Sophie Scholl

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Sophie Scholl
Conhecido(a) por membro do grupo de resistência Rosa Branca
Nascimento 9 de maio de 1921
Forchtenberg, Alemanha
Morte 22 de fevereiro de 1943 (21 anos)
Munique, Alemanha
Nacionalidade Alemanha alemã
Progenitores Mãe: Magdalena Scholl
Pai: Robert Scholl
Ocupação Estudante

Sophia Magdalena Scholl [1] (Forchtenberg, 9 de maio de 1921Munique, 22 de fevereiro de 1943) era membro da Rosa Branca, movimento da resistência alemã antinazista. Foi condenada por traição e executada na guilhotina. É conhecida como uma das poucas alemãs que se opuseram ativamente ao Terceiro Reich durante a Segunda Guerra Mundial e é também vista como um mártir.

A Rosa Branca[editar | editar código-fonte]

No início do verão de 1942, Sophie Scholl participou da produção e distribuição de panfletos da Rosa Branca, um movimento de inspiração católica [2]. Foi presa em 18 de fevereiro de 1943 enquanto distribuía o 6º panfleto na Universidade de Munique. Os panfletos eram redigidos e depois copiados sendo, depois, entregues em caixas de correio nas casas de grandes cidades da Baviera (berço do movimento nazista). Esses panfletos continham trechos apocalípticos da Bíblia, para impressionar. Sophie, seu irmão, Hans Scholl, e mais um universitário, Christoph Probst, foram presos em 18 de fevereiro de 1943, depois de o reitor da universidade de Munique os surpreender distribuindo panfletos no pátio da universidade. A Gestapo os prendeu, os julgou e, menos de quatro horas depois de condenados, foram guilhotinados.

Desobedecendo ordens superiores, os carcereiros deixaram os jovens reencontrarem seus pais antes de encontrarem o trágico destino dos opositores ao nacional-socialismo, a morte. Os três são hoje tidos como heróis nacionais alemães. É bom lembrar que, entre fevereiro e outubro de 1943, foram mortos ainda mais 50 integrantes do movimento Rosa Branca.

Selo postal comemorativo de Hans Scholl e Sophie Scholl, RDA, 1961

Filmes[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Scholl, Inge (1983). The White Rose: Munich, 1942–1943. Schultz, Arthur R. (Trans.). Middletown, CT: Wesleyan University Press. p. 114. ISBN 978-0-8195-6086-5.
  2. Rainer Uphoff: "Sophie Scholl frente al Totalitarismo", Madrid 2010
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sophie Scholl
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.