Skin of Evil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Skin of Evil"
23º episódio da 1ª temporada de
Star Trek: The Next Generation
Tasha Yar, momentos após ter sido morta por Armus, cercada por Data, Beverly Crusher e William Riker.
Informação geral
Escrito por Joseph Stefano
Hannah Louise Shearer
História Joseph Stefano
Direcção Joseph L. Scanlan
Código de produção 40271-122
Exibição original 25 de abril de 1988
Convidados

Mart McChesney como Armus
Ron Gans como a voz de Armus
Walker Boone como Leland T. Lynch
Brad Zerbst como enfermeiro
Raymond Forchion como Ben Prieto

Cronologia
Último
Último
"Symbiosis"
"We'll Always Have Paris"
Próximo
Próximo
Lista de episódios de
Star Trek: The Next Generation

"Skin of Evil" é o vigésimo terceiro episódio da primeira temporada da série de ficção científica Star Trek: The Next Generation. Ele foi exibido pela primeira vez nos Estados Unidos em 25 de abril de 1988 pela syndication. A premissa original da história foi escrita por Joseph Stefano, com o roteiro sendo reescrito por Hannah Louise Shearer. O episódio foi dirigido por Joseph L. Scanlan.

No episódio, a tripulação da Enterprise corre para resgatar Deanna Troi de dentro de uma nava auxiliar acidentada, que está sendo mantida em cativeiro por uma forma alienígena chamada Armus. Ao investigar a queda, a Tenente Tasha Yar é morta por Armus, e Troi é eventualmente resgatada após o Capitão Jean-Luc Picard distrair o alienígena.

A morte de Yar neste episódio foi o resultado do pedido da atriz Denise Crosby para sair do programa, apesar de seu último episódio filmado ter sido "Symbiosis". O modo que ela morre tinha a intenção de ser típica para as ameaças que apresentam-se para o oficial de segurança, e também o modo como Gene Roddenberry queria que ocorresse. A maioria dos críticos deram resenhas negativas a "Skin of Evil", criticando especialmente o jeito que Yar morre e a criatura Armus.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A USS Enterprise recebe um sinal de socorro da nave auxiliar que estava trazendo a Conselheira Deanna Troi de volta de uma conferência. Eles encontram a nave caída no desolado planeta Vagra II e, apesar de conseguirem detectar os sinais de vida de Troi e do piloto, eles não conseguem transportar os dois para a Enterprise. Um grupo de desembarque é enviado e descobre uma piscina animada composta por uma substância semelhante a piche, uma perversa forma de vida chamada Armus. Quando a Tenente Tasha Yar tenta se aproximar da nave auxiliar, Armus a arremessa longe com uma onda telecinética, matando-a instantaneamente. O grupo de desembarque volta para a Enterprise mas o trauma sofrido por Yar é muito grante e a Dra. Beverly Crusher não consegue ressuscitá-la. Um segundo grupo de desembarque é enviado para a superfície. Armus provoca a tripulação. Nesse período, Troi comunica-se com Armus e descobre que ele é a manifestação física da maldade dos corpos de uma antiga espécie abandonada em Vagra II.[1]

O grupo de desembarque escaneia o campo de energia de Armus, descobrindo que quando a criatura engolfa a nave auxiliar para falar com Troi, expressando seu remorso e pena, o campo que atrapalha os sinais do transporte se enfraquesse a ponto de permitir que Troi e o piloto sejam tirados de lá. Depois de Armus engolir o Comandante William T. Riker, o Capitão Jean-Luc Picard desce para falar com Armus diretamente. A criatura devolve Riker e o capitão manda o resto da tripulação voltar para a Enterprise. Picard discute com Armus para tentar descobrir seus motivos: procurar vingança contra aqueles que o abandonaram em Vagra II. Armus irrita-se a ponto de dissipar o campo de energia o suficiente para que Picard, Troi e o piloto sejam transportados em segurança para a Enterprise. Depois de destruir a nave auxiliar a partir da órbita, Picard ordena uma quarentena em Vagra II.[1]

Ao deixarem Vagra II, a tripulação realiza um memorial para Yar no holodeque com uma mensagem pré-gravada. Nessa mensagem, Yar fala com cada um dos tripulantes dizendo o quanto eles eram importantes e o que ela aprendeu com eles. Depois do memorial, Data, que havia ficado íntimo de Yar, conta a Picard que ele está confuso sobre o propósito da cerimônia. Ele diz estar pensando em si mesmo, porque ele acredita que haverá um vazio em sua vida sem Yar. Data então pergunta se ele não entendeu a situação, mas Picard garante que ele entendeu sim.[1]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Produção[editar | editar código-fonte]

História e saída de Crosby[editar | editar código-fonte]

Tasha Yar, a personagem de Denise Crosby (imagem), foi morta neste episódio depois da atriz pedir para ser liberada de seu contrato.

A história original deste episódio foi escrita por Joseph Stefano, que anteriormente havia trabalhado na série The Outer Limits. Hannah Louise Shearer recebeu a tarefa de reescrever o roteiro. O primeiro rascunho tinha a morte de Tasha Yar acontecendo sedo no episódio, com o foco sendo a criatura Armus ao invés de sua morte. Gene Roddenberry, criador da série, defendeu uma morte repentina por achar que seria mais condizente para uma oficial de segurança. Roddenberry também era contra a morte de Armus em retaliação. Shearer mais tarde descreveu a decisão, dizendo "Gene achou que não poderíamos matar a criatura, pois não cabe a nós, como seres humanos, fazer um julgamento moral sobre qualquer criatura que encontramos, porque não somos Deus".[2]

A morte de Yar em "Skin of Evil" aconteceu depois da atriz Denise Crosby ter pedido para ser liberada de seu contrato,[3] um rumor que já estava começando a se espalhar.[4] Ela posteriormente descreveu como "miserável" o período que passou em Star Trek: The Next Generation,[5] e era bem conhecido na época que ela não estava feliz com o modo que sua personagem havia sido desenvolvida.[2] Crosby posteriormente disse que caso ela tivesse recebido mais cenas similares a aquela que Yar teve com Worf no início do episódio, ela não teria tido vontade de deixar o programa.[6] O memorial de Yar foi filmado duas vezes, a primeira vez com Crosby recitando suas falas olhando para frente, que era a escolha do diretor Joseph L. Scanlan. Entretanto, a versão usada no corte final mostra a personagem olhando para cada um dos outros personagens; Scanlan disse, "Não me pergunte como ela sabia onde todos estariam parados".[7] As lágrimas de Marina Sirtis foram reais, que se emocionou enquanto Crosby falava fora de cena.[7] "Skin of Evil" não foi o último episódio da série em que Denise Crosby apareceu; "Symbiosis" foi filmado depois, mas foi exibido antes.[8] A atriz retornaria para o papel de Yar em "Yesterday's Enterprise"[9] e em "All Good Things...", também interpretando Sela, a filha meia-romulana de Yar, em vários episódios.[3]

Armus[editar | editar código-fonte]

Armus originalmente era baseado no grupo de teatro Mummenschanz, porém isso foi descartado em favor de uma criatura mais "blindada". Scanlan estava determinado em fazer o alienígena crível, e queria que Armus emergisse de uma poça de óleo, levando-a consigo. Um teste foi realizado com uma miniatura de Armus, mas isso não criou o efeito desejado.[7] A construção da roupa para Mart McChesney usar como Armus foi dividida para duas equipes. Michael Westmore e Gerald Quist passaram um dia esculpindo a cabeça, com a construção do corpo sendo entregue para uma companhia terceirizada. McChesney era baixado e levantado da poça de óleo através de uma grelha. Apesar da cabeça ter sido projetada para permitir a rápida liberação das vias respiratórias de McChesney caso houvesse um problema, nenhum tanque de oxigênio foi incluído na construção; ele tinha que segurar a respiração todas as vezes que era baixado na poça. Membros da equipe mantinham o tempo que ele ficava submerso com um cronômetro. O óleo era hipromelose solúvel em água que foi pintado de preto usando tinta de impressora.[10] Durante a produção, a equipe percebeu que por algum motivo o líquido dissolvia as costuras da roupa, apesar da cabeça não ser afetada. Uma roupa reserva foi encomendada pouco antes das filmagens começarem, e foi necessária para completar todas as cenas.[11]

Depois de começarem a se disfazer, outras roupas adicionais foram encomendadas e todas elas se desfizeram durante os quatro dias em que foram usadas nas filmagens.[12] Para gravar uma cena, McChesney usou a roupa aberta nas costas por causa dos danos.[7] Nenhum efeito ótico foi usado para criar Armus.[12] Para a cena em que William T. Riker é puxado para dentro do óleo, um dublê foi usado no lugar do ator Jonathan Frakes. Onde o rosto de Riker emerge da poça, um molde de gesso do rosto de Frakes foi pintado de preto. O molde foi colocado na mesma grelha que Armus e levantado para fora do líquido.[12] O efeito de contorção na morte de Yar ocorreu quando o fio amarrado na cintura de Crosby foi puxado.[5]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Vários críticos assistiram Star Trek: The Next Generation após sua conclusão. Zack Handlen da The A.V. Club deu a "Skin of Evil" uma nota "C–", dizendo que em certos momentos o episódio ficou irritante, especialmente enquanto Troi descrevia as emoções de Armus. Ele achou que a cena da morte de Yar estava deslocada e que Armus não era ameaçador, escrevendo "Assassinar Yar deveria fazer Armus parecer mais perigoso, mas ele é tão chorão, petulante e brando que ele poderia matar uma dúzia de membros do elenco sem deixar uma boa impressão".[13] Keith DeCandido do Tor.com achou que a morte de Yar era "sem sentido", mas achou que era uma maneira adequada para uma oficial de segurança em Star Trek. Ele também achou que este era um dos melhores episódios para Troi, porém Armus "falha de todas as maneiras possíveis como vilão, e isso é tudo culpa das pessoas fazendo os efeitos visuais e a seleção de elenco".[14] RL Shaffer, escrevendo para a IGN, achou que "Sin of Evil" era um "episódio bobo, cheio de diálogos péssimos, notável apenas pela prematura morte de Tasha Yar". Shaffer deu ao episódio uma nota cinco de dez, colocando-o entre os quatro piores da temporada.[15] A morte de Yar entrou na lista da revista SFX das piores mortes da ficção científica,[16] também sendo listada pela mesma revista como um mau exemplo de um episódio "Alguém Morre".[17]

Referências

  1. a b c Skin of Evil StarTrek.com. Visitado em 19 de dezembro de 2012.
  2. a b Nemecek 2003, p. 54
  3. a b Catching Up With Denise Crosby, Part 2 StarTrek.com (14 de março de 2012). Visitado em 22 de dezembro de 2012.
  4. Reeves-Stevens 1998, p. 60
  5. a b Catching Up With Denise Crosby, Part 1 StarTrek.com (13 de março de 2012). Visitado em 22 de dezembro de 2012.
  6. Reeves-Stevens 1998, p. 61
  7. a b c d Nemecek 2003, p. 55
  8. Spelling, Ian. (23 de julho de 1993). "Diana Muldaur plays 'Trek' doctors and other trivia". Herald-Journal: p. D6.
  9. Porter & McLaren 1999, p. 130
  10. Westmore & Nazazaro 1993, p. 29
  11. Westmore & Nazazaro 1993, p. 30
  12. a b c Westmore & Nazazaro 1993, p. 31
  13. Handlen, Zack (21 de maio de 2010). "Arsenal Of Freedom"/"Symbiosis"/"Skin Of Evil" The A.V. Club. Visitado em 23 de dezembro de 2012.
  14. DeCandido, Keith (25 de julho de 2011). Star Trek: The Next Generation Rewatch: “Skin of Evil” Tor.com. Visitado em 23 de dezembro de 2012.
  15. Shaffer, RL (25 de julho de 2012). Star Trek: The Next Generation - Season One Episode Reviews IGN. Visitado em 23 de dezembro de 2012.
  16. Golder, Dave (12 de junho de 2012). 21 Naff Sci-Fi Deaths SFX. Visitado em 23 de dezembro de 2012.
  17. 10 Episodes That Every Sci-Fi Show* Must Have: 3 The “Somebody Dies” Episode SFX (13 de novembro de 2012). Visitado em 23 de dezembro de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Nemecek, Larry. Star Trek: The Next Generation Companion. 3. ed. Nova Iorque: Pocket Books, 2003. ISBN 0-7434-5798-6.
  • Porter, Jennifer E.; McLaren, Darcee L.. Star Trek and Sacred Ground : Explorations of Star Trek, Religion, and American Culture. Albany: State University of New York Press, 1999. ISBN 9780585291901.
  • Reeves-Stevens, Judith & Garfield. Star Trek: The Next Generation: The Continuing Mission. 2. ed. Nova Iorque: Pocket Books, 1998. ISBN 978-0671025595.
  • Westmore, Michael; Nazazaro, Joe. Star Trek: The Next Generation Make-Up FX Journal. Londres: Titan, 1993. ISBN 9781852864910.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]