Sociedade da Justiça

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde abril de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Sociedade da Justiça da América
Comic image missing-pt.png
Dados sobre publicação
Publicado por DC Comics
Primeira aparição All Star Comics #3 (Verão de 1940)
Criado por Sheldon Mayer
Gardner Fox
Membros atuais Sociedade da Justiça da América
Senhor Destino
Doutor Meia-Noite
Jay Garrick
Lanterna Verde
Senhor Incrível
Manto Negro
Pantera
All-Stars
Poderosa
Sideral
Outros
Esmaga-Átomo
Ver Lista de Membros
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada
Portal A Wikipédia possui o portal:

A Sociedade da Justiça da América (do inglês Justice Society of America) é um grupo de heróis pertencente à editora estadunidense DC Comics, e foi o primeiro grupo de super-heróis a aparecer historicamente nas Histórias em Quadrinhos. Criada pelo editor Sheldon Mayer e escritor Gardner Fox, a SJA, como também é conhecida, teve sua primeira aparição em All-Star Comics #3 (1940), em plena Era de Ouro dos quadrinhos. O grupo incluía as versões originais de Sr. Destino (Dr. Fate), o Lanterna Verde original (Green Lantern), Joel Ciclone (Flash), o Homem-Hora (Hourman), o Sandman, o Gavião Negro (Hawkman), Átomo (Atom), e Espectro (Spectre).

Bastidores[editar | editar código-fonte]

A proposta editorial do grupo era mostrar aventuras de heróis que haviam aparecido em outros títulos, mas não tinham suas próprias revistas, embora fossem considerados membros honorários nas versões da Era de Ouro de Superman e Batman (só apareceram em 2 histórias com o grupo ao longo dos anos 40).

O time era popular ao longo dos anos quarenta, mas depois que super-heróis caíram em popularidade, a All-Star Comics tornou-se All-Star Western in 1951, cessando as aventuras do grupo. Durante a Era de Prata, A DC reformulou vários membros populares da Sociedade de Justiça e reuniu muitos deles na Liga da Justiça da América. Porém, em vez de considerar o SJA substituída, a DC revelou que o time existiu na dimensão da Terra 2 (também chamada de Terra Paralela) e a Liga da Justiça na Terra 1 (também chamada de Terra Ativa)[1] . Isto permitiu encontros interdimensionais dos grupos anualmente, de 1963 até 1985. Também permitiu séries novas, como All-Star Squadron (No Brasil, traduzido como Comando Invencível), Infinity, Inc. (Corporação Infinito) e uma nova All-Star Comics, que caracterizaram a SJA, seus filhos e herdeiros. Estas séries exploraram os assuntos de envelhecer, diferença de gerações e contrastes entre a Era de Ouro e eras subseqüentes.

Corporação Infinito[editar | editar código-fonte]

É um grupo de super-heróis de Histórias em Quadrinhos pertencente à editora estadunidense DC Comics. Inicialmente, apareceram em sua própria série, Infinity Inc. Seus integrantes eram filhos e protegidos dos membros da Sociedade da Justiça. A série foi criada por Roy Thomas e Jerry Ordway, que foi substítuido por um artista, até então desconhecido, mas que se tornaria um dos mais populares nas décadas de 1990 e 2000: Todd MacFarlane.

O grupo foi formado primariamente porque seus membros não foram aceitos na Sociedade da Justiça; como seu primeiro caso, eles enfrentaram o Ultra-Humanóide. O grupo dissolveu-se após a morte de Celestial. Seus membros foram vistos esporadicamente desde então, com alguns fazendo parte de encarnações obscuras da Liga da Justiça. Na máxissérie 52, surgiu um novo grupo com o mesmo nome, dessa vez formado por super-humanos criados por Lex Luthor.

Membros[editar | editar código-fonte]

  • Onda Mental Jr. (Brainwave Jr.), filho do supervilão original Onda Mental (Brain Wave) (nota: por vezes traduzido como Neuron, no Brasil)

Membros tardios[editar | editar código-fonte]


Flash de dois mundos[editar | editar código-fonte]

O Flash introduziu um conceito muito utilizado nas histórias em quadrinhos quando foi revelado que Jay Garrick e Barry Allen existiam em mundos paralelos. Seus poderes lhes permitiam cruzar a fronteira dimensional entre os mundos, e os dois tornaram-se bons amigos. 'Flash of Two Worlds (The Flash vol.1 #123) foi o primeiro crossover em que um personagem da Era de Ouro conhece um da Era de Prata[1] . Houve crossovers entre a Liga da Justiça e a Sociedade da Justiça; as respectivas equipes começaram a se encontrar anualmente desde o começo dos anos 60 até o meio dos anos 80.

Primeiro encontro da SJA e da LJA[editar | editar código-fonte]

O primeiro crossover entre a Liga da Justiça e a Sociedade da Justiça envolveu o surgimento dos Campeões do Crime, grupo composto de vilões de ambas Terra 1 e 2.

Origem[editar | editar código-fonte]

Só iríamos conhecer a origem de como a Sociedade da Justiça se formou em DC Special #29 - Origin of the JSA (1978) (No Brasil, Heróis em Ação 9, de 1985, Ed. Abril). O grupo foi formado a pedido do Presidente Franklin Delano Roosevelt, que procurava ajudar os aliados na Europa sem envolver oficialmente o povo americano. Roosevelt havia prometido aos americanos envolver os EUA somente se houvesse ataque pelas forças do Eixo, como ocorreria em Pearl Harbor, um ano depois. O grupo, formado pelo Sr. Destino, Lanterna Verde, Flash, Homem-Hora, Sandman, Gavião Negro, Átomo, O Espectro, e pelas versões da Terra 2 de Superman e de Batman, frustraram os ataques de Hitler à Inglaterra, bem como um bombardeio à Casa Branca. Posteriormente, foi descoberto o motivo porque a SJA, que tinha personagens poderosos, simplesmente não invadiu a Alemanha e acabou com a guerra: Durante a Segunda Guerra, grande parte da Europa e Ásia ficaram debaixo duma barreira mística; Personagens místicos ou suscetíveis a magia ficavam sob o domínio do Führer, e meta-humanos comuns tinham seus poderes temporariamente cancelados.

Esta foi a explicação que o escritor Roy Thomas achou para explicar porque a Segunda Guerra, com pesos pesados como Espectro e Sr. Destino do lado dos aliados, durou 10 anos, e não 10 minutos. Esta barreira foi criada pelo ocultista Rei Dragão (Dragon King) a serviço de Hitler, utilizando uma máquina energizada pelo Santo Graal e a Lança do Destino (a mesma vista no filme Constantine).

A Crise nas Infinitas Terras[editar | editar código-fonte]

Em 1986, a DC reescreveu sua continuidade na maxi-série Crise nas Infinitas Terras. As séries fundiram todas as realidades (Terras Paralelas) da companhia em uma, colocando a SJA como antecessores da Segunda Guerra mundial para os personagens modernos da companhia. Devido à tremenda quantidade de pontas soltas que ficaram com a história do grupo no vácuo da Crise nas Infinitas Terras, a DC requereu de Roy Thomas, responsável pela cronologia e histórias relacionadas a Sociedade da Justiça, que escrevesse uma história em que todos os membros morressem. Roy, no entanto, apaixonado pelos heróis dos anos 40, usou de um artíficio. Ele escreveu em 1986 The Last Days of the Justice Society (Os últimos dias da Sociedade da Justiça, inédito no Brasil), em que os membros não morriam, mas antes ficavam presos eternamente num limbo combatendo seres da mitologia nórdica, como Loki e Surtur, numa éspecie de simulação do Ragnarok. Os membros da Sociedade sempre venciam a batalha, mas como parte do feitiço que os condenou, o tempo sempre voltava, e eles tinham de combater a batalha toda de novo. Somente Poderosa (Power Girl), Sideral (the Star-Spangled Kid), O Espectro e Sr. Destino escaparam ao cataclismo. Algumas das pontas soltas eram: Se Superman da Terra 2, Batman da Terra 2, Mulher Maravilha da Terra 2, Robin Adulto da Terra 2, e Caçadora da Terra 2 nunca existiram, quem foi que realizou suas proezas? Se Mulher Maravilha da Terra 2 não existiu, quem ficou sendo a mãe de A Fúria, da Corporação Infinito? Se Krypton da Terra 2 nunca existiu, porque a Poderosa existe? A resposta para algumas destas questões foram sendo respondidas ao longo dos anos. Foi estabelecido que A Fúria da Corporação Infinito era filha de A Fúria da Era de Ouro, uma personagem que foi criada justamente para preencher esse vácuo. Poderosa descobriu que não era prima de Superman da Terra 2, mas antes, neta de Arion, um mago da Atlantis de milênios atrás.

Retorno[editar | editar código-fonte]

Sobre a Sociedade da Justiça, alguns poucos revivals mal sucedidos e até controversos foram tentados, como uma mini-série em 1991, contando uma aventura que tiveram nos anos 50 contra Vandal Savage. No número final na série de 4 partes Armageddon: Inferno, a SJA retornou ao moderno Universo DC quando Tempus (Waverider) substituiu os lugares da SJA no Ragnarok por servos superpoderosos do demônio Abraxis, permitindo ao grupo voltar à Terra. A Sociedade ganhou novamente um título próprio, Justice Society, mas durou apenas 10 números. O título foi um dos últimos a serem desenhados por Mike Parobeck em vida. Apesar de tudo, o título era muito controverso. O editor, aparentemente, não ligava muito para o modo como os membros eram retratados em outras revistas. Em Justice Society, mostrava Alan Scott com calvície, o que não era compartilhado em nenhum outro título da DC. Até então, os membros da Sociedade da Justiça não haviam envelhecido muito, devido a exposição nos anos 40 a uma radiação mágica durante a destruição do vilão Ian Karkull. Com a mini-série Zero Hora, vários membros foram envelhecidos pelo vilão Extemporâneo (Extant). Como resultado, o Átomo original, o Homem-Hora e o Dr. Meia-Noite morreram. O Lanterna Verde Alan Scott foi protegido de envelhecer por seu anel mágico. A Sociedade da Justiça então foi debandada. O escritor James Robinson, no entanto, trouxe uma nova atenção ao legado da SJA com seu título STARMAN, e a mini-série A Era de Ouro. Uma nova série, intitulada JSA, foi lançada em 1999, aclamada pela crítica e pelo público, e continua até o presente dia. Esta nova série mistura novos integrantes e 4 dos membros originais dos anos 40.

A Nova Sociedade da Justiça[editar | editar código-fonte]

Lista de membros da Sociedade da Justiça[editar | editar código-fonte]

Anos 40[editar | editar código-fonte]


Anos 50[editar | editar código-fonte]

Neste período (Guerra Fria), uma maquinação de Vandal Savage com o Comitê de Atividades Não-Americanas pressionou a SJA a revelar suas identidades ao público. Eles preferiram debandar a equipe. Alguns membros, porém, mantiveram-se ativos.

Anos 60 a 80[editar | editar código-fonte]

Todos os membros dos anos 40 (com exceção de Sr. Íncrivel, que morreu num dos encontros da Liga com a SJA, e Miss America, que se aposentou), Robin Adulto da Terra 2, Tornado Vermelho andróide (Red Tornado), Caçadora da Terra 2, Poderosa (Power Girl), Sideral (the Star-Spangled Kid), Sand (Sandy Hawkins)

Anos 90 até hoje[editar | editar código-fonte]


Teoricamente apagados da continuidade[editar | editar código-fonte]

Superman da Terra 2, Batman da Terra 2, Mulher Maravilha da Terra 2, Robin Adulto da Terra 2, Caçadora da Terra 2

Vilões[editar | editar código-fonte]

  • Stalker,

Referências

  1. a b Marcus Vinicius de Medeiros (27 de Julho de 2000). Hipertempo: mais que um multiverso. Omelete.

Links[editar | editar código-fonte]