Streaking

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Streaking é como ficou conhecida a prática de correr nu em locais públicos, por brincadeira ou para chamar a atenção de um grande número de pessoas (normalmente em eventos). O streaker (praticante do streaking) normalmente se esconde em algum lugar, despe-se e quando ninguém está olhando, dispara a correr por ruas, campos ou prédios, em completa nudez (ou pelo menos, no caso de uma streaker do sexo feminino, exibindo os seios em locais públicos).

A prática foi desenvolvida na década de 1970 como um passatempo. Acabou caracterizando aqueles anos, particularmente nos EUA. Alguns streakers se tornaram famosos, outros nunca foram identificados.

No passado e hoje em dia o streaking é muito comum em eventos esportivos, os quais geralmente têm ampla cobertura televisiva.

Na universidade estatal de Michigan, ocorre anualmente a chamada Naked Mile, quando do último dia de aulas; uma volta de aproximadamente uma milha pelo campus na qual os participantes correm nus.

Após um período de raros eventos, o streaking vem reaparecendo a partir do final da década de 1990. Alguns atualmente propõe encarar a prática como uma forma de arte.

Chispada[editar | editar código-fonte]

Chispada é ato de correr nu em lugar público por um rápido período de tempo e depois sumir para evitar um detenção por atentado ao pudor, o que muitas vezes acontece, principalmente nos estádios, onde costuma ser uma forma de protesto ou de chamar a atenção. O praticante se esconde em algum lugar, despe-se onde ninguém o veja, e aparece quando ninguém percebe, correndo o mais rápido que possa, em plena rua, estádios esportivos, etc., completamente nu ou pelo menos expondo a área genital, ou os seios, se mulher.

O termo deriva do verbo chispar, que significa correr velozmente, disparar ou fugir.

Foi uma mania muito comum nos anos 70 no Brasil. Mas ocasionalmente a mídia relata casos em países de Europa ou nos Estados Unidos. Muitos chispadores disputavam a primazia de correr o mais possível sem ser preso ou correr o mais possível até ser preso.

O recorde mundial de chispada teria sido realizado pelos estudantes da Universidade do Colorado em Boulder, com 1.200 pessoas chispando.

Talvez a chispada mais vista na história tenha acontecido em 1974, quando Robert Opal 'chispou' no palco durante a apresentação da 46ª edição do Oscar.