Souto Soares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Souto Soares
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Fundação 5 de julho de 1962
Gentílico soutosoarense
Prefeito(a) Amarildo Neves de Souza (PV)
(2013–2016)
Localização
Localização de Souto Soares
Localização de Souto Soares na Bahia
Souto Soares está localizado em: Brasil
Souto Soares
Localização de Souto Soares no Brasil
12° 05' 20" S 41° 38' 16" O12° 05' 20" S 41° 38' 16" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Centro Norte Baiano IBGE/2008[1]
Microrregião Irecê IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Seabra, Iraquara, Mulungu do Morro, Barro Alto e Barra do Mendes.
Distância até a capital 477 km
Características geográficas
Área 1 095,850 km² [2]
População 15 899 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 14,51 hab./km²
Altitude 800 m
Clima semi-árido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,592 baixo PNUD/2010 [4]
PIB R$ 55 533,075 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 924,02 IBGE/2008[5]
Página oficial

Souto Soares é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2010 era de 15.899 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade fica situada na região da Chapada Diamantina estado da Bahia. Faz limite com os municípios Seabra, Barro Alto, Mulungu do Morro, Barra do Mendes e Iraquara. Com uma área de 1.096 km², localiza-se a uma Altitude de 831 m, Latitude de 12°05'0?, e Longitude de 41º39'0?. Está situada a 487 Km de distância da capital. Surgiu no início do século XIX. O crescimento da agricultura e da pecuária foram as principais causas do surgimento de Souto Soares.No início do século XX, na Chapada Diamantina, coração da Bahia, havia alguns povoados e vilas com pouca ligação entre si. Numa extremidade existia a Vila do Morro do Chapéu e o seu Distrito Caraíbas, atual Cidade de Irecê. Na outra extremidade ficavam a vila de Lençóis, Arraial das Palmeiras e a Vila Campestre, atuais municípios de Lençóis, Palmeiras e Seabra. O coronel Horácio de Matos chefiava toda região e não tardou para que seu irmão, Francisco de Matos, ali fosse se estabelecer e construir as primeiras casas juntamente com João Crispino Pires, Barnabé Gaspar e seu filho Braz Gaspar. Logo o arraial se desenvolve e recebe o nome de Ouricuri, coqueiro abundante e nativo da localidade.No ano de 1926, os revoltosos da Coluna Prestes passaram pelo local aterrorizando seus moradores. Contudo, somente alguns anos mais tarde a paz voltou a reinar naquela região, passando por um ano de dificuldades. Com o desenvolvimento da agricultura e da cana, em 1933, aconteceu a primeira feira de venda de cachaça na região. Em 1938, inicia-se a construção da 1ª Igreja do lugar.João Batista foi escolhido para ser o padroeiro da cidade. Nessa época, o principal meio de transporte usado era o animal (Jegue, Cavalo), e o carro de Boi. Já em 1944, uma Igreja Presbiteriana foi construída tendo a frente das obras o Senhor Amando Bastos, surgindo outras posteriormente. Era um período em que as pessoas sentiam dificuldades em aprender a ler e escrever, mas apareciam os primeiros professores particulares,a exemplo do Senhor Severino Rodrigues. Até fins da década de 40, era um arraial com poucos moradores que na maioria se dedicava ao cultivo do milho, feijão, mandioca, cana e as atividades comerciais. No ano de 1953, através da Lei Estadual 628, passou a ser distrito recebendo o nome de Licuri, pertencente ao Município de Seabra. O Sr. Rosalvo Pinto, oficial do Registro Civil e vereador pelo então povoado de Ouricuri, foi um dos lutadores para que o mesmo se emancipasse, sendo seus esforços recompensados em 5 de julho de 1962, quando a Lei Estadual nº 1.700, desmembrava Ouricuri de Seabra, criando o município de Souto Soares, nome este que homenagem ao médico de toda região, Dr. João Souto Soares Souto Soares Nos dias atuais, a cidade é bastante conhecida pela produção de cachaça artesanal, produto famoso e apreciado pelos turistas que visitam o local.

Economia[editar | editar código-fonte]

Agricultura de subsistência ou agricultura familiar. O município não possui grandes latifundiários, por isso a sua produção de grão é pequena, porém significante proporcionalmente à sua população e à sua extensão.

Produz feijão, milho, mamona, mandioca e cana para a produção de cachaça artesanal e rapadura.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 25 de agosto de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.