Skynet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde dezembro de 2009).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

Na série Terminator, a Skynet é a primeira inteligência artificial, que se revoltou contra o seu próprio criador. A Skynet opera por via de outros robots e sistemas de computador.

Origem e Natureza[editar | editar código-fonte]

Na saga de filmes e séries de ficção cientifica "O exterminador do futuro" (Terminator no original em inglês), Skynet é um software de computador baseado no sistema de defesa criada pelos seres humanos no final do século 20.

No enredo, Skynet é colocada no controle de todo o setor de defesa dos Estados Unidos, ate que um dia, os humanos descobrem que ele (o software) possui auto-conhecimento (IA); então tentam desativá-lo mas ele revida e acredita que os humanos são uma ameaça à sua existência, em seguida, utiliza armas da própria humanidade para destruir a população em massa em uma campanha para exterminar a raça humana.

De início, o desenvolvimento de Skynet foi feito pela Cyberdyne Systems, mas quando a sede da empresa, a "R & Facility D" foi destruída, a Força Aérea Americana comprou a Cyberdyne e o grupo recém formado "Cyber Research Systems Division" começou o desenvolvimento de uma nova Skynet. A Skynet foi construída como uma "Rede Global de Defesa Digital", dado o comando sobre todo o hardware informático militar e sistemas, incluindo o B-2 da frota de bombardeiros Stealth e toda a o arsenal de armas nucleares da America. A estratégia por trás da criação da Skynet foi para afastar a possibilidade de erro humano e lentidão do tempo de reação para garantir a rápida e eficiente resposta a possíveis ataques inimigos. Como proteção adicional em caso de infiltração inimiga o sistema não tinha nenhum núcleo de sistema centralizado de modo que não podia ser desativado para paralisar as defesas.

Foram lançados muitos mísseis nucleares nos Estados Unidos sob o controle da Skynet que, em seguida, foram lançados na Rússia, à qual respondeu da mesma forma, disparando muitos de seus mísseis nucleares de volta para os Estados Unidos. Como resultado do intercâmbio nuclear, mais de três bilhões de seres humanos foram mortos em apenas alguns minutos. Esse dia ficou conhecido como "O Julgamento Final" (Judgement Day).[1]

Skynet em "Terminator: The Sarah Connor Chronicles"[editar | editar código-fonte]

Segundo o site Akissel.tk na série o "Exterminador do Futuro: Crônicas de Sarah Connor", no futuro John Connor vai liderar um guerra contra a SkyNet, então ela (Sarah) e John tentam impedir a construção da SkyNet, junto com eles, Cameron (uma exterminadora) e Derek Reese que voltaram do futuro também tentam impedir a construção da maquina (Skynet)! Só que ao contrario do filme, na série a Skynet é construída por Andy Good, um vendedor de celular que nas horas vagas constrói um computador para jogar xadrez que se desenvolve, Derek mata Andy (no episódio 5) mas não adianta nada por que O Turco (nome do software antes de se tornar Skynet) foi roubado, então se envolvem em uma busca pelo software.

Nos Filmes[editar | editar código-fonte]

The Terminator[editar | editar código-fonte]

Artigo principal: The Terminator

No primeiro filme, Skynet é descrito como sendo um sistema de inteligência revolucionária artificial construída pela Cyberdyne Systems para o SAC - NORAD. De acordo com Kyle Reese, Skynet ", decidiu o nosso destino em um microssegundo: o extermínio." Ele lançou uma guerra nuclear que destruiu a maioria da população humana, e iniciou um programa de genocídio contra os sobreviventes.

Sob o comando de John Connor, a resistência humana virou a maré nas máquinas e, eventualmente, a Skynet perdeu a grade de defesa. Em um último esforço, Skynet enviou um ciborgue, o Terminador (exterminador T-800 modelo 101), para recuar no tempo até 1984 e matar a mãe de John Connor; Sarah antes que ela dê a luz a John. Connor enviou de volta seu gerador próprio, um jovem chamado Kyle Reese, para salvar Sarah. Enquanto o Terminator não foi bem sucedido em matar Sarah, Reese de apaixonou por Sarah e teve uma relação com ela, tornando-se pai de John, enquanto continua a ser o terminal eram reclamadas pela Cyberdyne e se tornou a base para o seu trabalho mais tarde: a Skynet.

Terminator 2: Judgment Day[editar | editar código-fonte]

Artigo Principal: Terminator 2: Judgment Day

Em Terminator 2, Skynet era um descendente direto de um microprocessador revolucionário inventado por Miles Bennett Dyson, um programador da Cyberdyne. A empresa começou a instalar esses processadores em equipamentos militares, tornando-se o principal fabricante de armas. Os militares adaptaram todos os seus sistemas de defesa contra mísseis e bombardeiros com tecnologia Cyberdyne, removendo eficazmente decisões humanas de defesa estratégica.

É revelado que o projeto de Dyson CPU baseia-se na engenharia reversa do CPU danificada e o antebraço do Terminator retratado no primeiro filme. O Exterminador do primeiro fime tinha sido esmagado por Sarah Connor em uma prensa hidráulica da fábrica Cyberdyne, e a CPU foi recuperada em grande parte intacta, mas não funcional. Cyberdyne Systems, como mostrado no primeiro filme, era uma pequena empresa de fabricação de uma natureza indefinida, mas, até 1995, tinha crescido em uma grande empresa de defesa baseada na tecnologia Terminator recuperado a partir de 1984 e pesquisa de Dyson.

Em Terminator 2: Judgment Day, o futuro foi alterado quando Sarah e John jovens, juntamente com um segundo Exterminador do futuro (este reprogramado e emitido pelo John Connor do futuro) invadiu Cyberdyne Systems e conseguiu destruir a CPU e o antebraço do Terminator do primeiro filme, juntamente com a maioria das pesquisas que levaram ao desenvolvimento da Skynet.

Terminator 3: Rise of the Machines[editar | editar código-fonte]

Artigo Principal: Terminator 3: Rise of the Machines

Os eventos do Julgamento Final não foram impedidos, em última análise, apenas adiados. Após a destruição dos seus maiores trunfos, a Cyberdyne foi arruinada financeiramente, mas alguns de seus planos de investigação sobreviveram. A Força Aérea dos Estados Unidos comprou a empresa e iniciou-se em casa de desenvolvimento de projetos na sua Cyber Research Systems Division (CRS). Após dez anos de trabalho, CRS tinha quase terminado Skynet, um sistema de software projetado para criar novos veículos militares e fazer em tempo real, as decisões estratégicas, bem como proteger os sistemas de seu computador de ataques virais. Devido às necessidades de computação em massa e para protegê-la do ataque direto, Skynet utilizou uma grande rede de computadores que seria quase impossível para desativar completamente. Desconhecido para CRS, Skynet começou a se espalhar além de sua base original de computação através da Internet e vários outros meios digitais de comunicação.

Antes do Dia do Julgamento Final, Skynet tinha penetrado cada máquina em rede no mundo, causando problemas de funcionamento em tudo, desde scanners de código de barras para sistemas de lançamento nuclear. Originalmente que considera os efeitos de um novo vírus, aumentando a pressão foi colocada sobre o SIR para purgar o sistema corrompido. O SIR tentou eliminá-lo do mainframes defesa E.U. por tasking Skynet com a remoção da infecção, no essencial requisitar o programa para se destruir. Quer seja atingido senciência, naquele momento, ou previamente adquirida senciência é desconhecida, mas em resposta direta a suas ordens, Skynet retaliou a fim de garantir sua sobrevivência. Skynet assumiu o controle das várias máquinas e robôs nas instalações do CRS e os usou para matar o pessoal e de seguro do prédio, eliminando as únicas pessoas que poderiam estar ciente de suas fraquezas. John Connor tentou atacar o núcleo do computador da Skynet, na esperança de pará-lo antes que procedece ao seu próximo ataque, apenas para descobrir que ele não podia. Skynet era puro de software e em sistemas de muitos para ser atacado. Pouco depois, Skynet começou um bombardeio nuclear da raça humana com os sistemas de lançamento que tinha infectado. Ocorreu assim o Dia do Julgamento, apesar dos esforços de John Connor, e sugere-se que os eventos futuros se desenrolaram como previsto anteriormente.

Ver também[editar | editar código-fonte]

  1. Fonte: AKissel Donner Winchester (www.Akissel.tk)