Spider-Man 2099

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Spider-Man 2099
Spider Man 2099 Comic Con.jpg

Dados da publicação
Publicado por Marvel Comics
Primeira aparição Spider-Man 2099 #1 (Novembro de 1992)
Criado por Peter David
Rick Leonardi
Características do personagem
Alter ego Miguel O'Hara
Afiliações Exilados
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

Spider-Man 2099, (Homem-Aranha 2099 (título no Brasil) ) foi um versão do super-herói Homem-Aranha criada no ano de 1992 por Peter David e Rick Leonardi para a Marvel Comics. Foi um dos primeiros super-heróis do que viria a ser o universo Marvel 2099, uma dimensão futurista distópica e cyberpunk, diferente do ambiente dos super-heróis da linha editorial Marvel tradicional.

Biografia ficcional[editar | editar código-fonte]

Miguel O’Hara, o herói aracnídeo do futuro, não ganhou seus poderes nos tempos de colégio. Além disso, nas histórias, a angústia adolescente não foi um tema explorado. Já adulto, trabalhava como chefe de um projeto de aprimoramento genético da Alchemax, inspirado nas capacidades do Homem-Aranha original.

O’Hara teve o destino drasticamente alterado após um trágico experimento que visava ampliar a força de um condenado, usado como cobaia. O resultado foi a morte desse indivíduo. Decidido a abandonar a companhia, Miguel foi logrado pelo magnata Tyler Stone, que o contaminou com um alucinógeno chamado Êxtase. Uma vez ingerida, a substância tornava a pessoa tão dependente quanto o oxigênio.

O’Hara parecia não ter escolha a não ser se submeter ao jogo da nefasta Alchemax. Como havia usado seu próprio código genético em algumas experiências, decidiu fazer uso do material para reestruturar sua estrutura molecular e assim livrar-se da dependência do Êxtase. Teria funcionado, se seu superior Aaron não interferisse, misturando a programação de O’Hara com os códigos do Projeto Aranha. Saído de uma câmara de visual diferente, o transformado Miguel já revelou que seus poderes, também, não eram exatamente os mesmos de Peter Parker.

A força e a agilidade, iguais às de uma aranha, continuavam as mesmas. Daí para frente, o Aranha do futuro herdou um pouco mais de um aracnídeo genuíno. Garras retráteis brotavam de suas mãos e pés,sua visão tornou-se mais sensível, o fluido de teia era produzido em seus ante-braços e lançado naturalmente e nasceram ainda peçonhas capazes de inocular veneno.

Se Peter Parker pensou de início em ganhar dinheiro com seus poderes e em combater o mal apenas após o assassinato do Tio Ben, Miguel O’Hara não teve as mesmas oportunidades e já foi obrigado, de início, a lutar por sua sobrevivência. Trajando roupa de moléculas instáveis azul com caveira aracnídea estampada na frente, tecido ultraleve colado para planar nas correntes de vento o que viria a ser o uniforme do novo herói o Aranha 2099 teve como primeiro desafio o superciborgue Risco, contratado da Alchemax para capturá-lo.

Tudo o que Miguel não queria era virar super-herói. Pretendia se livrar de suas habilidades sobre-humanas o mais rápido possível. Para mostrar como sua atitude começou a mudar, é necessária uma rápida apresentação do elenco que marcou a série. Gabriel O’Hara, o irmão de Miguel, tinha o hábito pouco saudável de se envolver com mulheres problemáticas. Quando sua namorada Kasey, uma despojada terrorista, é capturada pela Alchemax, Gabe recorre a Miguel, na cena em que apareceu, pela primeira vez, em 2099 o sagrado mantra com grande poder, vem grande responsabilidade. Para resgatá-la, o Homem-Aranha do futuro enfrenta um samurai da Stark-Fujikawa e oficiais do Olho Público. Depois cai no misterioso submundo, onde encontra e enfrenta o canibal Abutre.

O’Hara começava assim a se dar conta da importante responsabilidade que deveria assumir. De volta á cidade alta, descobre que seus atos estavam contagiando o povo, quase criando uma nova religião, com pessoas vestindo trajes similares ao seu e que se chamavam aracnitas. Quando visita sua mãe no asilo Lar Vale Feliz, relembra a relação complicada com o pai e vê o quanto ela admira o Aranha. O novo super-herói renasce, agora convicto de sua missão.

Inimigos[editar | editar código-fonte]

Muitos dos inimigos do Aranha 2099 eram versões dos inimigos do Homem-Aranha original:

  • Abutre 2099
  • Anti-Venom 2099
  • Duende 2099

Porém, outros eram totalmentes diferentes:

  • Alchemax
  • Risco
  • Olho Público
  • Stark-Fujikawa
  • Família Stone
  • Deuses de Asgard
  • O Especialista
  • Atrocity
  • Doutora Octopus
  • Dr. Mistério

e vários outros.

Entre os aliados podemos considerar os outros heróis do universo 2099 que, vez por outra, encontravam com o Aranha.

Publicação no Brasil[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 1993, o personagem ganhou um título próprio em formatinho[1] pela Abril Jovem. A revista durou 39 números[2] e no número 35 foi publicado o crossover entre Miguel O'Hara e Peter Parker, o Homem-Aranha original[3] .

Referências

  1. Marcelo Miranda. MARVEL ESPECIAL # 18 - MARVEL 2099 Universo HQ.
  2. Heitor Pitombo. (junho de 2007) "Marvel - 40 Anos de Brasil" (em português). Revista Crash 5: 15 a 21. Editora Escala. ISSN 19808739.
  3. Marcus Vinicius de Medeiros (22 de maio de 2002). Homem-Aranha 2099 Omelete.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]