Sixto Henrique de Bourbon-Parma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sixto Henrique
Duque de Aranjuez
Sixto (direita) e seu pai no casamento de seu irmão Carlos Hugo, em 1963
Rei da Espanha (reivindicação carlista)
Reinado 7 de maio de 1977 -
presente
Predecessor Xavier I
Nome completo
Sixto Henrique Hugo Francisco Xavier de Bourbon-Parma e Bourbon-Busset
Casa Bourbon-Parma
Pai Xavier, Duque de Parma
Mãe Madeleine de Bourbon-Busset
Nascimento 22 de Julho de 1940
Pau, França
Religião Catolicismo
Brasão
Família ducal parmesã
Casa de Bourbon-Parma
Coat of arms of the House of Bourbon-Parma.svg

SAR o Duque
SAR a Duquesa

  • SAR a Princesa Luisa
  • SAR a Princesa Cecilia

SAR a Condessa de Colorno
SAR o Conde de Bardi
SAR a Condessa de Bardi

  • SAR a Princesa Zita

SAR a Marquesa de Sala

Sixto Hnrique de Bourbon-Parma e Bourbon-Busset (Pau, 22 de julho de 1940) é um político espanhol, o líder auto-proclamado grupo Comunhão Tradicionalista e onde, para os seus seguidores, ele é o legitimo rei da Espanha como descendente mais próximo de Filipe V. Embora esse movimento tenha sido integrada no Comunhão Tradicionalista Carlista (CTC), em 1986, e o o próprio príncipe ter negado repetidamente não estar interessado em o recuperar, os sixtinos (seus apoiadores), protagonizam o carlismo de orientação tradicionalista, de acordo com eles o seu chefe e é Duque de Aranjuez, Infante de Espanha, o príncipe de Parma e Piacenza.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Sixto nasceu em Pau, França, sendo o segundo filho do Xavier de Bourbon-Parma (então príncipe-regente, mais tarde pretendente ao trono de Espanha e Duque de Parma) e sua esposa Madeleine de Bourbon-Busset.

Desde cedo Sixto dedicou-se à causa de carlismo. Mais tarde, ele fez cursos de direito, línguas clássicas e modernas, e finanças.

Sob o nome de guerra de Enrique Aranjuez alistou-se na Legião Espanhola em 1965. Em 02 de maio daquele ano, ele jurou lealdade à bandeira espanhola com o juramento então em uso, o que excluía compromisso político (em oposição ao que mais tarde, juraram fidelidade à Constituição espanhola de 1978). Sixto depois ofereceu com as Forças Armadas Portuguesas na Guerra de Independência de Angola.[1]

Reivindicação carlista[editar | editar código-fonte]

O pai de Sixto, príncipe Xavier de Bourbon-Parma , foi o líder do Conselho Nacional da Comunhão Tradicionalista, a maior facção de espanhóis carlistas, e, assim, alegou ser o legítimo monarca da Espanha (como Xavier I), de 1952 até sua abdicação em 1972, o sucessor de Xavier era o seu filho mais velho, Carlos Hugo, Duque de Parma, que assumiu o título de Carlos Hugo I.

No entanto, os desvios de Carlos Hugo da ideologia carlista tradicional - mais notavelmente o seu aval de titoísmo socialista - fez muitos carlistas questionarem sua liderança. Após a morte de Xavier em 1977, Sixto apresenta a alegação de ser regente, e levou o título de porta-estandarte da Tradição. A reivindicação Sixto foi apoiada por sua mãe.[2] Os últimos desejos de seu pai eram difíceis de discernir.[3] Sixto protestou publicamente quando Carlos Hugo doou os arquivos carlistas para o governo da Espanha em 2002.

Carlos Hugo renunciou ao seu direito ao trono em 1979 ou 1980, mas reafirmou que em 2003.[4] Após a sua morte em 2010, seu filho Carlos Xavier, duque de Parma sucedeu-lhe aos olhos dos carlistas leais a Carlos Hugo (o Partido Carlista), e afirmou a reivindicação como Carlos Javier II.

No entanto, duas outras organizações carlistas (a Comunión Tradicionalista e a Comunión Tradicionalista Carlista) reconheceram Sixto como o legítimo regente. Alguns deles reconhecê-lo como rei, sob o título Sixto Henrique I. Sixto nunca afirmou explicitamente o seu direito ao trono; em vez disso, ele afirmou que ele preferiria permanecer regente na esperança de que um dos filhos de Carlos Hugo podesse retornar à ideologia carlista tradicional. No entanto, ele não se opôs a seus seguidores gritavam ¡Viva el Rey! durante seus discursos.[5]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Sixto esteve presente na ordenação episcopal de quatro bispos que pertencem à Fraternidade Sacerdotal de São Pio X pelo arcebispo Marcel Lefebvre, em 30 de junho de 1988 em Écône, na Suíça, e foi o primeiro a parabenizá-lo publicamente.

Sixto tem viajado muito na América Latina, tanto de língua espanhola e língua portuguesa. Em janeiro de 2001, enquanto viaja através da Argentina, ele sofreu um grave acidente de trânsito, do qual ainda está se recuperando. Ele tem dificuldades como resultado deste acidente. Como resultado disso, suas aparições públicas foram limitadas.

Na eleição presidencial francesa, Sixto endossou a candidatura de Jean-Marie Le Pen, o candidato da Frente Nacional.

Em 2010, Sixto começou a procurar uma ordem judicial para impedir a exposição continuada de obras de arte pelo artista japonês Takashi Murakami no Palácio de Versalhes . Ele já declarou publicamente que "desnatura" cultura francesa.[6]

Sixto é um conselheiro municipal da Grande Cruz de Honra e Devoção da Ordem Soberana e Militar de Malta.[7]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Sixto Henrique de Bourbon-Parma
Casa de Bourbon-Parma
22 de julho de 1940
Precedido por:
Xavier
Coat of Arms used by the supporters of the Carlist Claimants to the Spanish Throne (adopted c.1942).svg

Rei da Espanha

(Reivindicação carlista)

1977 - presente
(Disputado com Carlos Hugo de 1977 a 2010 e com Carlos Xavier desde 2010)
Sucedido por:
Precedido por:
Jaime, Conde de Bardi
Grand Royal Coat of Arms of France & Navarre.svg

Linha de sucessão ao trono francês

42ª posição
Sucedido por:
João de Luxemburgo