Stefan Johansson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Stefan Johansson
Stefan Johansson 2009 Indy 500 Carb Day.JPG
Johansson no circuito de Indianápolis, em 2009.
Nome completo Stefan Nils Edwin Johansson
Nacionalidade     sueco
Data de nascimento 8 de setembro de 1956 (58 anos)
Registros na Fórmula 1
Anos 1980, 1983 - 1991
Times 10 (Shadow, Spirit, Tyrrell, Toleman,
Ferrari, McLaren, Ligier,
Onyx, AGS e Footwork)
Campeonatos 0 (5º em 1986)
Pontos 88
Voltas mais rápidas 0
Primeiro GP Argentina GP da Argentina, 1980
(não-classificado)
Último GP Inglaterra GP da Grã-Bretanha, 1991
GPs Poles Pódios Vitórias
103 (79 largadas) 0 12 0
Registros na CART/Champ Car
Anos 1992-1996
Times 1 (Bettenhausen)
Campeonatos 0 (11º em 1994)
Pontos 250
Primeira corrida Estados Unidos GP de Detroit, 1992
Última corrida Estados Unidos GP de Laguna Seca, 1996
GPs Poles Pódios Vitórias
73 0 4 0
Registros nas 24 Horas de Le Mans
Anos 1983-1984, 1990-1992, 1997-2001, 2003, 2006-2008, 2012
Melhor colocação 1º (1997)
Vitórias em classe(s) 3
Outros campeonatos
1979-1982 Fórmula 2

Stefan Nils Edwin Johansson (Växjö, 8 de setembro de 1956), conhecido apenas por Stefan Johansson, é um piloto sueco de automobilismo.

Desde que saiu da Fórmula 1 em 1991, já correu em várias outras categorias, incluindo a extinta CART (mais tarde, Champ Car), vários tipos de corridas com carros esportivos e o Grand Prix Masters, última competição de monopostos que disputou.

Carreira na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

O Toleman TG184, carro pilotado por Johansson nas últimas três provas de 1984.

A entrada de Johansson na Fórmula 1 foi via Campeonato britânico de Fórmula 3, vencido por ele em 1980, pilotando pela equipe Project Four, de Ron Dennis (futuro chefe de equipe da McLaren).

Pela F-1, participou de 103 corridas (largou em 79), estreando em 13 de janeiro de 1980 pela equipe Shadow quando ele ainda estava na Fórmula 3. Teve duas chances na temporada (Argentina e Brasil), mas não se classificou para o grid em ambas; e poderia se dizer que a sua real estreia na categoria aconteceu em 1983, após um curta passagem pela Fórmula 2. A reestreia ocorreu pela equipe Spirit, equipada com motores Honda. Juntou-se à equipe Tyrrell em 1984, em substituição ao piloto inglês Martin Brundle, que se recuperava de um acidente, mas o time seria desclassificado da temporada por conta de irregularidades, e isso fez Johansson disputar três provas pela Toleman, chegando a pontuar pela primeira vez na carreira marcando os 3 pontos com o 4º lugar no GP da Itália em Monza. Seu desempenho chamou a atenção da Ferrari, que, em 1985, o contratou para ocupar o lugar do francês René Arnoux, que saiu misteriosamente da Scuderia a partir da segunda etapa, o GP de Portugal.

Esteve prestes a vencer o GP de San Marino, mas faltando três voltas, abandonou com falta de combustível. Ainda assim, terminou em 6º lugar, por ter completado mais de 90% da corrida. Seu papel naquele campeonato foi o de auxiliar seu companheiro de equipe, o italiano Michele Alboreto, a conquistar o vice-campeonato da competição, mas foi em 1986 que ele obteve a sua melhor classificação na F-1, ao terminar o campeonato em 5º lugar, em sua primeira temporada completa.

Em 1987, assumiu o cockpit da McLaren, como segundo piloto da equipe que tinha Alain Prost como astro principal. O francês batia Johansson constantemente nas classificações, e apesar dos pódios conseguidos na temporada, a equipe decidiu trocá-lo por Ayrton Senna, vindo da Lotus, em 1988.

Incidente com o cervo em Österreichring[editar | editar código-fonte]

Durante o treino de sexta-feira no circuito de Österreichring, palco do GP da Áustria, Johansson atropelou um cervo que cruzava a pista. O animal morreria decapitado, e o sueco, que apesar de ter quebrado uma costela logo após o McLaren MP4/3 bater forte na proteção de pneus, participou da prova, cruzando a linha de chegada em 7º lugar.

Declínio com a Ligier e pódio com a Onyx[editar | editar código-fonte]

Demitido da McLaren, Johansson assinou com a Ligier para a temporada de 1988, sendo companheiro de equipe de Arnoux, ironicamente seu antecessor na Ferrari. O Ligier JS31, equipado com motores Judd, não era competitivo, não marcava pontos e quase sempre não conseguia se qualificar para as corridas (foram oito não-classificações no total, seis delas com Johansson), tanto que o melhor resultado foi um nono lugar, conquistado duas vezes (Brasil e Austrália).

A situação melhorou para ele quando, em 1989, assinou contrato para liderar a estreante equipe Onyx. O carro (Onyx ORE-1) era muito instável e quase não conseguia a qualificação, mas Stefan conseguiu uma façanha ao chegar em terceiro lugar em Portugal, sendo este o último pódio dele na F-1 (e único da equipe).

Adeus à Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

Após não se classificar para os GP's dos Estados Unidos e do Brasil em 1990, Johansson se desentendeu com o novo proprietário da Onyx, Peter Monteverdi, e foi dispensado, não sendo lembrado por nenhuma outra equipe para seguir correndo naquele ano.

No ano seguinte, aos 34 anos, Stefan faria ainda seis corridas - duas pela AGS (não obtendo vaga novamente nas duas primeiras provas) e outras quatro pela Footwork, na qual conseguiu apenas uma vez das quatro tentativas em 1991.

Seu nome chegou a ser cogitado pela equipe Jordan para ocupar a vaga do belga Bertrand Gachot, preso após envolvimento em briga na Inglaterra, mas as negociações não surtiram efeito, e o sueco viu que sua carreira na F-1 estava oficialmente encerrada. Em dez temporadas, conquistou doze pódios, mas nunca chegou a subir ao alto do pódio - marca superada pelo alemão Nick Heidfeld no GP da Malásia de 2011.

Passagem pela CART[editar | editar código-fonte]

Em 1992, Johansson seria contratado pela equipe Bettenhausen, onde conquistou o título de Rookie of the Year (estreante do ano), obtendo dois terceiros lugares, ficando à frente de Éric Bachelart (14º contra o 18º conquistado pelo belga). Apesar de conquistar alguns bons resultados, jamais venceu uma prova da CART. Seu melhor desempenho na categoria veio na temporada de 1994, terminando em 11º lugar. Durante esse tempo, largaria três vezes nas 500 Milhas de Indianápolis (1993-1995, nesta última aos 38 anos).

Envolvimento no acidente fatal de Krosnoff[editar | editar código-fonte]

Na corrida de Molson Indy Toronto (décima-primeira da temporada de 1996), Stefan tentava se defender dos ataques do norte-americano Jeff Krosnoff, estreante na CART. Faltando três voltas para o final da corrida um contato de roda com roda faz com que o carro de Jeff choque-se contra as barreiras, acertando uma árvore e um poste de iluminação que estavam muito próximos da pista de corrida. Krosnoff morreu instantaneamente devido aos ferimentos sofridos contra o poste. Outro envolvido na batida, o fiscal de pista Gary Avrin, faleceria logo depois. Johansson deixou a CART ao final da temporada, depois de chegar apenas em vigésimo-primeiro no GP de Laguna Seca, exatamente no dia em que completava 40 anos.

Outras presenças no automobilismo[editar | editar código-fonte]

Johansson pilota o Joest Porsche WSC-95 em Donington Park, em 1997.

Depois disso, participou de corridas de carros esportes como as 24 Horas de Le Mans, onde competiria por quinze vezes. Em 1997, ele obteve as suas duas maiores vitórias, primeiro nas 12 Horas de Sebring pilotando uma Ferrari 333 SP e depois nas 24 Horas de Le Mans, pilotando um Porsche da Joest Racing, ao lado de seu ex-companheiro de equipe na Ferrari, Michele Alboreto, e do dinamarquês Tom Kristensen.

Durante 1998 e 1999, Stefan correu por várias equipes de carros esportes (como a Audi R8 Race Car em Le Mans) mas, em 2000, ele criou sua própria equipe, a Johansson-Matthews, juntamente com Jim Matthews, um empresário estadunidense. Eles competiram na American Le Mans Series utilizando um protótipo Reynard 2KQ. Infelizmente, este não foi um veículo de sucesso em sua forma original (apesar de mais tarde ele ter-se transformado em vários outros carros de sucesso como o Zytek em que ele correu mais tarde) e a sociedade se desfez.

Em 2001, teve a sorte de realizar a campanha do protótipo do Audi R8 com o patrocínio da Gulf Oil e a assistência da equipe Arena de Mike Earle. Naquele ano ele correu na European Le Mans Series, a ALMS e em Le Mans. Seus co-pilotos foram o inglês Guy Smith e o francês Patrick Lemarié.

Em 2002, pilotou novamente um Audi R8. Seu co-piloto era o ex-piloto de Fórmula 1 Johnny Herbert, competindo na ALMS. No ano seguinte, retornou à CART, agora como proprietário de uma equipe, a American Spirit Team Johansson, que tinha como pilotos dois norte-americanos: o experiente Jimmy Vasser (campeão da CART em 1996) e o estreante Ryan Hunter-Reay (atualmente na IndyCar. Esta foi uma das muitas novas equipes da temporada de 2003 na CART; ironicamente, a equipe Conquest, que tinha Éric Bachelart (também ex-piloto) no comando, era a outra (esta, vinda da IRL).

Em 2006, Johansson fez algumas aparições ocasionais na Grand-Am pelas equipes Cheever e CITGO e continuou a associação com os trabalhos da equipe Zytek na Le Mans European Series. No ano seguinte, competiu pela equipe Highcroft Racing Courage-Acura na classe LMP2 da American Le Mans Series, junto com o australiano David Brabham. Após quatro anos fora de Le Mans, voltou a correr a famosa prova de longa duração, desta vez pela equipe Gulf Racing Middle East, juntamente com os franceses Fabien Giroix e Ludovic Badey, mas não conseguiu terminá-la.

Fora das corridas, Stefan (que chegou a correr na GP Masters) tem vários negócios de especulação comercial e é também considerado um artista - é particularmente conhecido por seus desenhos de relógios.

Todos os Resultados de Stefan Johansson na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

(legenda)

Ano Equipe Chassis Motor Pneus 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 Pontos Posição
1991 AGS Racing AGS JH25 Ford Cosworth
DFR V8
G EUA
NQ
BRA
NQ
0 NC
(36º)
Footwork Grand Prix International Footwork FA12C FRA
NQ
GBR
NQ
Footwork FA12 Porsche 3512
V12
CAN
Ret
MEX
NQ
1990 Moneytron Onyx Formula One Onyx ORE-1 Ford Cosworth
DFR V8
G EUA
NQ
BRA
NQ
- NC
1989 Moneytron Onyx Formula One Onyx ORE-1 Ford Cosworth
DFR V8
G BRA
NPQ
SMR
NPQ
MON
NPQ
MEX
Ret
EUA
Ret
CAN
DSQ
FRA
GBR
NPQ
ALE
Ret
HUN
Ret
BEL
ITA
NPQ
POR
ESP
NPQ
JAP
NPQ
AUS
NPQ
6 12º
1988 Ligier Loto Ligier JS31 Judd CV V8 G BRA
SMR
NQ
MON
Ret
MEX
10º
CAN
Ret
EUA
Ret
FRA
NQ
GBR
NQ
ALE
NQ
HUN
Ret
BEL
11º
ITA
NQ
POR
Ret
ESP
Ret
JAP
NQ
AUS
0 NC
(25º)
1987 Marlboro McLaren International McLaren MP4/3 TAG-Porsche P01
V6 Turbo
G BRA
SMR
BEL
MON
Ret
EUA
FRA
GBR
Ret
ALE
HUN
Ret
AUT
ITA
POR
ESP
MEX
Ret
JAP
AUS
Ret
30
1986 Scuderia Ferrari SpA SEFAC Ferrari F1/86 Ferrari 032
V6 Turbo
G BRA
Ret
ESP
Ret
SMR
MON
10º
BEL
CAN
Ret
EUA
Ret
FRA
Ret
GBR
Ret
ALE
11º
HUN
AUT
ITA
POR
MEX
12º
AUS
23
1985 Tyrrell Racing Organisation Tyrrell 012 Ford Cosworth
DFY V8
G BRA
26
Scuderia Ferrari SpA SEFAC Ferrari 156/85 Ferrari 031
V6 Turbo
POR
SMR
MON
Ret
CAN
EUA
FRA
GBR
Ret
ALE
AUT
HOL
Ret
ITA
BEL
Ret
EUR
Ret
AFS
AUS
1984 Tyrrell Racing Organisation Tyrrell 012 Ford Cosworth
DFY V8
G ING
DSQ
ALE
DSQ
AUT
NQ
HOL
DSQ
3 17º
Toleman Group Motorsport Toleman TG184 Hart 415T
L4 Turbo
M ITA
EUR
Ret
POR
11º
1983 Spirit Racing Spirit 201 Honda RA163E
V6 Turbo
G GBR
Ret
AUT
12º
ITA
Ret
EUR
14º
0 NC
(25º)
Spirit 201C ALE
Ret
HOL
1980 Shadow Cars Shadow DN11 Ford Cosworth
DFV V8
G ARG
NQ
BRA
NQ
- NC