Sociedade Esportiva Recreativa e Cultural Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Sociedade Esportiva Recreativa e Cultural Brasil
Nome Sociedade Esportiva Recreativa e Cultural Brasil
Alcunhas Brasilzinho[1]
Rubro-Verde
Mascote Dragão Rubro-verde
Fundação 15 de janeiro de 1939 (75 anos)[2]
Estádio Castanheiras[2]
Capacidade 6.000
Presidente Brasil Ivo Pagliarini
Treinador Brasil Gilmar Gasparoni
Material esportivo Brasil Marum
Competição Rio Grande do Sul Divisão de Acesso
Website brasildefarroupilha.esp.br/
Kit left arm serbrasil13h.png Kit body serbrasil13h.png Kit right arm serbrasil13h.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm thinborderonwhite.png Kit body serbrasil13a.png Kit right arm thinborderonwhite.png
Kit shorts serbrasil13a.png
Kit socks serbrasil13a.png
Uniforme
alternativo
Kit left arm serbrasil13t.png Kit body serbrasil13t.png Kit right arm serbrasil13t.png
Kit shorts serbrasil13t.png
Kit socks serbrasil13t.png
Uniforme
alternativo
editar

A Sociedade Esportiva Recreativa e Cultural Brasil ou somente Brasil de Farroupilha é um clube brasileiro de futebol, sediado na cidade de Farroupilha no Estado do Rio Grande do Sul.[2] Atualmente, disputa a Segunda Divisão Gaúcha. Foi fundado em 15 de janeiro de 1939.

História[editar | editar código-fonte]

A história do nascimento do Brasil passa pela necessidade de atrações esportivas e mesmo de recreação na Farroupilha do final da década de 30. Enquanto o mundo ainda fervilhava politicamente, recuperando-se da primeira grande guerra e já se preparando para a segunda, na fria serra gaúcha, a rotina resumia-se a trabalho e compromissos religiosos aos finais de semana. Caminhar e andar a cavalo talvez fossem as principais atividades para as horas de folga. Paradoxalmente, cidades vizinhas já viviam a realidade do esporte, em especial o futebol. Seguindo os precursores do sul do Estado, os clubes serranos foram surgindo, pouco depois dos que viriam a ser grandes da capital. Balizados por essa tendência, sentindo o vácuo deixado pelas tardes de domingo ociosas e contaminados pelo vírus da paixão pelo futebol, um grupo de jovens moradores de Farroupilha iniciam as tratativas para a fundação de uma equipe de futebol na cidade. À época, a Ferrovia era o principal meio de transporte ligando comunidades. Também é intrínseca a ligação de ferroviários e pessoas de sua relação com o futebol. Não foram poucas as equipes que levaram e levam o nome de Ferroviária ou Ferroviário. Atléticos Clubes, Esporte Clubes, Grêmios Esportivos e Sociedades Recreativas eram comuns em cidades cortadas pelas linhas do trem.

Também em Farroupilha, a Ferrovia teria papel determinante na fundação do clube de futebol. O berço do Brasil, sua manjedoura, estaria às margens da ferrovia. A reunião que definiu a criação do Brasil Futebol Clube aconteceu no Armazém da Viação Férrea, a 15 de Janeiro de 1939. Um dos fundadores foi Arlindo Peterse, agente da Viação. Foi ele quem tomou a iniciativa de solicitar e utilizar o local para a Assembléia de fundação do Clube. O Brasil nasceu à beira dos trilhos. O destino também faria com que um dos maiores jogadores do Brasil em termos de qualidade técnica estivesse presente quando da fundação do clube. Aos 13 anos de Idade, Ari Reginato testemunhara, ainda que de forma um tanto coadjuvante, a criação daquele que viria a ser o Gigante das Castanheiras.

Ari é o sócio-fundador do Brasil que há mais tempo permanece vivo, acompanhando toda a trajetória das sete décadas de vida do clube, recebendo inclusive as homenagens no jantar de comemoração dos 70 anos do Brasil, em 2009. Foi Ari o primeiro jogador do Brasil a ser negociado com uma equipe de outra cidade. Ainda que por pouco tempo, Ari foi emprestado ao Fluminense, de Caxias do Sul. Seu retorno se deu menos por opção do clube caxiense do que dele próprio, posta sua ligação afetiva com Farroupilha e com o clube do qual foi fundador.

Ari jogava em um tempo em que a dor não era capaz de afastar a vontade de defender as cores de um clube. Não havia chuteiras produzidas comercialmente. As lojas não comercializavam esse artigo, fundamental para a prática do futebol. As chuteiras de Ari eram construídas sob encomenda, em um sapateiro de Farroupilha. A tecnologia rude impunha a necessidade de fixação de peças de couro com pregos, utilizados em construção civil. As travas também eram pregos retorcidos em “U”, cujas pontas apontavam para a sola dos pés.

Os gramados pesados e a bola dura, aliados ao constante deslocamento, faziam com que as peças de couro das chuteiras se movessem no decorrer da partida. Era inevitável que os pregos perfurassem a base da chuteira. Na maior parte do jogo, Ari recorda que pisava sobre esses pregos. Ao final da partida, os pés ficavam em carne viva. Nada, porém, que fosse suficiente para sequer diminuir o prazer de Ari em defender o rubro-verde farroupilhense. Foi assim, na base da superação, que os primeiros atletas levavam o Brasil adiante. Foram os próprios jogadores que construíram o Estádio da Baixada Rubra no ano de 1949. Nesse local, o Brasil viveu seus grandes momentos, como a conquista do Estadual de Amadores em 1963. O Brasil torna-se profissional no início da década de 70, mas é na década de 80 que surgem os primeiros bons resultados. O Brasil é finalista da 2ª Divisão Gaúcha de Profissionais em 1986 e 1988. Em 86 inclusive, o Brasil conquista o título da Repescagem da Segundona. O jogo do título foi no Estádio das Castanheiras, palco das glórias atuais do clube.

Em 1992 surge a maior conquista do clube. O Brasil é Campeão Gaúcho da 2ª Divisão, subindo assim para a Divisão Especial, onde permaneceria por sete temporadas, sempre tendo grandes embates com os grandes clubes do Estado. No ano de 1992, a Sociedade Esportiva Recreativa e Cultural Brasil de Farroupilha via o sonho de três gerações se concretizando. O time chegava à primeira divisão do Campeonato Gaúcho, cinqüenta e três anos após a criação.

A campanha incontestável sublinhava os méritos da conquista. O Brasil de 92 é o Brasil dos fundadores e o Brasil dos sonhos daqueles que o amam, ou seja, um gigante. O Gigante das Castanheiras! Ninguém ousa pensar o contrário, afinal, das árvores que circundam o Estádio das Castanheiras surge um grito de paixão, que levanta uma comunidade e uma história. Porém, o início dos anos 2000 não é bom para o Brasil. O time volta para a 2ª Divisão e inicia um processo de tentativa de recuperação. A equipe segue na 2ª Divisão, mas busca através da reestruturação de seus departamentos, uma nova situação.

A parceria com a empresa Cortiana começa em 2007. O novo sistema de gestão moderniza o clube. A estrutura do Estádio das Castanheiras passa por melhorias e o time busca reconquistar seu espaço entre os grandes do futebol gaúcho.

Desde o ano de 2007, o clube passa por uma reformulação gradativa prezando sempre o profissionalismo, sendo reconhecido pela sua credibilidade e fidelidade com seus compromissos. É apontado por muitos como um clube referência em estrutura e gestão.

A casa do Brasil é o Estádio das Castanheiras, remodelado e adequado as exigências do futebol atual, fruto do projeto de gestão que revitalizou o clube desde o final da década passada. E é essa estrutura que nos credencia a postular uma das vagas para Centro de Treinamento na Copa do Mundo de 2014, já vistoriada e aprovada pela FIFA, órgão máximo do futebol mundial que colocou o estádio entre os sete postulantes do estado para receber seleções durante a próxima Copa do Mundo.

O Brasil de hoje, tem o seu mascote, o Dragão Rubro-Verdeque simboliza e transmite a pujança e a bravura de seus fundadores,também tem sua musa e rainha, que assim como a forte ala feminina de décadas passadas ajuda e promove o clube, tem sua torcida organizada que não para de crescer, seu hino, seu site oficial, e seus bravos voluntários do Movimento Jovem que trabalham em prol do clube.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais[editar | editar código-fonte]

  • Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho 2ªDivisão: 1992.
  • Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho 2ªDivisão Serra: 1972.
  • Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho de Amadores: 1963.

Histórico em competições oficiais[editar | editar código-fonte]

Competição Participação Anos
Copa do Brasil 01 participação
Campeonato Brasileiro Série C 01 participação 1993
Campeonato Gaúcho 07 participações 1993, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 1999.
Campeonato Gaúcho 2ª Divisao 20 participações 1986, 1987, 1988, 1989 , 1990.1991, 1992, 2000, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009 2010, 2011, 2012, 2013 e 2014 .
Copa FGF 06 participações 1993, 2004, 2008

Presidentes[editar | editar código-fonte]

  • 1996/1999 - Sérgio Luis Zangalli
  • 2000/2001 - Paulo Roberto Tonietto
  • 2004-2006 - Luis Fernando De Cesaro
  • 2007 - Valmir Roman
  • 2007 - Juarez de Rossi
  • 2008/2013 - Flávio Daniel Cortiana
  • 2014 - Ivo Pagliarini

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Goleiros
Jogador
Brasil Eduardo
Brasil Enderson
Brasil Rodrigo Feijão
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Cantareli Z
Brasil Giordano Z
Brasil Guilherme Z
Brasil Léo Piaia Z
Brasil Maurício Z
Brasil Jocenir LD
Brasil Alexandre Bindé LD
Brasil Vainer LE
Brasil Raone LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Amaral V
Brasil Caio V
Brasil Roiter V
Brasil Tiago V
Brasil Anderson Ijuí M
Brasil Jean Carlo M
Brasil Rafinha M
Brasil Alex Goiano M
Brasil Ramon M
Atacantes
Jogador
Brasil Diego
Brasil Rafael Xavier
Brasil Jeferson Chumbinho
Brasil Tiago Pires
Brasil Rodrigo Zeferino
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Suca T

Ídolos[editar | editar código-fonte]

Torcidas organizadas[editar | editar código-fonte]

  • Movimento Jovem
  • Torcida Jovem do Brasil
  • Coração Rubro Verde
  • Torcida Raça Rubro-Verde

Mascote[editar | editar código-fonte]

História do mascote "Dragão Rubro-verde":[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 2012, no Jantar comemorativo da SERC BRASIL, foi escolhido o novo mascote da SERC Brasil. Em promoção realizada pelo Movimento Jovem e Conselho Deliberativo, um dos atrativos para o torcedor que estava presente era a votação para a escolha do mascote do rubro-verde, cujas opções haviam sido divulgadas através do site do clube e dos jornais da cidade. As criações foram feitas pelo cartunista Iotti.

Concurso que elegeu o Dragão como mascote[editar | editar código-fonte]

Em 2012,Foram apresentadas cinco opções: Castanheiro, Dragão Rubro-Verde, Gigante, Luigi e Rubrinho. Cada uma das opções tinha um significado especifico para a torcida e comunidade farroupilhense. Com 62% dos votos, o torcedor elegeu o Dragão Rubro-verde como o novo mascote do Brasil. Com dimensões robustas, boca aberta, porém sem o semblante assustador, o novo mascote simbolizará a gloriosa e marcante década de 90, também serve como homenagem a extinta torcida organizada "Dragões da Fiel", que o clube teve na referida década e ainda traz a identificação com os jovens.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jornal Pioneiro (15/01/2009). SETENTÃO REVIGORADO. Visitado em 22 de maio de 2011.
  2. a b c SERC Brasil. Visitado em 24 de janeiro de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.