (Ex Santa Zita Cariacica ,Ex Metropolitana )

28xxx= Metropolitana (Antiga Metropolitana /Serena )

29xxx= Vereda (Divisão da Praia sol )

Em dezembro de 1999 foi apresentado o nova pintura do sistema, os laranja e amarelo fortes foram substituídos por tons de azul e amarelo mais leves, formando o que na época chamava se "sorriso" na lateral dos ônibus.

Em 2000 foram implantados os seguintes programas:

  • Programa Mão na Roda:, destinado a pessoas com mobilidade reduzida (usuários de cadeira de rodas), com a utilização de ônibus e vans adaptadas com elevadores hidráulicos;
  • Programa Olho Vivo: com a instalação de filmadoras no interior dos veículos, proporcionando maior segurança aos usuários e operadores, inibindo os constantes assaltos verificados;
  • Transporte complementar]: integrado ao Transcol, objetivando alcançar locais de difícil acesso ou de baixa demanda, com a utilização de microônibus;[2]

No mesmo ano, o sistema recebeu aqueles que para muitos, são os melhores ônibus que o Transcol já teve, eram 6 unidades do Marcopolo Viale Scania L-94UB de piso baixo dianteiro, veículos que operaram no sistema até 2006, na época de lançamento deles no Transcol operavam a linha 500 com 2 veículos e a 503 outros 2, e 2 eram reservas.Nos últimos dias de operação, eles operavam sem linha fixa, e somente nos horários de pico, quase sempre na 532-T.Vila Velha/T.Dom Bosco via 3ª ponte. Ainda em 2000 a porta traseira dos veículos com 3 portas começou a ser aberta para desembarque em qualquer ponto de ônibus.

Em 2001 teve alteração do tipo de "ficha" que era utilizado para intergração das linhas alimentadoras para troncais, passando a ser utilizado um tícktet semelhante aos do Metrô de São Paulo.Ainda em 2001 houve testes com um modelo de ônibus de 15 metros no sistema, em que passou por várias linhas e empresas, mas não foi aprovado. Em Novembro de 2001 entraram em operação os primeiros ônibus do Transcol com Ar Condicionado, os 20 veículos ficavam distribuídos em diversas linhas, conforme segue abaixo:

503 - T.LARANJEIRAS/T.VILA VELHA VIA RETA DA PENHA/LINDEMBERG = 2 veículos

504 - T.LARANJEIRAS/T.ITACIBÁ VIA RETA DA PENHA = 2 veículos

516 - T.CARAPINA / T.IBES VIA MARUÍPE / 2ª PONTE = 7 veículos

526 - T.CAMPO GRANDE / T.VILA VELHA VIA EXP.GARCIA/VASCO DA GAMA/T.IBES = 2 veículos

527 - T.CARAPINA / T.DOM BOSCO VIA RETA DA PENHA = 5 veículos

Frota reserva = 2 veículos

Em janeiro de 2002 entravam em operação duas novas empresas que eram a Metropolitana Ltda. e a Expresso Santa Paula, ambas pertencentes ao Grupo Unimar, absorveram a frota e as linhas das empresas Flavia e Brisamar, respectivamente. No mesmo ano entrava em operação as linhas municipais de Viana, operados pela Transportadora Carga Pesada (TCP),mas não durou muito tempo.

O ano de 2003 veio, e a expectativa era grande por conta da possibilidade de compra de novos ônibus com ar condicionado e piso baixo, que chegou a ser anunciada na época. Mas a realidade na renovação foi outra. Por um lado, foi bom, pois foi o início da utilização de veículos alongados em linhas alimentadoras, e pela compra de 6 novos ônibus articulados, a última compra de veículos deste tipo havia sido feita em 1991. E o lado ruim é que foi o fim dos veículos Padrons com câmbio automático, e para piorar ainda mais, os veículos de ar condicionado e piso baixo anunciados no início do ano não apareceram nunca mais por aqui. No ano também aconteceu a venda da empresa Viação Praiana, que foi divida ao meio ficando o Grupo mineiro das empresas Santa Zita, Serramar e Praia Sol com os veículos e linhas Troncais, e o Grupo Unimar com os veículos e linhas alimentadoras.

Em Janeiro de 2004 entrava em operação a Floramar Auto Homnibus, nova empresa do Grupo Unimar que absorveu os veículos e linhas da extinta Viação Praiana. 2004 também foi o ano em que não houve renovação no Transcol. Em Junho de 2005, mais de 19 meses após a última compra de novos ônibus, a Santa Zita Transportes Coletivos apresentou seus 10 novos ônibus padron para o sistema, já com novos itens que viriam a ser obrigatórios no futuro, como o indicador de linha na traseira e a "bandeira eletrônica". Porém em novembro do mesmo ano, entraram em operação aqueles que são os últimos veículos tipo Padron do sistema Transcol, os da Viação Praia Sol. A partir de novembro de 2005, o sistema passou a utilizar somente veículos convencionais e articulados, encerrando assim o que seria uma evolução (utilização de veículos com motorização traseira) e regredindo a década de 1980 quando o transporte brasileiro era dominado por estes caminhões que carregam pessoas.

Caída a obrigatoriedade da utilização de veículos padron no Transcol, em 2006 e 2007 houve uma grande renovação da frota do sistema, onde mais de 320 veículos foram comprados em menos de dois anos.

Em Fevereiro de 2008 entravam em operação os primeiros ônibus com Elevador para cadeirantes, sendo 3 deles da operadora Santa Zita e 12 da operadora Serena, porém, eles vieram ainda nas cores antigas do sistema, foram repintados como na imagem em maio de 2008. Em 8 de abril de 2008 foi apresetada a nova padronização visual do sistema Transcol, chamado até hoje de "novo transcol", no evento foram apresentados os 8 novos articulados da operadora Santa Paula, os primeiros do estado a vir com motorização traseira. 2008 foi o ano de maior compra de novos articulados, cada operadora teve que adquirir pelo menos 04 veículos. Em 2009 entrou em operação os veículos conhecidos como "articolados", pois são uma "gambiarra" onde um chassi com motorização dianteira é "colado" a um reboque e encarroçado.

Em Outubro de 2010 entraram em operação os novos ônibus projetados para operação em corredores exclusivos, são confirmados até 29 de novembro de 2010, a compra de 87 veículos convencionais com 5 portas e 8 articulados com 6 portas.

elas:

Dados Gerais do Transcol (setembro 2009)
Número de Empresas operadoras 13
Total de Linhas 274
Alimentadora 173
Circular 26
Diametral 1
Expressa 5
Seletiva 10
Radial 15
Troncal 44
Municípios atendidos 5
N° de viagens remuneradas/mês 326.051
Frota total 1.637
Frota operante 1.483
Terminais de Integração 10
Idade média da frota do Sistema 4,18
Demanda (n° de passageiros/mês) 15.750.012
Quilometragem remunerada/mês 9.131.944,35
Índice de Passageiros por km (IPK) 1,78

[2]

Dias Atuais[editar | editar código-fonte]

Hoje o sistema Transcol conta com 10 terminais de Integração, de onde é possível fazer conexões e se deslocar para qualquer parte dos cinco municípios da Grande Vitória que são atendidos pelo sistema, pagando somente o valor de uma passagem, ao custo de R$ 2,50.

Novas Linhas Integradas[editar | editar código-fonte]

Duas novas linhas de ônibus do sistema Transcol começou a circular na região Metropolitana do Espírito Santo no dia 22 de Julho de 2012. De acordo com a Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória (Ceturb-GV), as linhas 561, que passa pela avenida Beira-Mar, e 562, que passa pela Reta da Penha, vão circular aos domingos e terão veículos articulados, fazendo a fusão de sete linhas. Ainda segundo a Ceturb, as novas linhas vão ligar as extremidades da Grande Vitória, passando pelos terminais ao longo do percurso, e diminuindo o tempo de espera dos passageiros. Os veículos da linha 561 vão passar pelos terminais de Campo Grande, Jardim América, São Torquato, Carapina, Laranjeiras e Jacaraípe; enquanto os da linha 562 passarão pelos terminais de Campo Grande, Jardim América, São Torquato, Carapina e Laranjeiras. Itinerários

Estas duas novas linhas só irá operar aos Domingo

A linha 561 fará o eixo rodovia Norte Sul - avenida Dante Michelini - Beira Mar, que irá abranger a área das linhas 515 (Laranjeiras / T. Campo Grande), 523 (T. Jacaraípe / T. Jardim América), 572 (T. Laranjeiras / T. São Torquato), 570 (T. Jardim América/Shopping Vitória) e 574 (T. São Torquato/Shopping Vitória). Pouco tempo depois foi criada a linha 538 (T. Carapina/T. Jardim América/via T. São Torquato/Av Beira Mar), devido a superlotação da linha 561, já que essa linha atende as praias e shoppings de Vitória e Serra, destino mais procurado pelos capixabas nesse dia, e alem de muita gente trabalhar nos shoppings aos domingos e feriados.

A linha 562 passará pela avenida Fernando Ferrari, pela Reta da Penha e pela avenida Vitória, que fará o itinerário das linhas 509 (T. Carapina / T. Campo Grande), 527 (T. Carapina / T. Jardim América), 559 (T. Laranjeiras / T. São Torquato) e 742 (T. Campo Grande/T. São Torquato).As linhas 509,515,523,527,559 e 742 não operaram nos Domingos.

Terminais[editar | editar código-fonte]

Na Grande Vitória, há 10 terminais TRANSCOL, São eles: Jacaraípe (Serra), Carapina (Serra), Laranjeiras (Serra), Campo Grande (Cariacica), Jardim América (Cariacica), Itacibá (Cariacica), São Torquato (Vila Velha), Ibes (Vila Velha), Vila Velha (Vila Velha) e Itaparica (Vila Velha).

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]