Sistema de condução elétrica do coração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Sistema de condução elétrica do coração
ConductionsystemoftheheartwithoutHeart.svg
Sistema de condução isolado do coração
RLS 12blauLeg.png
Coração; sistema de condução
Latim systema conducens cordis

O sistema de condução elétrica intrínseco normal do coração permite que a propagação elétrica seja transmitida do nó sinusal, por ambos os átrios, até o nodo atrioventricular. A fisiologia normal permite posterior propagação, do nodo átrioventricular aos ventrículos e seus respectivos fascículos e subdivisões. O nó sinusal e o nodo atrioventricular estimulam o miocárdio. A estimulação do miocárdio ordenada permite a contração eficiente de todas as quatro câmaras do coração, permitindo assim perfusão seletiva do sangue através dos pulmões e pela circulação sistêmica.

Mecanismo eletroquímico[editar | editar código-fonte]

Os neurônios cardíacos que enervam o miocárdio compartilham similaridades com aqueles do músculo esquelético, e também importantes diferenças. Os neurônios cardíacos são os únicos sujeitos à influência dos sistemas simpático e parassimpático do sistema nervoso autônomo, diferentemente daqueles do músculo esquelético.

Como um neurônio, uma célula do miocárdio tem um potencial elétrico de membrana negativo quando em repouso. Estimulação além de um limite induz a abertura dos canais iônicos dependentes de voltagem, induzindo fluxo de cátions para dentro da célula. Esses ions positivamente carregados entrando na célula causam a característica despolarização de um potencial de ação. Após esta despolarização, ocorre uma breve repolarização com efluxo de potássio por rápidos canais de potássio. Como no músculo esquelético, a despolarização causa a abertura de canais de cálcio dependentes de voltagem - já com os canais de potássio fechados - e é seguida por uma liberação em cascata de Ca2+ dos túbulos T. Esse influxo de cálcio causa liberação de cálcio induzida por cálcio do retículo sarcoplasmático, e o Ca2+ livre causa contração muscular. Depois de um momento, canais de potássio de lenta ação reabrem-se e o fluxo de K+ resultante célula afora causa repolarização ao estado de repouso.[1]

Referências