Som Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde novembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Som Brasil
Informação geral
Formato
Criador(es) Rolando Boldrin (1981-1984)
Luiz Gleiser
Flavio Marinho (2007-presente)
País de origem  Brasil
Idioma original Língua portuguesa
Produção
Diretor(es) José Armâncio (1981-1989), Adriano Stuart (1988-1992), Jodete Larcher (1993), Roberto Talma e Jodete Larcher (1995), Márcio Antonucci (1995), Aloysio Legey (1997), Maurício Tavares (1998), Luiz Gleiser e Mário Meirelles (2007-no ar)
Apresentador(es) Rolando Boldrin
Lima Duarte
Chico Anysio
Patrícia Pillar
Letícia Sabatella
Camila Pitanga
Exibição
Transmissão original 9 de agosto de 1981 (33 anos) -29 de novembro de 2013
N.º de temporadas 30
N.º de episódios 2000

Som Brasil é um programa de televisão musical brasileiro transmitido pela Rede Globo.

Foi criado pelo cantor Rolando Boldrin. Antes tinha o objetivo de ser um programa de rádio mas a ideia era muito boa para a televisão. O primeiro programa foi ao ar pela Rede Globo em agosto de 1981, com o objetivo de divulgar para o país a importância da música regional brasileira, que muitas pessoas das grandes cidades não sabiam. Era exibido nas manhãs de domingos, e tinha como tema de abertura a música Vive Vida Marvada, do próprio Rolando Boldrin que também era apresentador e diretor musical do programa. O programa sofreu várias modificações no formato e no roteiro ao longo dos anos, sendo dirigido e apresentado por vários artistas da emissora. Deixou de ser exibido em dois períodos: de 1989 a 1993, e de 1999 a 2007, e voltou à grade de programação em 2007, totalmente modificado. Hoje é apresentado logo após o Programa do Jô na madrugada da última sexta-feira do mês para o primeiro sábado do mês seguinte mas desde o dia 2 de setembro de 2010 é exibido logo após A Grande Família. Desde o dia 9 de setembro de 2010 é exibido logo após o programa policial Linha Direta, exibido nas faixas Bom Domingo (1978-1983), Terça Nobre (1991-1998) e Domingo Global (1983-1990), tem as chamadas da programação como Um Verão ETanto na Globo (1990), Tempo Global (1983), Primavera na Globo (1990-1998), Dezembro Quente na Globo (1981-1982), Fim de Ano na Globo (1991-1998), Fim de Ano Global (1983), Dezembro na Globo (1984-1989), Primavera Quente na Globo (1981-1982), Primavera Global (1983-1989).

1ª Fase (1981-1984)[editar | editar código-fonte]

Rolando Boldrin foi quem começou apresentando o programa que no início consistia em histórias, além das performances do apresentador que também dançava, exibia peças teatrais e pequenos documentários. Mas maior o destaque eram os números musicais. Muitos nomes da música regional passaram por lá como Dominguinhos, Luiz Gonzaga, entre outros. Mesmo em meio a Ditadura Militar, havia espaço também para as sátiras políticas que era comandado por Ranchinho, da dupla sertaneja Alvarenga e Ranchinho. Em setembro de 1982, ao completar um ano de programa, o Som Brasil passou a ter duas horas de duração. O programa passa também grandes nomes como Bolinha, Chacrinha, Vinícius de Moraes e Ernesto Geigel.

2ª Fase (1984-1989)[editar | editar código-fonte]

Em 1984, Rolando Boldrin deixou Som Brasil por estar insatisfeito com o horário em que o programa era exibido e com isso foi substituído pelo ator Lima Duarte. Além dessa mudança, outras ocorreram como um maior número de gravações externas, em roças e também passava a mostrar outras coisas típicas da cultura regional como festas, comidas, artesanatos… O apresentador também contava histórias de escritores consagrados como Guimarães Rosa. O programa ainda teve mais mudanças em 1986 que tinha novos cenários e outra abertura que foi gravada em Capão Bonito. Essa abertura se misturava ao início do programa pois no final aparecia Lima Duarte sentado em um banco recebendo os seus convidados em frente a uma casa de um caboclo, que aparecia também na abertura. As características originais foram preservadas, mas agora tinha a mistura de artistas urbanos na música regional. Em um dos primeiros programas hove o encontro de Leila Pinheiro e Sorocabinha (que formou a primeira dupla caipira com Mandy). Em 1988, José Armâncio, então diretor saiu do programa e deixou a direção com Adriano Stuart. O programa saiu do ar em março de 1989.

3ª Fase (1990-1992)[editar | editar código-fonte]

Em 1989, Lima Duarte deixa o programa Som Brasil pela única coisa que se nos apresentar a festa das comemorações dos 25 Anos da Rede Globo. Em 4 de março de 1990, A estreia do humorista Chico Anysio para apresentar um show de música, prêmios, informação, entretenimento, humor, entrevistas, brincadeiras, promoções, participação, os sucessos do momento e muita diversão. Os quadros muito variados e os grandes nomes da música sertaneja, popular brasileira e romântica, os maiores cantores nacionais, internacionais e regionais e os destaques de uma grande festa de inteligência em ritmo de alegria, descontração e muito black die. Um bate-papo com vaqueiros, criadores, agricultores, pecuaristas, artistas e empresários brasileiros, internacionais e nordestinos que fazem o melhor sucesso no Brasil e no mundo, os vídeos que fizeram igualdade na Internet, as revelações de 1990 a 1992, os clipes musicais que marcaram época e um espaço reservado para os parentes da terra, do interior, da região, da nossa cidade e do estado. O programa saiu no ar em dezembro de 1992.

Fase: Brasil 500 Anos (1998-2000)[editar | editar código-fonte]

Em 1998, uma grande festa em ritmo de alegria e black die em uma das comemorações dos melhores shows de todos os tempos. No dia das comemorações, houve vários protestos contra as festividades dos 500 anos do descobrimento. Nas cidades de Porto Alegre, Florianópolis e Recife, os relógios da Rede Globo foram atacados. Nas versões usadas nas cidades, o relógio feito de lona era colocado sobre uma base que continha um logotipo da emissora que transmitia a Rede Globo na região. Abaixo do disco que mostrava a hora certa, existia um contador digital que fazia a contagem regressiva para o dia 22 de abril de 2000. Abaixo do contador, a inscrição "500 Anos". A parte de trás do relógio trazia o logotipo da campanha da Rede Globo "Brasil 500 Anos". Em 22 de junho de 1999, foram inauguradas réplicas desse relógio em várias cidades brasileiras. No dia 22 de abril de 2000, houve shows comemorativos em frente aos relógios, apresentação de Renato Machado (1998), Carla Vilhena (1999), Sandra Annenberg (2000) e com a participação de todo o grande elenco reunido pela Rede Globo.

4ª Fase (1993-1999)[editar | editar código-fonte]

Após quatro anos, o programa voltou à grade de programação sendo exibido mensalmente, e depois semanalmente, na faixa Terça Nobre. Tinha direção de Jodele Larcher e Roberto Talma, e apresentação de Alexandre Garcia. A cultura regional cedeu lugar aos shows musicais dos grandes artistas. Em 1993 o Som Brasil participou da campanha contra a fome, liderada pelo sociólogo Herbert de Souza (Betinho), Cada show arrecadou, em média, 13 toneladas de alimentos. A nova fase levou aos palcos shows temáticos e homenagens. A cantora Simone reuniu amigos, em apresentações no Rio, em São Paulo e em Curitiba, para comemorar seus 20 anos de carreira. Raul Seixas foi homenageado por Chitãozinho e Xororó e Leandro e Leonardo num grande show em São Paulo. Alceu Valença e Elba Ramalho fizeram uma festa de São João, em Recife (PE), para a gravação de um programa em homenagem a Luiz Gonzaga. Em 1995, Som Brasil passou por mais duas mudanças, foi comandada por Carlos Nascimento. Os shows deixaram de ser temáticos e passaram a misturar tendências e nomes da MPB. As gravações eram realizadas na então casa de espetáculos Metropolitan na cidade do Rio de Janeiro. Depois de alguns meses, o programa voltou a se concentrar em temas, com a entrada do novo diretor Marcio Antonucci, que levou ao ar especiais como samba-reggae e Domingo no parque – com Gilberto Gil, Marisa Monte, Caetano Veloso, Chico Science e Jorge Ben Jor –, além de um tributo a Cazuza. Com direção de Aloysio Legey e apresentação de Zeca Camargo, em 1997 Som Brasil se voltou mais para ritmos que estavam em alta como o samba, pagode e a axé music. Em dezembro, no último programa de 1997 levou ao ar uma Festa da Tropicália, celebrando os 30 anos do movimento. Além das apresentações de Gilberto Gil, Daniela Mercury, Carlinhos Brown, Gal Costa, Caetano Veloso e Tom Zé. Além disso houve também entrevistas com os integrantes da Tropicália, comandadas pelo jornalista Pedro Bial. Um último programa foi ao ar em abril de 1999, com direção de Maurício Tavares e teve a participação do grupo Só pra Contrariar.

5ª Fase (2007-presente)[editar | editar código-fonte]

Além de homenagear grandes compositores, o programa, nessa fase, tem apresentação de várias atrizes da Globo e abre espaço para artistas consagrados e outros ainda pouco conhecidos do grande público. A ideia é valorizar a música brasileira com formação variada para reproduzir clássicos da MPB.

Os shows são gravados ao vivo, com platéia, e além de apresentação de várias atrizes da Globo, tem sempre quatro convidados, um dos convidados é um artista consagrado e os outros três fazem parte da nova geração da música brasileira.

Em maio de 2010 estreou o Canal Viva, pertencente a Globosat. Nesse canal passa vários programas do Som Brasil que foram transmitidos na década de 90, na Rede Globo. Todos os sábados às 23 horas (reprise no domingo às 18 horas) poderemos acompanhar os shows que fizeram parte desse programa.