Splatterhouse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Splatterhouse é uma série de videogames da Namco onde o personagem principal, Rick, sai distribuindo bordoadas em hordas de mostros dos mais estranhos e nojentos. O jogo tem todas as suas versões um clima macabro.

Origens[editar | editar código-fonte]

Rick: o personagem principal[editar | editar código-fonte]

O herói

Rick possui uma forte semelhança física a Jason Voorhees (de Sexta-feira 13). Basicamente nos traços da máscara da versão Japonesa do jogo.
Provavelmente uma brincadeira da Namco com a imagem do vilão dos filmes da série de terror.
Esta referência / homenagem / brincadeira com a imagem de Jason Voorhees foi modificada na versão americana, onde a coloração da máscara foi trocada para vermelha. O que infelizmente retira todo o intuito original sobre o personagem.

A máscara[editar | editar código-fonte]

O anti-herói.

A "máscara do terror" ou simplesmente "a máscara": um artefato antigo de origem desconhecida. Possui vida própria e se manifesta quando unida a outro ser vivo. Demonstra que possui consciência, é capaz de seduzir seu "futuro utilizador" falando através de telepatia, mantendo sempre uma comunicação com o "hospedeiro". Sua verdadeira origem e idade é desconhecida. A nova versão "Splatterhouse 360 / PS3" cita que a máscara viu a destruição de muitas civilizações e inclusive dimensões paralelas. O primeiro capítulo da nova versão do novo Splatterhouse é intitulado "Satan´s Masque". Esse nome claramente destaca a máscara como de uma origem não muito amigável.

O objetivo[editar | editar código-fonte]

Jennifer.

Nos três primeiros jogos Jennifer é somente uma personagem secundária e seu passado é muito raso. Através do Manual do Splatterhouse no TurboGraf-16 sabemos que Jennifer estudava parapsicologia com Rick e que ela sumia dentro assim que entravam na casa e Rick era atingido por algo desconhecido. Em Splatterhouse 1, Jennifer é transformada em um monstro horrendo, um dos chefes, e é morta por Rick. Em Splatterhouse 2, Jennifer estava morta e foi resgatada por Rick e pela máscara, do mundo dos mortos / vazio (the void). Em Splatterhouse 3, Jennifer é um personagem mais passivo que nos outros episódios, é motivo do jogador correr por dois estágios para evitar a morte dela por um monstro, ou que seja dominada por uma criatura que está dentro dela. Em Splatterhouse 360 / PS3, a história de Rick e Jennifer é trazida um pouco mais a tona. Jennifer é então relatada como extremamente provocante e sensual, atraindo a atenção de Rick de todas as formas.

A série foi criada inicialmente para arcade, Turbografx-16, FM Towns Marty e NEC PC. Tinha scroll lateral, como em Last Battle. A versão para o Nintendo 8 bits, com o subtitulo "Wanpaku Graffiti" (Graffiti Travesso), adquire um tom humorístico. Os personagens são desenhados no estilo "Super Deformed" criando uma atmosfera de paródia. Já a sequência propriamente dita game saiu diretamente para o Mega Drive. Esta era a famosa versão onde ele podia estourar cabeças de monstros com uma barra de ferro. Quando a onda Street Fighter 2 estourou e a versão de Super Nintendo foi um dos jogos para consoles mais vendidos da história, eis que outras produtoras foram buscar inspiração no game da Capcom assim como fez a Sega com Streets of Rage 2. A Namco, claro, não queria ficar atrás fez o Splaterhouse 3, com 16 megas, gráficos e sons muito bons e o que era macabro, acabou por "piorar" mais ainda (no sentido figurado). A jogabilidade mudou drasticamente em comparação a versão anterior. O jogo não possuía mais scroll horizontal e sim como em Final Fight e o já citado Streets of Rage. O personagem coletava orbs ao longo das fases e com os inimigos abatidos e assim, se transformava em "Mutant Rick", uma versão "Zangief" do herói, com golpes mais poderosos, inclusive um "pile driver" no melhor estilo do Russo de Street Fighter 2.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Rick é escolhido por uma máscara sobrenatural. Ela o ajuda em sua jornada para salvar a vida de sua amada, poupando-a de ser destroçada e devorada por hordas de demônios e zumbis.

Tudo começa quando o casal decide ir à West Mansion, para fazer um artigo sobre o local, pois ambos eram estudantes de parapsicologia e muito se falava sobre a Mansão e seu dono, Dr. West, que diziam conduzir experimentos grotescos que valeram à mansão a alcunha de "Splatterhouse". Quando Rick e Jennifer chegam perto da mansão, uma forte tempestade começa, fazendo com que procurem abrigo dentro dela. Ao entrarem, a porta se fecha sozinha, Rick é atingido na nuca e ouve o grito de Jennifer. Rick acorda já com a Máscara em seu rosto algum tempo depois, e em uma poça de sangue (mas nunca especificam se este sangue é dele ou não). A partir daí, Rick sai em busca de Jennifer usando o poder da Terror Mask para destruir os monstros da mansão, experimentos profanos do Dr. West.

  • No primeiro Splatterhouse, Rick não tem sucesso em sua missão. Jennifer é transformada em uma besta horrenda pelos monstros da casa (não são específicos quanto a como e o que causou isso) e Rick, para proteger-se, acaba matando o monstro e, consequentemente, mata também a sua mulher.
  • Já em Splatterhouse 2, Rick não aceita o fato de perdê-la e após uma conversa com a máscara sobrenatural, ele decide encontrar uma maneira de salvá-la do Mundo dos Mortos. Ele é instruído pela Máscara a achar a "Casa Oculta". Depois de passar pelo que restou da West Mansion, queimada completamente no primeiro jogo, Rick encontra a "Casa Oculta" e consegue resgatar Jennifer do Mundo dos Mortos.
  • Em Splatterhouse 3, o final pode diferenciar entre: Salvar sua esposa, Salvar seu filho, ambos… ou nenhum. E é onde tudo termina para sempre. A máscara que aparentava ajudá-lo, na verdade estava usando-o para seus próprios propósitos, para assim dominar a tudo e a todos. Alguns dizem que o fato de Rick poder se transformar em uma forma mais poderosa (chamada de "Mutant Rick" nos materiais americanos) é um sinal de que a máscara estaria dominando-o.

Após exterminar o demônio que invadiaria a Terra para dominá-la (Evil One), Rick enfrenta a máscara.

Dependendo do seu desempenho no jogo, ou a máscara diz que voltará pois se alimenta da dor dos humanos, ou ela dá a entender que morreu definitivamente. Em ambos os caso uma vez mais a máscara se estilhaça.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Todos que já jogaram o jogo, costumam dizer que o protagonista (Rick) tem grande semelhanças com o personagem Jason Voorhees do filme Sexta-Feira 13. Essa comparação pode ter sido tamanha, que a própria Namco decidiu mudar alguns detalhes no personagem. Por isso, no primeiro jogo da série, Rick usava uma máscara de Hóquei, já em Splatterhouse 2, a máscara mudou para um rosto de caveira.
  • No primeiro Splatterhouse, também existe outro que tem semelhança com um personagem de um filme de terror. Este é um dos mestres do jogo. Uma espécie de monstro que tem uma serra elétrica no lugar de cada uma das mãos, e também, usa um saco na cabeça para cobrir seu rosto. Isso lembra Leatherface do Filme O Massacre da Serra Elétrica.
  • De todos jogos que já existiram, Splatterhouse pode ser considerado um (Se não "o") dos jogos mais bizarros já desenvolvidos. A carnificina e sangue usados neste jogo, são um exagero!
  • Splatterhouse foi o primeiro jogo a receber censura, por ter um nível de violência e terror não visto na época, o jogo foi censurado como: "Não recomendável à menores de 18 anos." Desde então todos os jogos eletrônicos, tanto de Arcade como de consoles caseiros, receberam um tipo de censura ou classificação etária. Splatterhouse iniciou a classificação estária no mundos dos jogos eletrônicos.
  • Quando lançado para o console PC-Engine/Turbografx-16 da NEC, o primeiro Splatterhouse recebeu alterações entre as versões Americana e Japonesa. Tais alterações implicam na mudança da cor da máscara que no original japonês é branca, a versão americana adotou a cor vermelha. O chefe da igreja na versão original japonesa, é um cruz invertida com várias cabeças em torno da mesma, a versão americana retirou este chefe considerando a crença católica da época, colocando assim um olho em lugar da cruz.
  • Splatterhouse Part 2 também recebeu modificações de acordo com a região. A versão americana do jogo contava com a opção de passwords para facilitar um pouco o progresso do jogador, já a japonesa original não. Alguns textos foram mudados de uma versão para outra, e a versão japonesa se sai muito mais coerente neste quesito. Além disso o manual da versão japonesa deixa explícito que Rick está às voltas com Dr. West em pessoa desta vez, que seria inclusive o chefe da 5ª fase, e que foi quem aprisonou Jennifer no Mundo dos Mortos. Na versão americana, todas as referências a West foram suprimidas, substituídas por um doutor chamado "Mueller", e nada sobre o aprisionamento de Jennifer é explicado. A máscara novamente sofreu uma alteração. Em Splatterhouse Part 2 a máscara da versão original japonesa não tem rosto, apenas olhos e detalhes na parte inferior, na versão americana a máscara tem o formato e a aparência de um crânio. Além disso, foi aqui que na continuidade americana estabeleceram que a Máscara tem origem Maia. Na versão japonesa não é dada nenhuma informação sobre qual civilização a máscara pertenceria.
  • Splatterhouse Part 3 foi o jogo mais aterrorizante da época. Utlizando quase toda a potência gráfica do Mega Drive (Genesis), o jogo trazia imagens digitalizadas de atores reais, algumas muito fortes, sendo que o jogo recebeu a classificação etária para maiores de 13 anos, usando o sistema próprio de classificação da Sega da época. O jogo em si sofre poucas alterações no conteúdo, textos, fases e mapas são quase idênticos. O sistema de password está presente nas duas versões, porém os controles receberam alguma modifiação na versão americana. Ao invés de apenas pressinar B+C para executar o Roundhouse Kick ou o golpe especial de Rick enquanto mutante, o jogador deve pressionar a sequência: frente, trás,frente + B. Alguns dizem que a versão americana de Splatterhouse 3 é a mais difícil pois o tempo parece correr e ser insuficiente para completar a fase. Uma fase bônus foi adicionada em Splatterhouse 3, chamada de "Stage X"; a fase transporta Rick a uma dimensão paralela a sua, e nessa dimensão pode-se obter vidas, sangue ou apenas, morrer tentando sair dela. Esse estágio só é disponível se o jogador conseguir terminar cada fase com 2 minutos adiantados no relógio.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Anexo:Lista de jogos para Sega Mega Drive

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Site com dados base para esse artigo: http://splatterhouse.classicgaming.gamespy.com/shtginfo.html

Site com explicação detalhada da história da trilogia, com comparação de cada continuidade (Americana e Japonesa) e bestiário de todos os jogos: http://acidocinza.awardspace.com/index.php?pagina=splatterhouse