Sthaviravada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pipal.jpg
Budismo
inicial
Escrituras

Cânone páli
Agama
Textos budistas
de Gandhara

Concílio

1º Concílio
2º Concílio
3º Concílio
4º Concílio

Escolas

Primeira Sangha
 Mahāsāṃghika
     Ekavyahāraka
     Lokottaravāda
     Prajñaptivāda
     Caitika
 Sthaviravāda
     Puggalavāda
     Sarvāstivāda
     Vibhajjavāda
         Theravāda
         Dharma-
             guptaka

Sthaviravada (Sânscrito स्थविरवाद; Chinês 上座 部) significa, literalmente, ‘’Doutrina dos Anciãos’’, e foi uma das primeiras escolas budistas. Eles foram um dos dois principais movimentos no Budismo, que surgiu a partir do Grande Cisma do Budismo pré-sectário, sendo o outro o da escola Mahāsāṃghika.

Visão dos Doutos[editar | editar código-fonte]

O cisma dividindo o Sthaviravada e escolas Mahāsāṃghika aconteceu entre a segundo (350 a.C.) e terceiro (250 a.C.) Conselho Budista.

Uma das sugestões referente à causa do Grande Cisma foram os desentendimentos entre as cinco teorias sobre um Arhat supostamente invocados por Mahādeva, que mais tarde fundou a Mahāsāṃghika. Os monges que rejeitaram as cinco teorias nomearam-se como "Sthaviravada" para diferenciarem-se da Mahāsāṃghika.[1] No entanto, esse conto se baseia em um texto posterior, o Mahahvibhasa. No Vasumitra, uma fonte anterior, provavelmente datada cerca de 100 d.C., preservadas em chinês e tibetano, não há nenhuma menção de qualquer pessoa, nomeada Mahādeva. Em vez disso, são listados os nomes das figuras mais conhecidas que aceitaram ou rejeitaram a cinco teorias. Étienne Lamotte demonstrou também que a existência do personagem ‘’Mahādeva’’ foi uma interpolação posterior dos sectários.[2]

Os Sthaviras depois se dividiram em outras escolas como a escola Sarvastivada e Vibhajjavāda (Sânscrito: ‘’Vibhajyavada’’). O ramo Vibhajjavāda resultante deu origem a um número de escolas como a Mahāvihāravāsins (mais tarde chamado de Theravada), a escola Dharmaguptaka, a escola Mahīśāsaka, e a escola Kāśyapīya.[3]

A doutrina Sthaviravada possivelmente sobrevive hoje no Theravāda (Thera e Sthavira sendo as formas em Pāli e Sânscrito da mesma palavra que significa "ancião") - a Escola Theravada reivindica a continuidade doutrinal com o Sthaviravada inicial.

Visões Theravada[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Mahavamsa, uma fonte Theravada, após o Segundo Concílio ser encerrado aqueles que tomaram o lado dos monges juniores, monges que não aceitaram o veredicto, mas realizaram uma montagem de sua própria participação de dez mil chamando-a de Mahasangiti (Convocação Grande) a partir do qual o escola derivou seu nome Mahāsāṃghika.

Veja Também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Dutt 1978
  2. Bhikku Sujato: Sects & Sectarianism: The Origins of Buddhist Schools, page 42. Santi Forest Monastery, 2006.
  3. Bhikku Sujato: Sects & Sectarianism: The Origins of Buddhist Schools, page 61. Santi Forest Monastery, 2006.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Dutt, Nalinaksha (2nd ed., 1978). Buddhist Sects in India. Delhi: Motilal Banarsidass.
  • Keown, Damien (2003). Oxford Dictionary of Buddhism. ISBN 0-19-860560-9.