Sneakerhead

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde abril de 2011)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.

Sneakerhead é o termo designativo aos adeptos da cultura urbana Sneaker (do inglês, tênis). São pessoas, em sua maioria do sexo masculino e jovens que tem admiração por tênis. Alguns são colecionadores, outros artistas que personalizam os tênis. Uma vez que existem tênis de pouca tiragem, a grande maioria dos sneakerheads são aficcionados por tais modelos semi-exclusivos. Nascida nos Estados Unidos da América, a cultura Sneaker alcançou a Europa na década de 1980. Tem-se conhecimento de que os primeiros sneakerheads do Brasil começaram em meados da década de 1990, sendo tal cultura ainda pouco expressiva no país.

Os tênis usados por sneakerheads foram primariamente criados para atender às necessidades de atletas de esportes específicos, como tênis e basquete, mas que acabaram sendo incorporados no vestuário do cotidiano.

Algumas grandes marcas, como Nike e Adidas, desde a década de 1980 deram início a lançamentos de produtos exclusivos ou em edições limitadas, estimulando consumidores a adquirir calçados raros. Existem lojas especializadas que comercializam as edições de lançamento das marcas famosas. Entre elas estão Adidas e Nike como as preferidas e mais requisitadas entre os colecionadores. Destacam-se os pares de tênis confeccionados com materiais exóticos ou caros.

Os modelos raros, exclusivos ou com histórias curiosas são comprados por fãs de calçados a custos nada atrativos ao mercado brasileiro, fato este que justifica a existência de poucos sneakerheads no Brasil. Assim, a customização ou personalização dos tênis através de pinturas, laços em cadarços, tem força especialmente forte no país.

História[editar | editar código-fonte]

O nascimento da cultura Sneaker ocorreu por volta do fim da década de 1980 e pode ser atribuído a duas principais fontes, o basquete e a música hip hop. A explosão, nos Estados Unidos da América, de tênis especialmente projetados para o basquete no final da década de 1980 proporcionou uma completa variedade de tênis necessária ao início dessa subcultura, enquanto que o movimento hip hop deu símbolos de status e valor aos sneakerheads nas ruas.

Origem do termo[editar | editar código-fonte]

Sneaker é uma palavra de origem inglesa que significa “tênis”. O criador desta palavra foi o americano Henry Nelson McKinney, um publicitário da N.W. Ayer and Son. Ela deriva do verbo sneak que significa “enfiar-se, escapar, esquivar-se, alcaguetar, entregar, dedurar, roubar, carregar".

Outra tradução para sneak seria “esquivar-se” ou “escapar”. Esta nomenclatura é compatível com a cultura snekaer pois, graças à sola feita de borracha dos tênis, as pessoas podiam andar, esquivar e escapar sem fazer barulho. O tênis deu essa característica ao andar e, assim, o nome foi associado à função: sneaker.

O primeiro calçado feito com sola de borracha chamado de “plimsoll” foi feito no final do século XIX nos Estados Unidos. Charles Goodyear (dono da Goodyear Metallic Rubber Shoe Company) descobriu e patenteou o processo de vulcanização, que consiste em adicionar calor à borracha e fazê-la derreter se unindo com tecidos ou outros pedaços de borracha. O resultado faz com que as partes se grudem de uma maneira uniforme e muito forte.

"My Adidas"[editar | editar código-fonte]

Na década de 1980 a Adidas era pouco conhecida nos EUA por ser uma empresa alemã. Devido ao estilo da borracha na parte frontal do Adidas Superstar, o par ficou conhecido como "Shell Toes" (Dedões de Concha) ou "Shell Shoes" (Tênis de Concha) entre os usuários.

Os integrantes do grupo de hip hop Run DMC (composto por Jason "Jam-Master Jay" Mizell, Joseph "DJ Run" Simmons e Darryl "D.M.C." McDaniels) adotaram o tênis como estilo. O conjnuto usava os Superstars sem cadarços e uma polêmica se instaurou, pois tênis sem cadarços eram comum nas prisões americanas da época. De forma que outro apelido foi dado ao calçado: "Felon Shoes" (Tenis de Criminoso). Dr. Deas, um jovem negro conservador, escreveu a música "Felon Sneakers" em protesto e crítica a ao uso do Superstar sem cadarços.

Após iso, para responder a música de Dr. Deas, o Run DMC escreveu a música "My Adidas". Então a boa parte dos admiradores do hip hop adquiriram um par de Superstars. O empresário do Run DMC, Lyor Cohen, juntamente com Joseph "DJ Run" Simmons, perceberam que podiam fazer dinheiro com o fenômeno. Eles convidaram os executivos da Adidas para um show do Run DMC em Nova York. Quando estes chegaram, viram o público de adolescentes usando os Superstars. Quando Run, antes de começar a cantar "My Adidas", pegou o seu Superstar, o levantou ao ar com a mão e disse: "Quem está usando Adidas, deixe eu ver!", a multidão veio abaixo. Uma multidão de pessoas levantou seus Adidas em reverência ao grupo e ao tênis.

O Run DMC fechou um contrato de US$ 1 milhão com a Adidas e a partir daí as marcas esportivas começaram a dar atenção para outros grupos. Era o nascimento da cultura Sneaker.

O Nike Dunk Ebay[editar | editar código-fonte]

O tênis sneaker mais caro do mundo foi vendido em 2003 nos Estados Unidos da América no site de leilões Ebay. Na prática, ele é o tênis mais exclusivo que existe, pois foram fabricados apenas dois pares em toda a história. Um deles foi destruído em público e o outro leiloado e arrematado por US$ 30 mil (algo como R$ 52 mil). A quantia arrecadada foi revertida para instituições sociais e filantrópicas. Um par no tamanho do ganhador do leilão foi fabricado. As cores foram escolhidas em homenagem ao site. O leilão aconteceu entre agosto e outubro de 2003 e o comprador preferiu manter-se no anonimato.

Laços em cadarços[editar | editar código-fonte]

A disposição dos cadarços também é valorizada pelos sneakerheads. As combinações são praticamente infinitas. No entanto, o australiano Ian Fieggen calculou a quantidade de possibilidades. Segundo ele o número de diferentes arranjos que podem ser feitos em um tênis com 12 furos (6 de cada lado) é de 1,961,990,553,600. Ou seja, quase 2 trilhões de maneiras diferentes de arrumar o cadarço. Tais números, no entanto, não são definitivos.

Partes de um sneaker[editar | editar código-fonte]

Os sneakerheads identificam as várias partes de um sneaker por apelidos e nomes técnicos. Abaixo, a configuração básica de um sneaker:

1- Cabedal (em inglês Upper): É a parte principal do sneaker. É a parte onde se encontram os logotipos das marcas e é responsável pela junção de todas as outras partes (painel frontal, painel lateral e painel traseiro) para ser costurada na entressola. O cabedal dá respirabilidade e estabilidade.

2- Entressola (em inglês Midsole): É a parte em que o cabedal é costurado. Fica entre a sola e a palmilha e é a parte responsável por conforto, amortecimento, respirabilidade e suporte ao .

3- Sola (em inglês Outsole): É a parte que fica em contato com o solo. Sempre feita de uma borracha mais durável e possui diferentes padrões estéticos, dependendo do tipo de calçado.

4- Palmilha (em inglês Insole): É uma sola interna, responsável por dar amortecimento e suporte ao arco do pé.

5- Biqueira (em inglês Toe Box): É a parte que dá espaço para seus dedos do pé na parte frontal do calçado.

6- Colar (em inglês Ankle Collar): É a parte acolchoada ao redor do tornozelo que disponibiliza conforto.

7- Forro (em inglês Lining): É o forro interno do calçado.

8- Língua (em inglês Tongue): É a parte que fica entre o pé e os cadarços ou velcros, tem a função de proteger o peito do pé da pressão dos cadarços, do Sol e de raspões.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]