Sphynx

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde abril de 2013).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Sphynx
Sphinx2 July 2006.jpg

Gato sphynx ou pelado canadense

País de origem
 Canadá
Padrões da raça (links externos)

Origem e História da raça[editar | editar código-fonte]

O Sphynx, não é fruto de manipulações genéticas. O gene responsável pela sua nudez é a alopécia hereditaria e é recessivo.

No ano de 1966 em Ontário no Canadá, uma gata numa quinta por volta do meio dia, deu a luz em uma ninhada um gato totalmente nu. Na ninhada seguinte voltou a acontecer o mesmo, então estes gatos deram origem a uma nova raça que começaram a ser chamados "Moon's Cats" (Gatos da Lua), em seguida de "Canadian naked" ou Canadense Nu e finalmente como nome que tem actualmente SPHYNX:

Muitas criações por todo o mundo começam a trabalhar na nova raça para tentar fixar os caracteres e fazem cruzamentos sucessivos com outras raças (Devon-Rex, Cornish-Rex e Americano de pelo curto).

Os cruzamentos com Devon-Rex foram entretanto abandonados devido a uma doença genética mortal chamada Spaticity.

Em 1970, a Cat Fanciers' Association (CFA) concedeu um estatuto provisório de raça ao Canadense nu mas, no ano seguinte esse reconhecimento foi retirado devido a problemas de saúde e dificuldades na criação. Nessa altura acreditava-se que o gene associado à falta de pêlo era letal, no entanto essa linha de sphynx acabou por desaparecer.

O Sphynx como o conhecemos hoje em dia nasceu em 1975, quando os agricultores Milt e Ethelyn Pearson descobriram um gatinho sem pêlo numa ninhada de Jezabelle, a sua gata, que tinha um "casaco" absolutamente normal. Este gatinho, curiosamente chamado Epidermis (epiderme) juntou-se a outro gatinho sem pêlo chamado Dermis (derme). Os dois foram vendidos a uma criadora do Oregon, Kim Mueske, que os usou para fazer nascer a nova raça. No Minnesota, Georgina Gattenby também trabalhou a linha dos Pearson, usando gatos vermelhos para fortalecer a mistura de genes. Esta linha mostrou-se ser muito saudável. O nome sphynx (esfinge) foi escolhido pela semelhança com a grande esfinge de Gizé, Egito.

Em 1978, a criadora canadense Shirley Smith ficou com um gatinho sem pêlo chamado Bambi, que neutralizou e manteve como animal de companhia. A mãe de Bambi deu à luz mais dois gatinhos sem pêlo que foram enviados, em 1983, a um holandês. O doutor Hernandez criou os dois gatinhos, Punkie e Paloma, e juntou-os a um Devon Rex. A sua descendência, em conjunto com os descendentes dos gatos dos Pearson, foram a fundação da raça sphynx. Os criadores entretanto descobriram que, embora o gene «sem pêlo» fosse recessivo para com o gene do pêlo curto, mostrava-se dominante perante o gene do pêlo dos Devon Rex, o que fez aumentar o número de membros da nova raça.

Em Fevereiro de 1998, o registo do sphynx foi aceite pela CFA. o que potenciou o desenvolvimento da raça. Em 2000, 120 sphynx estavam inscritos na associação, o que lhe garantia o 33º lugar em 40 raças reconhecidas.

Aparência[editar | editar código-fonte]

Quem os vê pela primeira vez chega a assustar, pois o padrão de felinos (gatinhos) que as pessoas tem não condiz com o visual que os Sphynx apresentam, o Spynx é um gato de corpo musculado de aparência fina mas de ossatura forte.

  • Cabeça – Angulosa de forma triangular com a fronte plana e com rugas, maçãs do rosto bem salientes.
  • Nariz – Largo, curto e com stop bem definido ( o nariz direito é penalizado nesta raça ).
  • Olhos – Grandes em forma de limão, um pouco oblíquos, bem espaçados, e com um olhar muito expressivo.
  • Todas as cores são admitidas.
  • Orelhas – Grandes, quanto maiores melhor, bem afastadas e largas na base, com os bordos arredondados.
  • Patas - Devem ser longas, finas e musculosas, com os pés ovais de dedos longos, com almofadas bem espessas.
  • Pele – O mais nua possível, com uma textura que lembra a camurça ou a pele do pêssego, quente ao toque e muito agradável de acariciar, deve conservar rugas no pescoço, peito e patas.
  • Só são admitidos pelos na base das orelhas, nariz, ponta da cauda e testículos. (A falta de rugas também é penalizada em exposições.) Todas as cores e padrões são admitidos.
  • Ventre – Cheio e redondo, como depois de uma refeição farta.
  • Cauda – Longa e afilada.
  • Temperatura do corpo é em torno de 39ºC (Ser Humano é de 36ºC), dando a impressão de que estão com febre.

Por não possuir pelos, essa raça é muito procurada por pessoas desinformadas que acham que pelos provocam alergia, quando na realidade o fator causador encontra-se nas descamações da pele dos animais. Portanto, deve-se deixar claro que esta raça não é hipoalérgenica.

Comportamento[editar | editar código-fonte]

O Sphynx é um gato muito afetuoso até possessivo, muito agarrado ao seu dono, tipo "chiclete-no-sapato", gosta muito de ser mimado. É um gato vivo sociável, muito inteligente, enérgico, muito brincalhão e nunca agressivo.

Quando o dono chega a casa procura imediatamente a sua companhia e recebe-o com grandes demonstrações de carinho e muita brincadeira.

O comportamento destes animais são admiráveis chegando a eleger um dono ao qual se dedicará até o fim de suas vidas. A ausência de bigodes, os tornam muito desajeitados as vezes não conseguindo subir em lugares altos, desequilibrando facilmente.

De acordo com o standard francês, o sphynx é macaco, cão, criança e gato misturados. Ou seja, gostam de acrobacias, sao leais e seguem os humanos para todo o lado de cauda levantada e felizes da vida, estão sempre a pedir atenção por parte dos donos e, finalmente, são gatos.

Cuidados[editar | editar código-fonte]

O Sphynx, como todos os gatos, é capaz de fazer a sua própria higiene, mas devido às suas características necessita de alguns cuidados extras para a sua higiene. Como a sua pele por falta de pêlo não elimina a gordura, deve ser limpo com um pouco de leite de toillete para bebé, toalhetes sem álcool ou lenços umedecidos, uma vez por semana. Deve-se observar que loções adstringentes limpam de fato a oleosidade da pele mas sem o devido cuidado pode haver o ressecamento da pele do animal gerando uma escamação anormal ou em casos mais graves até feridas...

Banho, uma vez por mês com um xampu neutro. Este procedimento além de tonificar e facilitar a circulação evita problemas de pele (dermatoses).

Cuidado com o sol direto pois a sua pele como é nua bronzeia com muita facilidade podendo ocorrer queimaduras solares. Alguns criadores passam protetor solar nos animais mas, como os protetores são em sua maioria gordurosos, a oleosidade da pele pode aumentar visivelmente multiplicando exponencialmente os cuidados...

Os canais lacrimais devem ser limpos com uma loção (Optrex) ou soro fisiológico, pois produzem uma geleia acastanhada.

Orelhas, devem ser limpas uma vez por semana pois criam um cerùmen castanho, uso normalmente Otoclean que ajuda a evitar problemas com otites.

Limpar também as patas assim como as almofadas retirando corpos estranhos e cortar regularmente as unhas com alicates próprios para o efeito.

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Deve ser usada uma alimentação a base de croquetes, topo de gama rica em calorias pois o Sphynx precisa de uma alimentação forte devido a perda de calor pela sua pele nua. Ter sempre água limpa e fresca a sua disposição.

Todos os gatinhos devem ser desparasitados uma vez por mês até aos 6 meses, depois de 6 em 6 meses na fase adulta. Desparasitar sempre antes do rappel das vacinas que deve ser feito todos os anos.

Fontes: