South Park

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
South Park
Cena da sequência de abertura da 14ª temporada, com os quatro protagonistas à frente de alguns dos personagens secundários da série.
Informação geral
Formato Série de desenho animado
Gênero Adulto, Sitcom, animação, sátira, humor negro
Duração 22 minutos (aproximadamente)[1]
Criador(es) Trey Parker
Matt Stone
País de origem Estados Unidos
Idioma original Inglês
Produção
Produtor(es) Trey Parker
Matt Stone
Anne Garefino
Elenco Trey Parker
Matt Stone
Mary Kay Bergman (1997–1999)
Isaac Hayes
(1996–2006)
Eliza Schneider
(1999–2003)
Mona Marshall
(2000–presente)
April Stewart
(2006–presente)
Exibição
Emissora de
televisão original
Estados UnidosComedy Central
BrasilMTV (Brasil)
BrasilComedy Central Brasil
Formato de exibição 480i (4:3 SDTV)
(1997–2008)
1080i (16:9 HDTV)
(2008–presente)
Transmissão original 13 de agosto de 1997 – presente
N.º de temporadas 17
N.º de episódios 244 (lista de episódios)
Cronologia
Último
Último
The Spirit of Christmas
Próximo
Próximo

South Park é uma sitcom americana criada por Trey Parker e Matt Stone para o canal Comedy Central. Destinado ao público adulto, o programa tornou-se infame por seu humor negro, cruel, surreal e satírico que abrange uma série de assuntos. A narrativa padrão gira em torno de quatro crianças—Stan Marsh, Kyle Broflovski, Eric Cartman, e Kenny McCormick—e suas aventuras bizarras na cidade-título do programa.

Parker e Stone, que se conheceram na universidade, desenvolveram a série a partir de dois curtas de animação criados por eles em 1992 e 1995. A segunda produção tornou-se um dos primeiros vídeos virais da internet, o que acabou levando ao desenvolvimento do programa. South Park estreou em 13 de agosto de 1997 obtendo êxito instantâneo e alcançando posteriormente as maiores audiências da televisão paga nos Estados Unidos. Apesar de inconsistente em seus índices de audiência, o programa permanece como a atração mais aclamada e duradoura do Comedy Central. Originalmente produzido através de animação de recortes, cada episódio é atualmente realizado em um software que reproduz o estilo característico do programa.

Os episódios são normalmente escritos e produzidos durante a semana anterior à sua divulgação, com a grande maioria dos shows sendo escritos, dirigidos e dublados por Parker e Stone. Após as duas primeiras temporadas, Parker se tornou o único escritor e diretor creditado. A partir de 2010, um total de 209 episódios foram exibidos durante as 14 temporadas da série. Parker e Stone renovaram contrato para produzir 14 novos episódios em 2011,[2] estreando a décima quinta temporada em 27 de abril do mesmo ano.[3] Os primeiros oito episódios foram exibidos até 8 de junho, com a outra metade da temporada prosseguindo a partir de 5 de outubro de 2010.[4]

A série[editar | editar código-fonte]

Ambientação e personagens[editar | editar código-fonte]

Os protagonistas da série esperam o ônibus para a escola. Da esquerda para a direita: Eric Cartman, Kyle Broflovski, Stan Marsh, e Kenny McCormick

As cinco primeiras temporadas da série mostravam as façanhas de Stan Marsh, Kyle Broflovski, Eric Cartman e Kenny McCormick. No final da quinta temporada, Butters Stotch ganhou o seu próprio episódio para preparar o público para o papel mais importante que ele iria ter em temporadas sucessivas.[5] Suas aventuras ocorrem na cidade de South Park, município interiorano fictício localizado no verdadeiro vale de South Park nas Montanhas Rochosas, Colorado.[6] A cidade é também o lar de diversos personagens recorrentes da série, como estudantes, famílias, funcionários da escola e moradores variados, que tendem a considerar South Park um lugar tranquilo e pacato de se viver.[7] Entre os locais de destaque no programa estão a escola de ensino médio, o ponto de ônibus, várias lojas e residências e a paisagem enevoada de Colorado, tudo baseado em locais verdadeiros da cidade de Fairplay.[6] [7]

Stan é retratado como a pessoa mediana do grupo,[8] com o site oficial do programa descrevendo-o como "um garoto americano normal, comum e ambíguo".[9] Kyle é o único judeu da turma, e sua atuação neste papel é frequentemente levada para o lado satírico.[8] Stan foi modelado em Parker, enquanto Kyle foi baseado em Stone. Stan e Kyle são melhores amigos, e seu relacionamento, projetado para refletir a amizade entre Parker e Stone na vida real, é um tema comum durante a série.[10] Cartman—barulhento, antipático, preconceituoso e obeso—é frequentemente mostrado como o antagonista, cuja atitude anti-semita resultou numa rivalidade progressiva entre ele e Kyle.[8] Kenny, advindo de uma família humilde, usa o capuz de seu casaco tão apertado que cobre grande parte de seu rosto, dificultando o entendimento de suas falas. Durante as primeiras cinco temporadas do programa, Kenny morreu em praticamente todos os episódios, retornando no episódio seguinte como se nada ou quase nada tivesse acontecido. Ele foi excluído da sexta temporada em 2002, reaparecendo no último episódio daquele ano. Desde então, a prática de matar Kenny raramente é usada pelos criadores do programa. Durante os primeiros 59 episódios de South Park, os garotos permaneceram na terceira série do ensino básico. No episódio "4th Grade" da quarta temporada (2000), eles passaram para a quarta série, permanecendo nela desde então.[11] [12]

Os enredos são motivados por eventos que vão desde o lugar comum até o sobrenatural e extraordinário, que costumam atingir a cidade com frequência.[13] Os meninos muitas vezes agem como a voz da razão quando tais eventos provocam pânico ou comportamento incongruente entre a população adulta, que é comumente mostrada como irracional, crédula e propensa à vociferação.[6] [14] Os meninos costumam confundir-se também com as atitudes contraditórias e hipócritas de seus pais e outros adultos, considerando-os como tendo uma visão distorcida em relação à moral e sociedade.[7] [15]

Temas e estilo[editar | editar código-fonte]

Cada episódio começa com um aviso irônico:[16]

Os personagens deste programa são fictícios. Todas as vozes são pessimas imitações com linguagem obscena e não deve ser visto por ninguém. [17]

South Park foi o primeiro programa semanal dos Estados Unidos a receber uma classificação etária TV-MA, e é em geral indicado para o público adulto.[18] [19] [20] Os protagonistas e a maioria dos outros personagens infantis usam de fortes palavras de baixo calão, mas apenas as mais polêmicas é que são censuradas durante uma transmissão típica.[7] A utilização de tal linguagem serve para Parker e Stone tentarem demonstrar como eles acham que garotos conversam de verdade quando estão sozinhos.[7] [21] [22]

A série normalmente fez uso de técnicas carnavalescas e absurdistas, repetições cômicas,[23] [24] violência,[24] temas sexuais,[25] [26] referências pop-culturais improvisadas e paródias de celebridades.[27] [28] Os primeiros episódios eram mais propensos a temas provocativos, apresentando um estilo de humor pastelão. Apesar da sátira social ser utilizada ocasionalmente no princípio, tornou-se cada vez mais prevalente com o desenvolvimento da série, mantendo um pouco do foco no gosto por humor escatológico dos protagonistas na tentativa de lembrar ao público adulto "como é ter oito anos de idade".[8] Parker e Stone também começaram a aperfeiçoar personagens secundários ao lhes dar papéis mais proeminentes em certas histórias, e passaram a desenvolver seus enredos como parábolas baseadas em religião, política e diversos outros tópicos.[7] Isto forneceu ao programa a oportunidade de parodiar ambos os lados de um assunto polêmico,[29] enquanto satiriza pontos de vista tanto liberais quanto conservadores.[7] [30] Parker e Stone descrevem-se como "transgressores em prol das oportunidades iguais",[31] cujo principal objetivo é "ser engraçado" e "fazer os outros rirem",[32] enquanto afirmam que nenhum tema ou grupo de pessoas é poupado de ser alvo de suas zombarias e sátiras.[28]

Os dois insistem que o programa permanece centrado nas "crianças sendo crianças", e "como é estudar no ensino básico na América",[33] declarando que a introdução de um elemento mais satírico à série foi resultado da adição de um "centro moral" ao programa, para que ele possa basear-se cada vez menos em ser simplesmente cruel ou chocante numa tentativa de manter um público fiel.[32] Apesar de profana, e com a tendência de às vezes assumir um aspecto cínico, Parker observa que ainda há um "fundo de candura" na personalidade das crianças de South Park,[30] com a Time descrevendo os garotos como "ocasionalmente cruéis, mas com um núcleo de inocência".[10] Normalmente, os protagonistas ou outros personagens refletem sobre o que ocorreu durante um episódio, formulando a lição importante que foi tirada daquilo a partir de um curto monólogo. Durante as primeiras temporadas, o discurso geralmente começava com uma variação da frase "Sabe o quê? Eu aprendi algo hoje...".[34]

Origens e criação[editar | editar código-fonte]

Os criadores de South Park, Trey Parker (à esquerda) e Matt Stone que continuam a fazer a maior parte dos roteiros, direção e dublagem da série

Logo após de se conhecerem na turma de cinema da Universidade de Colorado em 1992, Trey Parker e Matt Stone criaram um curta de animação chamado The Spirit of Christmas.[35] Para a produção do filme foi utilizada a técnica de animação de recortes, trazendo protótipos dos personagens principais de South Park, incluindo um personagem parecido com Eric mas chamado "Kenny", um personagem anônimo com características de Kenny e dois personagens quase idênticos com a aparência de Stan e Kyle.

Brian Grade, executivo da rede Fox e amigo mútuo da Parker e Stone, contratou-os para a produção de um curta metragem no formato de um cartão de Natal em vídeo. Produzido em 1995, o segundo curta The Spirit of Christmas trazia mais semelhanças com o estilo da futura série.[36] Para diferenciar os dois filmes, o primeiro passou a ser chamado de Jesus vs. Frosty, e o segundo, Jesus vs. Santa. Graden mandou cópias do vídeo para vários amigos, e a partir daí as cópias começaram a se espalhar incontrolavelmente, inclusive na Internet, onde a produção tornou-se um dos primeiros vídeos virais da rede.[35]

Com a popularidade de Jesus vs. Santa, Parker e Stone passaram a discutir a possibilidade de transformar o curta em uma série de televisão. A Fox recusou o projeto, não querendo exibir um programa que contava com um personagem como Mr. Hankey, um pedaço de fezes falante.[37] A dupla então entrou em negociações com a MTV e o Comedy Central. Parker preferiu ver a infantil produzida pelo Comedy Central, temendo que a MTV pudesse transformá-la em um programa infantil.[38] Doug Herzog, executivo do Comedy Central, assistiu o curta e aprovou sua produção no formato de seriado.[35] [39]

Parker e Stone reuniram uma pequena equipe e passaram três meses criando o episódio piloto, "Cartman Gets an Anal Probe" ("Cartman recebe uma sonda anal").[40] South Park correu o risco de ser cancelado antes mesmo de ser exibido, devido ao desempenho negativo em testes de público, particularmente entre o feminino. Os curta-metragens, no entanto, continuavam a fazer sucesso na internet, e o Comedy Central concordou em exibir uma sequência de seis episódios.[41] [38] O episódio de estréia foi ar então em 13 de agosto de 1997.[42]

Produção[editar | editar código-fonte]

Trey Parker dirigiu a maioria dos episódios de South Park.

Os scripts são, frequentemente, assinados pelos criadores da série, devido ao fato de que, a elaboração de um episódio de South Park é menor do que a de outra série animada.[43] Às vezes, o processo dura apenas uma semana. Ao longo de suas temporadas, a sitcom foi alterando as músicas que ocorreram, mesmo logo após o encerramento da produção de cada capítulo. Por exemplo, em "Quintuplets 2000", paródia do conflito diplomático por Elián González, "Best Friends Forever", que reflete o caso de Terri Schiavo, sendo que foi emitido apenas 12 horas depois de sua morte e "About Last Night..." na proclamação presidencial de Barack Obama, ocorrido um dia depois de vencer a eleição.[44]

Animação[editar | editar código-fonte]

A produção é da “South Park Studios”, em Culver City, Califórnia, exceto do piloto, que empregava cortes de animação. [45] Todos os capítulos de South Park são feitos com animação de computador que imita o padrão dos curtas-metragens.[46] Nas primeiras temporadas, o processo de produção contava com poucos funcionários, e consequentemente, cada capítulo levava três semanas para serem feitos. Hoje, com mais de 70 pessoas que trabalham, os capítulos são concluídos em menos de uma semana.[47]

Parker e Stone foram inspirados a fazer as animações feitas por Terry Gilliam no Monty Phyton's Flying Circus.[48] Os personagens e objetos são compostos de formas geométricas simples e cores primárias, apresentam uma composição simplificada, e em alguns casos, como o das crianças, é muitas vezes utilizado o mesmo padrão.[49] Nem todos têm o mesmo projeto como os protagonistas: os canadenses geralmente são representados com a divisão da cabeça e design ainda mais minimalista,[50] enquanto alguns personagens celebridades mantêm seu verdadeiro rosto, como no caso de Saddam Hussein. Em tais casos, os animadores digitalizam a face do personagem, mas o corpo é caricaturado como os outros projetos.

Quando começaram a utilizar computadores para animar, os cortes foram escaneados e redesenhados com o programa CorelDRAW . Em seguida, importados para PowerAnimator, estações de trabalho que empregam SGI para satirizar os personagens.[51] A partir da quinta temporada, entrou em uso o Adobe Photoshop e Adobe Illustrator para fazer os desenhos. A qualidade da animação tem melhorado ao longo das estações, mas os designers sempre tentam manter o mesmo estilo de animação tradicional. A partir da décima terceira temporada, todos os programas são mantidos em alta definição.[52]

Há casos em que rompe o estilo tradicional de animação da série. Várias cenas de "Good Times with Weapons" foram feitas com a estética anime, o episódio "Make Love, Not Warcraft" é feito em parte com imagens machinimas de World of Warcraft, com a colaboração da Blizzard, e em "Boobage Maior" foi usada a rotoscopia.[53]

Música[editar | editar código-fonte]

"Chef" (personagem da série) costumava cantar em um estilo que lembra o de seu dublador, Isaac Hayes.

A música tem um papel importante na série. Há episódios, como o especial de Natal e o filme, onde as canções, geralmente, são paródias ou adaptações de outra original. Adam Berry, antigo compositor da série, usou sintetizadores para simular uma pequena orquestra, juntamente com outros instrumentos, como a guitarra acústica.[54] Em 2001, após a saída de Berry, Jamie Dunlap e Nickoley Scott o substituíram.[55] Isaac Hayes redigiu diversas músicas direta ou indiretamente, que abordavam temas sexuais, sendo usadas, principalmente, nas primeiras temporadas.[56] A banda DVDA, formada por Parker e Stone, também foi envolvida em canções de alguns capítulos.

O single tema da sitcom é cantado pelo vocalista Les Claypool e os quatro personagens principais. A composição original apareceu no episódio-piloto, mas de forma lenta, e sua versão instrumental, é usada para os créditos.[57]

South Park teve a participação de vários grupos e artistas. O capítulo que apresentou mais colaborações nesse sentido foi Chef Aid, sendo assistido por Elton John, Ozzy Osbourne, Rick James, Primus, Ween, Meat Loaf, Wyclef Jean, entre outros. Após esse episódio, foi lançado um álbum, Chef Aid: The South Park Album, contendo músicas do show e outras de um capítulo, realizadas por artistas convidados.[58] Outras colaborações notáveis foram: Korn ("Korn's Groovy Pirate Ghost Mystery") e Radiohead ("Scott Tenorman Must Die").[59] [60]

Muitas vezes, aparecem também, as paródias musicais. Por exemplo, no episódio "Christian Hard Rock", há uma sátira ao mercado de discos, à pirataria e à música cristã.[61] [62] Em "Fat Butt and Pancake Head", Cartman (que se chama "Jenifer Jópez"), uma paródia da verdadeira Jennifer Lopez, rouba sua carreira musical e seu namorado, na época, Ben Affleck.[63]

CD Chef Aid: The South Park Album[editar | editar código-fonte]

O CD contendo 22 faixas foi lançado em 8 de dezembro de 1998, contendo em sua maioria músicas do episódio "Chef Aid", da segunda temporada:

1. South Park Theme - Primus (tema de abertura)

2. Nowhere to Run - Ozzy Osbourne/DMX/Ol`Dirty Bastard/The Crystal Method

3. Chocolate Salty Balls - Chef

4. Brad Logan - Rancid

5. Come Sail Away - Eric Cartman

6. Kenny's Dead - Master P

7. Simultaneous - Chef

8. Will They Die 4 U - Mase/Puff Daddy/Lil' Kim/System of a Down

9. Hot Lava - Perry Farrell & DVDA

10. Bubblegoose - Wyclef Jean with Stan, Kyle, Kenny and Cartman

11. No Substitute - Chef

12. Wake Up Wendy - Elton John

13. Horny - Mousse T vs. Hot'n'Juicy

14. Huboon Stomp - Devo

15. Love Gravy - Rick James and Ike Turner

16. Feel Like Makin' Love - Ned Gerblansky

17. The Rainbow - Ween

18. Tonight is Right for Love - Chef and Meat Loaf

19. It's a Rockin' World - Joe Strummer/Flea/Tom Morello/DJ Bonebrake/Benmount Tench/Nick Hexum

20. Mephesto and Kevin - Primus

21. Mentally Dull (Think Tank remix) - Vitro (com o elenco de South Park) remixado por Paul Robb

22. Kyle's Mom a Bitch (hidden track) - Eric Cartman

Filme[editar | editar código-fonte]

Em 1998, menos de dois anos após a estréia do programa, seu primeiro longa metragem foi lançado. South Park: Bigger, Longer & Uncut, uma comédia musical, foi dirigida por Parker, que co-escreveu o roteiro com Stone e Pam Brady. O filme foi em geral bem recebido pelos críticos,[64] arrecadando um total de 83,1 milhões de dólares em bilheteria nacional e internacional.[65] O filme satiriza as controvérsias em torno da própria série, e acabou entrando para a edição de 2002 do Guiness World Records na categoria "Mais Palavrões em Filme de Animação".[66] A canção "Blame Canada", tirada da trilha-sonora do filme, rendeu a seus compositores, Trey Parker e Marc Shaiman, uma indicação ao Oscar de "Melhor Canção Original".[67]

Reconhecimento e prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2007, a revista Time, incluiu South Park em sua lista de "100 Melhores Programas de Televisão de Todos os Tempos", definindo-o como "a melhor fonte de sátiras rápidas e certeiras da América na última década".[68] No mesmo ano, a Rolling Stone nomeou-o o programa mais engraçado da televisão desde sua estréia 10 anos antes.[69] Em 2008, South Park foi nomeado o 12° melhor programa de TV dos últimos 25 anos pela Entertainment Weekly,[70] enquanto a AOL afirmou que ele continha os personagens "mais astutos" de qualquer programa da história ao declará-lo a 16ª melhor série de comédia de todos os tempos.[71] O personagem Cartman foi listado na 10ª posição dos "50 Maiores Personagens de Animação" da TV Guide em 2002,[72] 198ª entre os "200 Maiores Ícones da Cultura Pop" do VH1,[73] 19ª entre os "100 Maiores Personagens da TV" do especial televisivo do canal a cabo Bravo em 2004[74] e 2ª entre os "Personagens mais Assustadores da TV" da MSNBC em 2005.[75] Na lista de "100 Maiores Desenhos Animados" do Channel 4 em 2004, South Park ficou em terceiro lugar, atrás apenas de Tom and Jerry (2°) e The Simpsons (1°).[76]

Em 2006, o Comedy Central recebeu o Prêmio Peabody em homenagem aos "rigorosos comentários sociais" de South Park e por seu "inegável destemor em satirizar tudo de hipócrita e arrogante na sociedade americana".[35]

South Park venceu o Prêmio CableACE de "Melhor Série de Animação" em 1996, último ano em que a premiação foi realizada.[77] Em 1997, o programa foi indicado ao Prêmio Anne de "Melhor Série de Fim de Noite" e ao Prêmio GLAAD de "Melhor Episódio" por "Big Gay Al's Big Gay Boat Ride", exibido originalmente em 4 de setembro de 1996.[28]

South Park foi indicado ao Prêmio Emmy de "Melhor Programa de Animação (com menos de uma hora de duração)" nove vezes (1998, 2000, 2002, 2004, 2005, 2006, 2007, 2009 e 2010), vencendo três vezes: em 2005 pelo episódio "Best Friends Forever", em 2006 por "Make Love, Not Warcraft" e em 2009 por "Margaritaville".[77] A trilogia de episódios "Imaginationland" venceu o Emmy de "Melhor Programa de Animação (com mais de uma hora)" em 2008.[78]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Internacionalmente, South Park é transmitido na Índia, Nova Zelândia e diversos países na Europa e América Latina, em canais afiliados ao Comedy Central,MTV e VH1, ambas subsidiárias da Viacom.[35] A partir de acordos de distribuição com o Comedy Central, outras redes independentes também transmitem a série em diversos mercados internacionais. Na Austrália, o programa é transmitido pelos canais The Comedy Channel, GO! e SBS One[79] . É exibida sem cortes no Canadá pela Télétoon, TQS e The Comedy Network[80] , pelo TG4 na Irlanda[81] , Bip em Israel,[82] SIC Radical[83] e MTV[84] em Portugal, 2×2 na Rússia,[85] STV na Escócia[86] e B92 na Sérvia.[87]

As treze primeiras temporadas de South Park estão disponíveis na íntegra em DVD. Várias compilações temáticas foram lançadas no mesmo formato pela Rhino Entertainment e Comedy Central,[88] enquanto o episódio triplo "Imaginationland" foi relançado direto em DVD em 2008.[89]

Em março de 2008, o Comedy Central disponibilizou todos os episódios de South Park em streaming no website do South Park Studios.[90] Em uma semana, o site registrou mais de um milhão de exibições,[90] com o número crescendo para 55 milhões em outubro de 2008.[91] Questões jurídicas impedem que o conteúdo dos Estados Unidos seja exibido fora do país, o que levou à instalação de servidores em outras localidades. No Canadá, episódios estão disponíveis no site do The Comedy Network,[92] e em setembro de 2009, uma versão britânica do site do South Park Studios foi lançada no Reino Unido para disponibilizar os episódios.[93]

Exibição no Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil South Park foi exibido em diversos canais. Os primeiros a exibirem foram o Multishow e a MTV na versão legendada. A versão dublada foi exibida em meados de 2000 pelo extinto canal Locomotion, em 2006 pelo VH1, e mais tarde pelo canal Comedy Central Brasil. Atualmente a série é exibida na MTV (Brasil) e Comedy Central Brasil..

Dublagem Brasileira[editar | editar código-fonte]

A dublagem de South Park em português é feita em Miami, em estudios especializados em dublagem, e com brasileiros residentes nos Estados Unidos.

Personagem Dubladores
Eric Cartman Marta Rhaulin (1-16 temporada), Carla Cardoso (17 temporada)
Stan Marsh Edna Mayo (1-3 temporada), Iara Watlington (4 temporada), Carla Cardoso (5-presente)
Kyle Broflovski Marta Rhaulin (1-16 temporada), Carla Cardoso (17 temporada)
Kenny McCormick Paulo Carvalho (7-16 temporada), Gerson Quadrado (17 temporada)
Butters Stotch Eduardo Schneider (3-7 temporada), Lilian Viana (7-presente)
Clyde Donovan Paulo Carvalho (7-16 temporada), Alexandre Neto (17 temporada)
Jimmy Valmer Gustavo Nader (5 temporada), Eduardo Schneider (6-7 temporada) Carla Cardoso (7-presente)
Craig Tucker Erlaine Fonseca (3-7, 10-11 temporada), Carla Cardoso (8-9, 12-presente)
Randy Marsh Roberto Colla (3-6 temporada), Alex Correa (7-presente)
Sharon Marsh Ana Paula Apollonio (7, 10-11 temporada), Lilian Viana (8-9, 12-presente)
Liane Cartman Elizabeth Costa (3-6, 17 temporada), Marta Rhaulin (7-16 temporada)
Sheila Broflovski Lilian Viana (7,10-11 temporada), Nair Peralta (8-9,12-presente)
Gerald Broflovski Roy Fernandes (7,10-11 temporada), Sérgio Vigano (8-9,12-16 temporada), Gilberto Cardoso (17 temporada)
Jimbo Kern Roy Fernandes (1-2, 7-presente), Eduardo Schneider (3-6 temporada), Erlaine Fonseca (10-11 temporada)
Chef Alex Teixeira (1-7, 10 temporada), Roberto Ciantelli (8-9 temporada)
Ike Broflovski Carla Cardoso (1-presente)
Toalhinha Erlaine Fonseca (5-presente)
Sr. Mackey Rolando Felizola (1-5 temporada), Roy Fernandes (6-presente)
Sr. Garrison Cleber de Castro (1-6, 8-9, 12-15 temporada), Roberto Ciantelli (7, 10-11 temporada), Marcelo Silva (16-presente)
Diretores de dublagem Marta Rhaulin (1-7, 10-11), Gerson Quadrado (8-9, 12-presente)
Estudios de Dublagem BVI Communications (1-2), Globecast Productions (3-5), The Kitchen (6-9, 13-presente), Gisele Garbin Guerra (10-12)

Games da série[editar | editar código-fonte]

Entre vários jogos da série, o mais popular e mais recente é o Stick of Truth(2014), no estilo de RPG. Nele, o jogador protagoniza uma criança que se muda para South Park e, ao sair de casa, descobre que uma brincadeira no estilo medieval está sendo feita pelos garotos da cidade: humanos e elfos lutam pela posse do poderoso "Stick of Truth", pois aquele que o possuir, pode controlar o universo. No início, o jogador acompanha Butters, o paladino, até o reino de Kupa Keep, o domínio humano onde reside o Grande Mago, Eric Cartman, o qual lhe permite a escolha de uma das 4 classes: Guerreiro, Ladrão, Feiticeiro ou Judeu. As batalhas são feitas em turno e o jogador pode manter um parceiro ao seu lado.

Referências

  1. Lake, Dave (2009). The 10 Most Controversial 'South Park' Episodes MSN TV.
  2. 'South Park' duo draw up lucrative deal Reuters (28 de agosto de 2006).
  3. Season 15 Premiere South Park Studios.
  4. "'South Park' to return on Oct. 5, and all the way through 2012. Kick-ass". PopWatch
  5. Trey Parker, Matt Stone. "South Park" - The Complete Fifth Season [DVD]. Mini-comentário sobre o episódio "Butters' Very Own Episode"
  6. a b c Griffiths, Eric (21 de junho de 2007). Young offenders New Statesman.
  7. a b c d e f g Heffernan, Virgina (28 de abril de 2004). Critic's Notebook; What? Morals in 'South Park'? The New York Times.
  8. a b c d Jaime J. Weinman (12 de março de 2008). South Park grows up Macleans.ca.
  9. Stan Marsh South Park Studios.
  10. a b Jeffrey Ressner and James Collins (23 de março de 1998). Gross And Grosser Time.
  11. FAQ: October 2008 South Park Studios (8 de outubro de 2008).
  12. FAQ: January 2005 South Park Studios (11 de janeiro de 2005).
  13. Raphael, Rebecca (22 de maio de 1998). Who is Andrew Philip Kyle? New Voices.
  14. William Cohen (4 de novembro de 2005). Respect Its Authoritah! The Cornell American.
  15. Randy Fallows (Janeiro de 2002). The Theology of South Park The Institute for the Study of American Popular Culture.
  16. Fagin, Barry (maio de 2000). Goin' Down to South Park: How kids can learn from 'vile trash' www.reason.com.
  17. Show Disclaimer – South Park Studios South Park Studios. Cópia arquivada em 27 de julho de 2008.
  18. Comedy Central makes the most of an irreverent, and profitable, new cartoon hit The New York Times (10 de novembro de 1997).
  19. Huff, Richard (6 de abril de 1998). 'South Park's' still top dog on basic cable www.nydailynews.com.
  20. Sylvia Rubin (26 de janeiro de 1998). TV 's Foul-Mouthed Funnies San Francisco Chronicle.
  21. Bernstein, Abbie (27 de outubro de 1998). South Park – Volume 2 AVRev.com.
  22. Jake Trapper and Dan Morris (22 de setembro de 2006). Secrets of 'South Park' ABC News.
  23. Devin Leonard (27 de outubro de 2006). 'South Park' creators haven't lost their edge CNN.
  24. a b Blacker, Terence (5 de janeiro de 1999). Crude, violent – but quite brilliant – Arts & Entertainment – The Independent www.independent.co.uk.
  25. Acosta, Belinda (17 de agosto de 2001). Screens: TV Eye www.austinchronicle.com The Austin Chronicle.
  26. South Park' way crude for kids www.enquirer.com (20 de maio de 1998).
  27. Blame Canada!: South Park And Popular Culture - Toni Johnson-Woods - Continuum - ISBN 978-0826417312(2007)
  28. a b c "Television: Lowbrow and proud of it" - The Independent, 29 de março de 1998
  29. Loud and lewd but sweet underneath.
  30. a b "Loud and lewd but sweet underneath" - The Age, 14 de dezembro de 2006
  31. "Who is Andrew Philip Kyle?" - New Voices, 22 de maio de 1998
  32. a b "Social satire keeps 'South Park' fans coming back for a gasp, and a laugh" - Seattle Post-Intelligencer, 2 de outubro de 2006
  33. "At 10, 'South Park' still bites" - Rocky Mountain News [ligação inativa]
  34. South Park and Philosophy: You Know, I Learned Something Today - Robert Arp / Per F. Broman / Henry Jacoby - Blackwell Publishing (The Blackwell Philosophy & Pop Culture Series) - ISBN 978-1-4051-6160-2 (2006)
  35. a b c d e Devin Leonard (27 de outubro de 2006). 'South Park' creators haven't lost their edge CNN.
  36. Gregoris, Michael (9 de novembro de 2007). The evolution of South Park www.gazette.uwo.ca.
  37. Trey Parker, Matt Stone. The Tonight Show with Jay Leno. Entrevista de Parker e Stone ao The Tonight Show with Jay Leno
  38. a b Trey Parker & Matt Stone. Entrevista. Matt Stone, Trey Parker, Larry Divney 'Speaking Freely' transcript. 1 de março de 2002.
  39. Halbfinger, David M. (27 de agosto de 2007). 'South Park' Creators Win Ad Sharing In Deal The New York Times.
  40. Driver, Dustin. South Park Studios: No Walk in the Park Apple Inc..
  41. Melanie McFarland (2 de outubro de 2005). Social satire keeps 'South Park' fans coming back for a gasp, and a laugh Seattle Post-Intelligencer.
  42. Taking South Park Seriously - Jeffrey Andrew Weinstock / Randall Fallows - SUNY Press - ISBN 978-0791475669 (2008)
  43. 'South Park' creators haven't lost their edge (em inglês) CNNMoney (2006). Visitado em 21 de janeiro de 2013.
  44. 'South Park' creator on his tricky Obama-beats-McCain election episode (em inglês) Los Angeles Times (2008). Visitado em 21 de janeiro 2013.
  45. W‘South Park’ Creators Win Ad Sharing in Deal (em inglês) New York Times (2007). Visitado em 17 de novembro de 2012.
  46. South Park Studios: No Walk in the Park (em inglês) Apple (2008). Visitado em 17 de novembro de 2012.
  47. Park Life (em inglês) Rolling Stone (2006). Visitado em 17 de novembro de 2012.
  48. Gross And Grosser (em inglês) Time Magazine (1998). Visitado em 17 de novembro de 2012.
  49. "As Crappy As Possible": The Method Behind the Madness of South Park (em inglês) Creative Planet (1998). Visitado em 17 de novembro de 2012.
  50. Oh my God, 'South Park' killed a decade! (em inglês) Seattle Pi (2006). Visitado em 17 de novembro de 2012.
  51. It Ain't Easy Making South Park Cheesy (em inglês) Wired (1997). Visitado em 17 de novembro de 2012.
  52. South Park Now in HD (em inglês) IGN (2009). Visitado em 17 de novembro de 2012.
  53. Major Boobage: Production Process (em inglês) (2009). Visitado em 17 de novembro de 2012.
  54. [httphttp://www.soundtrack.net/content/article/?id=7 Entrevista com Adam Berry] (em inglês) Soundtrack.net. Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  55. South Park: Where The Sound Ain't No Joke! (em inglês) Digizine (2005). Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  56. Murió Isaac Hayes (em espanhol) BBC (2008). Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  57. South Park Studios FAQ (em inglês). Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  58. Chef Aid: The South Park Album (em inglês) allmusic. Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  59. Korn To Premiere New Track During "South Park" Special (em inglês) MTV (1999). Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  60. Radiohead drawn into South Park (em inglês) BBC (2001). Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  61. AChristian Rock Hard (em inglês) South Park Scriptorium. Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  62. South park y la pirateria (em inglês) Zappnet. Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  63. «Fat Butt and Pancake Head - Recap (em inglês) TV.com. Visitado em 22 de janeiro de 2013.
  64. "South Park: Bigger, Longer & Uncut (1998)" - Rotten Tomatoes
  65. "South Park – Bigger, Longer and Uncut (1998)" - boxofficemojo.com
  66. "Pop Culture News : News + Notes : Entertainment Weekly" - Guinness Book of World Records
  67. "– Entertainment – Raunchy song's creators tuning up for Oscar night" - CNN, 23 de março de 1999
  68. "South Park — The 100 Best TV Shows Of All-Time" - Time, 14 de agosto de 2007
  69. "Still Sick, Still Wrong" - Rolling Stone, 22 de março de 2007
  70. "The New Classics: TV" - Entertainment Weekly, 17 de junho de 2008
  71. "50 Best TV Comedies – Ever" - Inside TV Blog, abril de 2008
  72. "TV Guide's 50 greatest cartoon characters of all time" - CNN, 30 de julho de 2002
  73. From Abba to Zoom: A Pop Culture Encyclopedia of the Late 20th Century - David Mansour - Andrews McMeel Publishing, LLC - ISBN 0740751182 (2005)
  74. "The 100 Greatest TV Characters" - Bravo
  75. "TV's top 10 scariest characters" - MSNBC, 1 de novembro de 2005
  76. "Channel 4 100 GREATEST CARTOONS page" - Channel 4
  77. a b "South Park Awards" - About.com
  78. "2008 Creative Arts Emmy winners" - Academy of Television Arts & Sciences
  79. "SBS Special Broadcasting Service" - www.perthsites.com
  80. "South Park to air in French this fall" - CBC News
  81. "TG4 gives South Park early evening slot: ThePost.ie" - archives.tcm.ie
  82. "Comedy Central to Launch One Hour Nightly Programming Block in Israel in Association With Mega TV" - www.timewarner.com
  83. "South Park" - sicradical.chilltime.com
  84. [1] - SAPO
  85. "'South Park' banned in Russia?"New York Post
  86. "Brace yourself Scotland: STV has some depressingly cliched programme ideas" - The Guardian'
  87. "South Park heads north" - www.c21media.net
  88. "Videos" - The Seattle Times, 20 de maio de 1999
  89. "Trey Parker & Matt Stone" - A.V. Club, 19 de março de 2008
  90. a b "'South Park' Creators Trey Parker And Matt Stone And Comedy Central Launch The All-New Southparkstudios.com" - southparkstudios.com
  91. "BB Exclusive: Sneak Peek At South Park's Sweet, Yet-Unreleased iPhone App" - Boing Boing
  92. "South Park: Now streaming" - communities.canada.com
  93. "SouthParkStudios.co.uk Has Arrived" - southparkstudios.co.uk

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: South Park
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre South Park